Artigo, César Augusto Ilgenfritz, Jornal do Comércio - Eu concordo com a S&P

De fato, o governo brasileiro não merece “grau de investimento”. Vou contar para vocês sobre uma empresa de mais de 20 anos de atuação aqui do Estado, que conheço. Não declinarei o nome, mas se alguém tiver curiosidade, basta me perguntar. Essa empresa tem, em função de seus contratos com o governo, mais de 70% de seu faturamento empenhado em verbas de natureza salarial. Essa empresa tem, em reajustes atrasados para receber, valores que superam 1,5 vezes seu faturamento mensal, pois o governo não paga alguns reajustes previstos em lei, em função de critérios “personalíssimos” de cálculo. Essa empresa tem, nesse momento, 1,5 vezes seu faturamento mensal em faturas vencidas e não pagas pelo governo, por “vários” motivos, mas todos eles porque “o governo não liberou a verba”.

Essa empresa tem o valor correspondente a 49% de sua folha de pagamento em impostos retidos e não devidos por conta de um paternalismo governamental exacerbado que não acredita que o empresário brasileiro irá pagar o que deve. Essa empresa tem mais de 69% de sua folha de pagamento em valores retidos em conta vinculada bloqueada para movimentação por conta de uma decisão inconstitucional do governo que impede a empresa de movimentar seu próprio dinheiro para fazer fluxo de caixa, novamente por conta do receio de que a empresa não pague suas obrigações trabalhistas.


Essa empresa, por conta de tudo isso, encontra-se alavancada em 90% de seu patrimônio líquido em empréstimos de sócios. Esta “fonte de financiamento” foi buscada porque o Banco do Brasil, banco estatal, que antes fazia fila na frente da porta para oferecer dinheiro barato, agora entende que a empresa faz parte de um grupo de risco, pois vende para o governo! Essa empresa, graças ao “governo”, está com sérios receios de não poder cumprir com as suas obrigações se esta situação perdurar. Essa empresa entende que a Standard & Poor’s (S&P) está coberta de razão.

5 comentários:

Anônimo disse...

Economistas discordam de avaliação da S&P:

11/09/2015

Para José Antonio Ocampo, professor da Universidade de Columbia e ex-ministro das Finanças da Colômbia, a agência de ratings Standard & Poor's errou ao rebaixar o grau deinvestimento do Brasil. Ele crê que o país não tem problemas para pagar suas dívidas, e também acha que o ajuste fiscal promovido pelo governo é exagerado e aprofunda a recessão. "A função das agências é prever o comportamento dos bônus no longo prazo, e não atuar de modo oportunista numa crise". Para Ocampo, isso reafirma "a péssima imagem" que ele tem das agências de classificação de risco, e que elas tem um grande histórico de erros.

Luiz Gonzaga Belluzzo, ex-­secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda e professor da Unicamp, critica a importância dada à avaliação da Standard & Poor's para o Brasil. Ele diz que as pessoas "prestam reverência" a essas agências, que deveriam ter perdido sua credibilidade em razão de sua atuação no período que antecedeu a crise de 2008.

(...)

Xi, O entreguists, digo, artiguista deveria declinar o nome da Empresa para fazer uma pesquisinha se a empresa não está envolvida, por ex. na Lava Jato, seja direta ou indiretamente. Nesse caso, não estaria recebendo. De qualquer sorte, gostaria de saber como é que uma empresa (Brasil) que tem aproximadamente 380 bilhões de dólares em caixa, vai ter dificuldade pra pagar uma dívida?

Anônimo disse...

Parece que o cartaz na imagem da matéria vai ser o próximo slogan do Sartori: "Devo não pago, nego enquanto puder" kkkkk

Anônimo disse...

Isso revela que nós já vivemos em um regime quase que comunista imposto por esse governo petralha corrupto e gastador que interfere na vida das empresas, sendo que não consegue administrar nem as suas contas, e que a sua atividade na verdade é roubar o dinheiro alheio e gastar. Como é que um país irá crescer se um governo vagabundo destes retém o capital das empresas que já é escasso? FORA DILMA, PEGUE O PT E O LULA E VAI PRA CUBA QUE OS PARIU!

Anônimo disse...

NOS diga, QUANTO recebestes de dinheiro da PETROBRAS para DIFAMAR e dizer asneiras, anônimo das 16:29?

Cesar Augusto Ilgenfritz disse...

E porque então "pendurou" a conta das 22 limusines, 3 onibus e 1 caminhão que alugou por 15 dias para a Dilma passar 1 dia nos EUA?