Saulo Ramos, no seu livro "Código da Vida", para Celso de Mello: "Você é um juiz de merda !"

No seu livro de memórias, o jurista paulista Saulo Ramos conta na página 131 que foi o presidente José Sarney quem nomeou José Celso de Mello Filho para ministro do Supremo Tribunal Federal.Em “Código da Vida”, 467 páginas, editora Planeta, ele conta desta forma o episódio:

- Na Consultoria (Saulo foi Consultor Geral da República no governo Sarney) eu contava com a colaboração do secretário-geral, o jovem promotor público de São Paulo, José Celso de Mello Filho, requisitado para prestar serviços à Presidência. Talento inegável. Eis que surgiu mais uma vaga no STF.Sarney já havia nomeado Carlos Madeira, Sepúlveda Pertence e Paulo Brossard. Indiquei Celso de Mello, mas o ministro Oscar Correia queria Carlos Velloso. Eu venci.

. Mais adiante, na página 169, Saulo Ramos conta que tão logo Sarney saiu da presidência, decidiu mudar o domicílio eleitoral para o Amapá e o caso foi parar no STF. A Corte estava naquele momento em recesso. Leia o que conta o ex-chefe do ministro Celso de Mello e seu padrinho político na indicação para o Supremo:

.  O ministro Celso de Mello, meu ex-secretário na Consultoria Geral da República, me telefonou:

- O processo do presidente será distribuído amanhã. Em Brasília só estamos eu e o marco Aurélio, primo de Collor. Não sei como ele votará.

. Celso de Mello concordou com a tese de que era indiscutível a matéria de fato, isto é, a transferência do domicílio eleitoral no prazo da lei. Até porque não se pode confundir domicílio civil e domicílio eleitoral.
.
 O caso foi distribuído para Marco Aurélio, que liminarmente beneficiou Sarney. No livro, o desfecho é contado deste modo:

.  Veio o dia do julgamento do mérito pelo plenário, Sarney ganhou, mas o último a votar foi o ministro Celso de Mello, que votou pela cassação da candidatura do Sarney.

. De qualquer modo, Celso de Mello foi voto vencido, mas Saulo Ramos demonstrou perplexidade:

- Ele não teve sequer a gentileza, ou habilidade, de dar-se por impedido. Votou contra o presidente que o nomeara, depois de ter demonstrado grande preocupação com a hipótese de Marco Aurélio ser o relator.

. A partir daqui, vai o que consta da página 170:

Apressou-se ele mesmo a me telefonar, explicando:
- Doutor Saul, o senhor deve ter estranhado o meu voto.
- Claro ! O que deu em você ?
- É que a Folha de S. Paulo, na véspera da votação, noticiou que o presidente tinha os votos dos ministros e enumerou vários nomes, inclusive o meu. Quando chegou a minha vez, notei que ele já tinha vencido e votei para desmentir a Folha de S. Paulo. Mas fique tranquilo,  poque se meu voto fosse decidisivo, eu teria votado a favor do presidente.
- Espere um pouco,. Deixe-me ver se compreendi bem. Você votou contra o Sarney porque a Folha noticiou que você votaria a favor ?
- Sim.
- E se o Sarney já não houvesse ganhado, quando chegou a sua vez de vogtar, você, nesse caso, votaria a favor dele ?
- Exatamente. O senhor entendeu ?
- Entendi. Entebndi que você é um juiz cde merda !
Bati o telefone e nunca mais falei com ele. 

13 comentários:

Anônimo disse...


Pela lição, é por essas razões que a comoposição do STF deve vir das entidades que compõe o cenário jurídico e constitucional: MP, OAB E MAGISTRATURA.

Enquanto forem escolhidos por critérios nobulosos, os resultados são bem esses aí contados:

" - Você é um juiz de merda ! "

Se fosse um juiz de carreira, concursado ou indicado legitimamente pela Classe, o Saulo tava preso em flagrante ( por telefone ) até hoje e contaria suas memórias ... apenas do cárcere !

Anônimo disse...

Os eruditos também podem ser merda!

Inteligencia e moral são coisas muito diferente.

Anônimo disse...

Esses cargos devem ser concursados, para que o juiz não fique devendo favores.


Eduardo Menezes

Anônimo disse...

Será que ele vai votar nos embargos infringente pensando no Sarney?Dessa forma os mensaleiros estariam politicamente nas mãos do Sarney?Eu heim?

Alberto Magno disse...

Políbio, ontem comprei o livro do Dr.Saulo, mas estou na página 90, e verifiquei que nas entrelinhas, que o Brasil é o país do jeitinho, que sempre deu certo na justiça (para os poderosos) até o final dos anos 90, porque não tinha a internet, abertura democrática, etc.., o que esperar de nossa justiça, nada e nada, portanto o que o Dr. disse é verdade, quase todos são uns GRANDES ME...

NEWTON disse...

Se domicilio civil é domicilio civil e domicilio eleitoral é domicilio eleitoral, então o "espírito da lei" que se EXPLODA.

Anônimo disse...

Se o editor fosse um pouco, mas só um pouco inteligente, verificaria que este livro do saulo ramos é cheio de mentiras. Algumas passagens são impossiveis de ter acontecido pois as pessoas citadas sequer estavam no local citado. Porém, o editor é BURRO e só ocupou cargos no jornalismo pq era um tremendo puxa-saco.

Luiz Vargas disse...

Pô PeTralha de 14/09, 16h55min, tu poderias demonstrar algum resquício de coragem e colocar o teu nome. Aí sim poderia ter alguma legitimidade as ofensas que vieste defecar neste site.
Aliás, tu nem deverias ter entrado aqui. O teu chão é o blog do Zé Dir$eu.
Pelo que vemos o anonimato é o manto sob o qual os covardes PeTralha$ se escondem para "corajosamente" proferir ofensas e inverdades. Mas eles são assim desde a fundação da organização quadrilheira que integram.

Saul Guilherme Soibelmann disse...

Saul Guilherme Soibelmann - Não escondo meu nome e abomino esses covardes que escondem, o nome ou a cara (voto secreto). Sou grande admirador do Políbio, embora não o conheça pessoalmente. Pela sua coragem, inteligência e apego ao bom jornalismo.

cid ayres Ferreira disse...

Não deveria ser permitido comentários de anônimos porque é muito fácil ser valente usando máscara...

Anônimo disse...

http://fatosdireito.blogspot.com.br/2010/04/codigo-da-vida-de-saulo-ramos.html


Vejamos o que diz a outra parte. Para quem não sabe, o nome disso é contraditório.

Fabrício C. disse...

Anônimo 20/09 18:22, o seu contraditório está cheio de mentiras e inverdades sobre o livro! Questiono se apenas por má-fé, já que alguns pontos demostram burrice mesmo! Palavras e citações soltas do Saulo, como o "aprendi a conviver com a minha consciência". Coisa de safado mesmo. Sequer entendeu as datas da narrativa, o que fica claro no episódio do celular "na década de 80". A portaria que proibiu o uso do celular com viva-voz foi em agosto de 2002. Posteriormente, o Saulo foi consultar outro advogado sobre o caso (Gervásio) e falou que o CONAR já tinha 25 anos. O CONAR foi fundado em 80, portanto isso foi em 2005. Burrinho. O caso central da narrativa não foi da década de 80 não. Aprenda a apurar os fatos, mentir é coisa de petista.

sergio alexandre disse...

sergio
estou vendo que os comentarios sairao melhor que o livro