Ação judicial alerta para riscos estruturais da P55 construída em Rio Grande

A plataforma P55 saiu do estaleiro de Rio Grande no dia 22 de dezembro. A Petrobrás tinha pressa e o cronograma estava atrasado. 



São muito sérias as denúncias feitas por três técnicos de radiologia industrial em relação ao modo apressado e heterodoxo com que foi produzida a plataforma P-55 pela Quip, lançada ao mar no ano passado em Rio Grande.

. A Quip é um consórcio resultante da associação da Queiroz Galvão, UTC, Iesa e Petrobrás.

. Na ação trabalhista protocolada pelo advogado Newton Ferreira dos Santos no dia 21 de setembro de 2012 e que tramita na 2ª. Vara do Trabalho de Rio Grande, cujas cópias capa a capa estão com o editor, uma das denúncias mais benignas é a que acusa a Quip por serviços entregues a terceiros, cujas operações são até quarteirizadas. O editor leu tudo durante o final da semana e conferiu informações esta semana. A Quip manifestou-se nos autos de maneira ligeira e não foi convicente. O material que instruí as denúncias é muito mais consistente e revelador. 

. O advogado Newton Ferreira dos Santos disse nos autos que por dinheiro algum embarcaria na P55, advertindo além disto para problemas semelhantes em outras plataformas. 

. “Há uma rapinagem sem precedentes contra a classe trabalhadora”, denunciaram os técnicos que reclamam em juízo o pagamento de indenizações devidas, portanto com direitos trabalhistas fraudados,  e cujo valor da causa é de R$ 25 milhões.

. Na ação 000.1250-40.2012.5.04.122, existem denúncias pormenorizadas sobre relatórios técnicos fraudados, nos quais são atestados serviços de radiologia industrial sobre soldagens nos casos da plataforma, o que pode ter resultado em falhas estruturais.

. O advogado Newton Ferreira dos Santos chegou a chamar a atenção do juiz do caso para a possibilidade de que desastre em alto mar poderá ocorrer com a P-55, repetindo tragédias como a que tornou a Chevron famosa em todo o mundo.

. O editor voltará ao assunto. 

11 comentários:

Anônimo disse...

A Petrobras cresce.
E os cães latem:

Produção do pré-sal, as reservas e o volume de gás – tudo sobe !

Comunicado oficial da Petrobras, no PiG, nessa terça-feira:

Petrobras: Crescimento medido por vários indicadores

Leia abaixo comunicado oficial que divulgamos nesta terça-feira (29/04):

Nos últimos anos, a Petrobras apresentou crescimento no volume de produção de óleo do pré-sal, na produção de derivados, nas suas reservas provadas e no volume diário de entrega de gás natural. Confira nos gráficos a seguir.

A produção de petróleo do pré-sal continua a crescer. No dia 15 de abril, registramos novo recorde de produção diária nos campos que operamos nas Bacias de Santos e Campos: 428 mil barris de petróleo por dia (bpd). Esse marco resultou do crescimento da produção da plataforma P-58, cuja operação foi iniciada em 17 de março deste ano no complexo chamado Parque das Baleias. Comparando-se as produções de 2014 e 2013, o volume de óleo produzido oriundo dos campos do pré-sal cresceu 41%, um número relevante.

As tecnologias necessárias para a produção na camada pré-sal foram desenvolvidas e encontram-se dominadas pela Petrobras.

Produção de derivados:

*2014: Carga média processada por dia em março/2014.

A produção de derivados de petróleo nas refinarias da Petrobras teve crescimento de 31% no período 2003-2014. O resultado foi um expressivo acréscimo em volume de 512 mil bpd nesse intervalo. Esse ganho equivale ao que se obteria em derivados com a construção de duas refinarias novas com capacidade de cerca de 250 mil barris por dia, cada uma.

Refinar mais a partir das mesmas refinarias, com segurança, qualidade e eficiência, é resultado de investimentos expressivos em modernização, novas unidades de processamento e melhorias operacionais. Até 2020, a Petrobras estará produzindo 3,1 milhões de barris por dia de derivados, abastecendo plenamente o mercado nacional.

Reservas de petróleo e gás

As reservas de petróleo e gás da Petrobras tiveram um aumento expressivo de 27% entre 2003 e 2013. Em 2003, as reservas provadas no Brasil, estimadas pelo critério SPE (da sociedade mundial de engenheiros de petróleo), eram de 12,6 bilhões de barris de óleo equivalente (petróleo e gás). Em 2013, esse volume chegou a 16 bilhões de barris. Pelo 22° ano consecutivo, a Petrobras teve um índice de reposição de reservas acima de 100%.

