Artigo, Márcio Andrade, Instituto Liberal - O triste legado assumido por Sartori

O socialismo dura até acabar o dinheiro dos outros. 
(Margaret Thatcher)

“Criminoso matou, e depois foi chorar no enterro da própria vítima”. Este é um brocardo popular antigo, mas bastante moderno para definir alguns padrões comportamentais diante do quadro das contas públicas no Rio Grande do Sul.
Lembro quando a ex-Governadora Yeda Crusius (PSDB, 2007-2010) disse que ‘a pior coisa que pode acontecer ao Rio Grande é o déficit’, orgulhando-se por ter equilibrado as contas públicas, e ter entregue ao sucessor Tarso Genro (PT) uma situação contábil muito mais tranquila do que encontrou, conhecida nos jargões de economia como ‘déficit zero’.
Tarso, ao assumir seu mandato em 2011, desdenhou por completo a fala da ex-governadora, afirmando que déficit zero era uma ‘falácia neoliberal’, criando, assim, 500 novos cargos em comissão para demonstrar a solidez do seu discurso e conseguindo com o secretário Nacional do Tesouro na época, Arno Augustin (PT), a chamada ‘flexibilização das metas fiscais’, episódio que autorizou o então Governador a aumentar o endividamento do nosso Estado. Não precisamos ter qualquer talento profético para supor o que aconteceria a partir desSe fato; a dívida pública, no período de 2011 a 2014, cresceu 9,8 Bilhões, somada à impossibilidade de o governo estadual contrair novos empréstimos.
E não foi “apenas” isso. Tivemos outros gastos irrefletidos ao longo dos últimos quatro anos: concursos públicos sem qualquer previsão orçamentária; saques de 5,5 bilhões nos depósitos judiciais; aumentos salariais populistas para os segmentos mais obedientes do funcionalismo público; etc. Tudo isso apoiado por setores classistas (CUT, CPERS, SINDSEPE, e outros sindicatos) que, em posição genuflexória, batiam palmas para a irresponsabilidade e descontrole com dinheiro público.
As mesmas entidades que, agora, culpam o atual Governador José Ivo Sartori por ter anunciado um parcelamento salarial para o funcionalismo do estado.
Impossível não perceber nesta postura um misto entre covardia moral e desídia intelectual.
Primeiro, devido ao julgamento que tenta desviar a própria responsabilidade para outrem; todos que ajudaram a destruir economicamente o RS, neste momento, apontam o dedo melecado para Sartori, fugindo às suas responsabilidades sem o mínimo embaraço. A avaliação condenatória é tão frágil, que sequer considera o fato de o Governador ter SEIS MESES de mandato.
Ainda, nota-se uma espécie de preguiça em transcender o raciocínio – nutrida pelas mais grosseiras aparências (tipo parcelamento do salário) – restando por deixar o sujeito domiciliado nos pântanos das imagens rasas e da ideologia cegueta. Criam-se ‘homens-sapiens’ e ‘mulheres-sapiens’ incapazes de refletir sobre a ESSÊNCIA do problema: como estava a situação das contas em tal período? Houve aumento do gasto público? Quais as fontes de receita? Quando piorou? Por quê? Qual foi minha conduta neste episódio? Inércia? Assentimento? Militância dirigida?
Questões incômodas, pois é bem mais conveniente “errar e fugir”, deixando toda responsabilidade para o desavisado que vem logo atrás, a enfrentar nossa persona imatura. Bem mais oportuno criar rótulos para os outros, e se fingir de múmia paralítica.
Deste jeito, assassina-se o Estado. Depois, quando percebemos o reflexo do populismo sedutor e da imprudência nossa de cada dia, choramos no velório… É muito mais fácil.
*Márcio Andrade é professor estadual. 


18 comentários:

Anônimo disse...

Quanta bobagem!
O estado está quebrado devido a renegociação que o CABRITO fez em 1998.

Anônimo disse...

DIFERENTEMENTE DE "OUTRO RAMO" O POLÍTICO É UMA "COBIÇA" PESSOAL.

SAI CANDIDATO A ALGUM CARGO QUEM O QUER, E ACHA QUE TEM O POTENCIAL PARA FAZER ALGO EM TROCA DE SEUS ANSEIOS PESSOAIS.

O PESSOAL É SER GOVERNADOR > A TROCA É FAZER O MELHOR PELA POPULAÇÃO EM GERAL, NÃO SÓ PELOS QUE VOTARAM NELE.

A QUESTÃO FINANCEIRA DO ESTADO FOI AMPLAMENTE DEBATIDA DURANTE A CAMPANHA, TODOS SABIAM DA SITUAÇÃO E QUE SE ENCONTRAVA. NOSSO ATUAL GOVERNADOR, NO ÂMBITO PESSOAL DE ATINGIR O PALÁCIO PIRATINI, SEMPRE COMENTOU QUE NA HORA IRIA DAR AS SOLUÇÕES PARA O RIO GRANDE.

QUE AS FAÇA AGORA ENTÃO. ISSO SIM É GOVERNABILIDADE. NÃO AQUELA QUE ASSINOU COM DILMA NO PLANALTO EM BRASÍLIA.

