Na TV, Melo volta ao tom crítico e diz que MBL perseguia Plínio Zalewski

Ao contrário do tucano Marchezan Júnior, que aproveitou a retomada dos programas de rádio e TV para pedir paz, o candidato do PMDB, Sebastião Melo (foto ao lado, ontem a noite na TV), avisou que não haverá paz enquanto o tucano não explicar por que razão o MBL perseguia Plínio Zalewski.

E ensinou:

- Paz a gente não pede, pratica.

As estocadas de Melo continuarão.

Sebastião Melo citou supostas perseguições a Plínio Zalewski, ex-coordenador do seu plano de governo. Durante três minutos, fustigou Marchezan Júnior sem parar:

- Finalmente ele falou de paz, usando o episódio da trágica morte de Plínio. Tens que parar, Marchezan. Tens que explicar qual a tua relação com o Movimento Brasil Livre, o MBL, que persegue pessoas, como fizeram dom nosso querido amigo Plínio, que acabou perdendo a sua vida.Eu é que peço, deputado: isso tem que parar. 


Os candidatos Sebastião Melo e Juliana Brizola, protocola às 10h desta quinta-feira, no Ministério Público Eleitoral (1ª Zona de Porto Alegre. Av. Otto Niemeyer, 1980), pedido de investigação sobre indícios de ameaças (em ofensiva jurídica e moral dentro do processo eleitoral) contra Plínio Alexandre Zalewski Vargas. Filiado ao PMDB, Zalewski era um dos coordenadores do plano de governo da coligação e foi encontrado morto no último domingo (16) na sede metropolitana do partido.

Um comentário:

Anônimo disse...



Vai pentear macaco, Melo!!!

Vai ver se eu tô na esquina!

Vai plantar batata que tu ganha mais!