Editorial, Folha - Boca livre

Cada vez mais, felizmente, verifica-se que as investigações da Operação Lava Jato vão deixando de constituir um ponto fora da curva no combate à corrupção no país.
Registraram-se, recentemente, iniciativas da Polícia Federal fora do âmbito do chamado petrolão, em casos como o das contas de campanha de Eduardo Campos (PSB), morto em 2014, e o da Operação Custo Brasil —que levou o ex-ministro petista Paulo Bernardo a ser preso por seis dias.
Numa ação conjunta da PF em São Paulo, no Rio e em Brasília, abre-se agora a caixa-preta das irregularidades na Lei Rouanet. Segundo os investigadores da Operação Boca-Livre, armara-se desde 2001 um esquema destinado a obter vantagens dos mecanismos de isenção tributária previstos na legislação de incentivo à cultura.
Ao longo desse período, cerca de R$ 180 milhões teriam sido desviados em benefício de atividades estranhas aos projetos originais.

(...)

O escândalo coincide com uma crescente onda de críticas ao funcionamento da Lei Rouanet, instrumento que sem dúvida necessita de urgente aprimoramento.

(...)

Rouanet. Cabe revisá-la em seus critérios e amplitudes, mas nenhuma modificação terá eficácia se faltar a fiscalização adequada —e, sempre que necessário, a pronta punição dos corruptos.

CLIQUE AQUI para ler todo o texto.

4 comentários:

Mordaz disse...

Nada melhor do que o mercado neste aspecto. Quem não tem competência não se estabelece. Não é com dinheiro público que se deve sustentar incompetentes e irrelevantes.

Anônimo disse...

Como faço para doar para a vaquinha da dilma

Anônimo disse...

2001 no governo corrupto de lulla e cia... Ah não perái...
Por sinal o corrupto pego na lei rouanet, tinha várias fotos nas passeatas verde e amarela, contra a corrupção onde o editor coxinha tb esteve presente, são essas as "pessoas de bem", que rogam pelo fim da corrupção, mas são os primeiros a meterem a mão.
Bando de coxinhas safados

Anônimo disse...

O único aprimoramento necessário é passar a chamá-la de ROUBANET.