Anônimo disse...

ELE NÃO ASSUMIU AINDA > ESPERAMOS QUE REALMENTE ASSUMA > PEDIU VOTOS PARA ISSO

Anônimo disse...

CONCORDARIA "EM PARTES" COM O TEXTO SE OS SALÁRIOS DO LEGISLATIVO E DO JUDICIÁRIO TAMBÉM TIVESSEM SIDO PARCELADOS.

INFELIZMENTE CREIO QUE ESTE FATO ACABA POR DEIXAR O TEXTO TODO "SOB JUDICIE",POIS QUER ACOMODAR AS MELANCIAS DE FORMA A DIZER QUE O PARCELAMENTO DO EXECUTIVO FOI ACERTADO.

PENA, SERIA ATÉ UM BOM TEXTO.

Anônimo disse...

LEGADO QUE DIZER: PARA TODOS > SARTORI ESPONTANEAMENTE SE CANDIDATOU AO CARGO, FOI ELEITO PARA GERIR O TAL "LEGADO" > DISSE QUE O FARIA DA MELHOR MANEIRA POSSÍVEL E QUE TINHA MEIOS DE O FAZER. AGORA QUE O FAÇA.

Cap Caverna disse...

Eu disse há uns dois anos atrás que teria pena de quem assumisse o governo do RS, no lugar do crápula petista(todos são) Tarso Genro! Era visivel e notório que o Atraso Genro estava , "governando" somente para pagar o funcionalismo e seus milhares de CCs(sanguessugas), e gastando muito mais do que o RS tinha condições de produzir! Esse cafajeste, usou para tapar os seus desgovernos, dinheiro dos fundos de pensão, verbas trabalhistas depositadas, depositos judiciais e muitos outros valores que não poderia usar. Hoje, só de juros pagamos 3 milhões de reais por dia, mais os valores impagáveis ao governo federal, mais salários, precatórios , e não sobra nada para investimentos, isto é, para que quem paga impostos, usufrua do que paga. R RS estã fálido, quebrado, estamoa a banca rota!

Anônimo disse...

Só vocês acreditam nisso, com o atual índice de correção da dívida, ela só aumenta, basta olhar o gráfico do Britto pra cá.

Anônimo disse...

Se o tiririca da serra acha que tá ruim pede para ir embora, pede baixa. Quem assume o governo assume os bonus e os onus.

Anônimo disse...

Muito bom, professor Márcio.
Pelo visto, o senhor não deve concordar com esta greve do funcionalismo, que pede para o governador honrar seus compromissos, aumentando impostos ou contraindo mais dívida. Mas, enxugar a máquina, nem pensar!
Tá na hora de acabar com demagogia e cair na realidade. Tomar medidas pensando no futuro do estado e não apenas na próxima eleição (coisa que não é fácil para um político brasileiro).

Anônimo disse...

quem sabe quando acabar o dinheiro da gauchada acabará junto a mentalidade socialista e a crença do serviço gratuito que a maioria da gauchada tem.

Anônimo disse...

O Estado não está quebrado !!

Anônimo disse...

...e o Gringão quer que a gente pague o pato?

Anônimo disse...

Mais triste é a solução deste covarde que vai aumentar impostos para aumentar salários e bolsa-juiz. Vergonha!!!

Anônimo disse...

A Yeda Crusius arrumou a casa e chegou a comunistada petralha esbanjadora comandada pelo Atraso Genro, e esculhambou tudo muito pior de quando a governadora recebeu!

Anônimo disse...

É isso aí!
E dá pra sentir a presença destas entidades, destes militantes e corporações, aqui na caixa de comentários do blog.
Gente asquerosa, sô!

Anônimo disse...

Correto acima: "o estado não está quebrado". É só seguir os critérios hoje adotados para salvar a PETROBRAS, vendendo a BR.

Então, VENDER PATRIMONIO PUBLICO sugador da população gaúcha: CEEE, BANRISUL e outros de fácil constatação.

Formar um fundo para aposentadoria dos funcionários públicos. OU, dar a estes o BANCO por conta desta conta impagável, sugadora.



Anônimo disse...

Kkk estes liberais de araque. O lider do governo britto na alrs sr.sartorao da massa era rei de copas e aval da renegociação do saudoso britto. Agora colocam bodes na sala p justificar entrega de patrimônio para os liberais montaram negocios sem concorrencia alguma como sao tv radio jornal luz agua telefone. Liberal so o estado. Os empresarios gostam eh de ser bem comunistas p si proprios. Ps q pateticas as fotos escolhidas a dedo do suposto fracasso do pt. Aecio reuniu 6 mil em bh. Vao se enxergar.

Anônimo disse...

Coitado do Rio Grande. Ainda está contaminado pelos comunistas covardes que não querem pagar pelo que fizeram. Não adianta chorar, Sartori ou qualquer governador não pode imprimir dinheiro e nem pode fazer mágicas. Vai doer, queiram ou não, o conserto do caos gerado pelas barbaridades consentidas de maneira direta ou não.