Chilena controla área de 100 mil hectares que não podem ser de propriedade estrangeira

A CMPC, ex-Borregaard, Guaíba, que é chilena, confirmou ontem que encontrou uma maneira legal de colocar sob seu controle 100 mil hectares de terra que não podem ser de sua propriedade, tudo porque localizam-se dentro de área considerada fronteiriça e que a legislação impede que estrangeiros possuam mais de 1,5 mil hectares.

Há muitos anos a CMPC tenta mudar a legislação, sem êxito.

Até por não conseguir alterações, o grupo finlandês Stora Enzo deixou o RS e foi para o Uruguai.

A CMPC firmou acordo com sua concorrente, Fibria, garantindo-lhe o direito de administrar e explorar a área.

A Fibria pretendia montar fábrica de papel e celulose em Rio Grande, comprou 100 mil hectares de terra, reflorestou tudo, mas acabou desistindo do projeto.

7 comentários:

Anônimo disse...

Qual problema? sabem quanto ela paga de impostos e sustenta os marxistas da fepam???????????????

Anônimo disse...

DEIXAM A CHILENA TRABALHAR.

Anônimo disse...

isso é um atentado contra a soberania nacional, é uma vergonha,ja já o pais será dos estrangeiros e iram saquear tudo do povo.

Anônimo disse...

Esta lei é antiquada e desnecessária, ou alguém imagina que o Chile irá comprar todo o RS e transformá-lo em uma colônia? Aliás, se isto acontecesse, talvez eles conseguissem salvar o Estado da falência. A produção de eucaliptos da FIBRIA precisa ter um destino e nada melhor que ser processada e transformada em celulose para exportação aqui mesmo em Guaíba.

Anônimo disse...

a stora enso consegui autorização do Conselho de Defesa para a aquisição de áreas em zona de fronteira, é só pesquisar no google, ela desistiu do projeto no RS por outros motivos.

Anônimo disse...

Eu queria saber sobre que país o anonimo das 15:09 está falando. Não deve, evidentemente, ser o Brasil, pois esse é saqueado a 14 anos por uma quadrilha genuinamente nacional

Anônimo disse...

ANÔNIMO DAS 15:09 TÁ EM OUTRO MUNDO.

ESTÃO DANDO EMPREGO E GERANDO RENDA, DEIXA ELES TRABALHAREM.