As reservas provadas, somadas ao volume Potencial Recuperável, alcançam o valor de 27,4 bilhões de barris de óleo equivalente. Essa é uma marca que demonstra a dimensão do trabalho desenvolvido pela Petrobras.

Entrega de gás natural

*2014: Média diária de entrega de gás natural ao mercado em março/2014.

A Petrobras alcançou no mês de março de 2014 o valor de 96 milhões /dia no volume médio de entrega de gás natural. No ano de 2003, de m3 o volume médio diário de entrega foi de 35 milhões de m3 significa um aumento de 174%.

Para chegar ao patamar atual, a companhia fez investimentos expressivos em infraestrutura de transporte, incluindo gasodutos, estações de compressão, pontos de entrega e 3 terminais de Regaseificação de Gás Natural Liquefeito (GNL). O crescimento da malha de gasodutos foi de 76%, passando-se de 5.200 km em 2003 para 9.190 km em 2013.

O gás natural entregue em março de 2014 teve como origem 40 milhões /dia de produção nacional, 32 milhões de m3/dia de importação da Bolívia e 24 milhões de m3/dia de importação de gás natural liquefeito proveniente, majoritariamente, de Trinidad e Tobago. Esse GNL importado foi regaseificado nos 3 terminais de regaseificação existentes no Brasilconstruídos nos últimos 5 anos.

Oswald disse...

Pelo amor de Deus! Digam me de alguma coisa, em relação à Petrobrás, que esteja sendo bem feita. É o famoso método PT de governar? onde o PT governa da certo?

Anônimo disse...

Toca assim mesmo. O problema, se houver, vai estourar em outro governo.

FAÇANHA,o patriota disse...

PARABÉNS, POLÍBIO.

Anônimo disse...

A ÁREA NAVAL NÃO É PARA AMADOR, APÓS AS SOLDAS, ENTRA UMA EQUIPE DE RX E QUALQUER BOLHA DE AR NO MEIO DAS SOLDAS APARECE, CASO OCORRA ISSO ENFRAQUECE TODO A ESTRUTURA DO EQUIPAMENTO, MAS COMO ENTREGAM NA MÃO DE AMADORES NÃO SE ESPANTEM CASO HAJA ALGUM NAUFRÁGIO COM MORTES.


EDUARDO MENEZES

Anônimo disse...

esse projeto começou em pernambuco com os atrasos foi desmembrado, o casco foi feito em pernambuco e a parte operacional da plataforma foi montada aqui em rio grande, diziam na epoca que o casco era uma ganbiarra no lugar das soldas tinha massa e pintado por cima e que teve que ser refeito , as estruturas montadas aqui vieram do rio de janeiro feito por uma empresa terceirizada e tambem foi levantada a historia de que estavam mau feitas , mas mesmo assim a plataforma foi finalizada , hoje a quip nao existe mais como empresa a sociedade foi desfeita e no lugar existe uma outra empresa , eu sempre questionei essa plantaçao de estaleiros pelo brasil com um unico cliente no momento em que a petrobras nao encomendar mais nada ou transferir para fora o que vai ser deles , a p55 foi feita a baxo de cobranças com relaçao aos prazos era preçao de tudo quanto o governo cobrando a petrobras cobrando cada um com seu interesse em jogo as plataformas sao construçoes politicas e sem a menor cuidado com a qualidade tecnica do produto final infelismente as plataformas feitas no brasil sao umas verdadeiras bombas relogio que em um momento qualquer vao explodir

Anônimo disse...

Não podemos esquecer a tragédia ocorrida com a plataforma da Petrobrás P-32 ocorrida em 2001, onde morreram 11 trabalhadores!

Anônimo disse...

segundo corre aqui na cidade a plataforma depois que saiu do estaleiro ficou a deriva por 12 dias em alto mar por problemas nos suportes das amarras isso foi so uma parte dos problemas que aconteceram, dizem que ela e uma bomba relogio que a qualquer momento vai explodir, a estrutura do casco feito em pernambuco e parte mais vulneravel pois os problemas foram encobertos por grossas camadas de tinta e tinta nao mantem uma estrutura em pe, preça em mostrar que as plataformas estao sendo feitas dentro do prazo esta levando a fabricassao de verdadeiras bombas flutuantes quando começar acontecer os problemas a petrobras nao vai mais valer nada

MANOEL DESILUDIDO disse...

Queres dizer, MONTADA.

Anônimo disse...

Prá variar,mais uma mostra da competência da insuperável tecnologia tupiniquim!

Anônimo disse...

Tecnologia temos sim, profissionais capacitados temos sim, más também temos Brasileiros mal caráter, em todas as etapas dos projetos, o problema está na falta de caráter de alguns profissionais e de alguns órgãos, como por exemplo abendi, crea, e fbts que estão fabricando profissionais por dinheiro!