Saia da zona de conforto e venha votar contra os comunistas Boulos e Manuela D'Ávila

 

30 comentários:

Anônimo disse...

Pessoas entre 60 e 65 anos, saiam da Zona de Conforto em venha votar em Manuela porque o Mello do MDB vai acabar com a passagem gratuíta dos idosos.

Anônimo disse...

Eu quero é botar nessa manu kkkk

Anônimo disse...

Pra ganhar eleição, a direita padrão Fifa embola com Satanás diante do púlpito na maior cara dura. São vigaristas como os outros.

Anônimo disse...

A verdade, é que os verdadeiros representantes do povo avançam no final das duas campanhas, tanto em São Paulo, quanto em Porto Alegre, e mais uma vez, a direita desesperada chega furiosa, com seus candidatos, prontos para todo tipo de violência própria de desorientados. Na duas chapas da esquerda e centro esquerda, tanto em São Paulo, com Boulos e Erundina, quanto em Porto Alegre, com Manuela e Rosseto, os titulares, podem apresentar seus vices, com total garantia do respeito do respectivos eleitorados, o que não se pode dizer o mesmo dos vices tão desconhecidos dos eleitorados, tanto em São Paulo, quanto em Porto Alegre.

Anônimo disse...

Candidato à Prefeitura de Porto Alegre, Melo alega situação de pobreza para não pagar dívida com a União:

Segundo reportagem da Veja, o candidato à Prefeitura de Porto Alegre pelo MDB, Sebastião Melo, declarou de forma irregular dinheiro recebido de uma indenização; condenado a pagar R$122 mil, ele recorreu argumentando estar em situação financeira precária, mesmo possuindo um patrimônio que soma um total de R$458 mil

26 de novembro de 2020

247 - Sebastião Melo (MDB), candidato à Prefeitura de Porto Alegre que disputa o segundo turno contra Manuela D’Ávila (PCdoB), fez uma declaração fictíca à Justiça forjando uma situação de pobreza com o objetivo de não pagar uma dívida com a Receita Federal, segundo reportagem da revista Veja. A pendência é referente à declaração irregular às autoridades do pagamento de uma indenização.

A declaração irregular levou a determinação de uma multa de R$122 mil em dezembro de 2013. O caso se arrasta até hoje. Em julho deste ano, Melo pediu que lhe fosse concedido o benefício da gratuidade, que exoneraria o candidato de pagar as custas e honorários do processo. Este benefício só pode ser concedido a pessoas em situação de “hipossuficiência financeira”, ou seja, a quem não tem condição financeira abastada.

No entanto, o Tribunal Federal da 4ª Região, em Porto Alegre, indeferiu o pedido, considerando que estava “ausente nos autos declaração pessoal de pobreza”. Os holerites de Melo recebidos pelo Tribunal constavam R$25.3 mil mensais. Além disso, em 2015 a Fazenda Nacional descobriu que Melo tinha aplicações financeiras de R$94.9 mil.

Anônimo disse...

Saia da sua Zona de Conforto não vote em velhaco.

Anônimo disse...

Saia da sua Zona de Conforto e não vote em sonegador de impostos.

Anônimo disse...

Saia de sua Zona de Conforto não vote em quem não paga os próprios impostos e quer administrar a cidade de Porto Alegre.....

Anônimo disse...

Vou fazer uma boa ação no dia 29, vou votar de maneira útil só para que o invasor de moradias não consiga invadir a prefeitura de Sampa.
Descobri hoje que ele, o psolista, tem processo criminal. Consulte no google para ver como é verdade!

Anônimo disse...

Saia da sua Zona de Conforte e não vote em Candidato a Prefeito que pede gratuidade das custas do processo na Justiça Federal.

Anônimo disse...

Está batendo pavor na direita podre.

Anônimo disse...

Não vote em figuras manjadas que fazem parte da velha e corrupta política dos lobos, que se vestem com pele de cordeiro para enganar os desavisados e ingênuos em época de eleições. Dúvida? É só verificar quem apóia a candidatura do Melo do MDB.

Anônimo disse...

Vou votar na Manuela, pois sou de uma das fundações públicas do RS, e ela quer nos apoiar para continuarmos vivos, O governador tem nos deixado muito bem, e estamos aí, pois o Sartori queria nos comer e não conseguiu. Leite vai nos ajudar e passaremos o governo dele incólumes e preparemos o terreno para Manu governadora, depois de prefeita e ajudar todas fundações do RS, as extintas e as não extintas. Viva as fundações, Viva Manuela!

Anônimo disse...

Polibio, e o teu filho candidato...
como foi nas urnas?

Anônimo disse...

Creio que zona de conforto seria votar no melo

Anônimo disse...

Esquerdalha de merda vota em Maconhella... simples

Anônimo disse...

Condenam o Boulos por levar as pessoas a terem direito a um teto, e não dizem nada com relação a um dito cujo com poderes de sobra para pagar as custas judiciais de um determinado processo segunda a revista de alguns blogueiros, a Veja.
Viva a hipocrisia nessa sociedade doente!

Anônimo disse...

Isso aí,é Manuela na cabeça!

Anônimo disse...

Kkkkk. Vai se sujar amigo. Não tem nada de bom naquele corpo

Anônimo disse...

A esquerda já nasce podre e corrupta. E consegue fazer a cabecinha dos doentes

Anônimo disse...

Funcionários públicos vagabundos votam em Maconhella...

Anônimo disse...

A manu será nossa futura prefeita e ponto final.

Anônimo disse...

Cai fora Melo

Anônimo disse...

Em Caxias do Sul deve haver um mutirão de eleitores para evitar a volta da quadrilha à prefeitura. Os vermelhos estão com unhas e dentes afiados para raspar os cofres da prefeitura.

Anônimo disse...

Racismo: 59% dizem que João Alberto foi morto no Carrefour por ser negro, diz pesquisa:

26 novembro, 2020 - Do Poder 360

Pesquisa PoderData divulgada nesta 5ª feira (28.nov.2020) mostra que 59% dos brasileiros consideram que a morte de João Alberto Silveira Freitas, homem negro de 40 anos conhecido como Beto por amigos e familiares, foi 1 caso de racismo.

O autônomo fazia compra numa unidade do Carrefour em Porto Alegre (RS) em 19 de novembro. Desentendeu-se verbalmente com funcionários. Foi acompanhado até a saída do local e desferiu 1 soco em 1 dos seguranças do supermercado. A partir daí, foi espancado por alguns minutos e acabou morrendo.

O assassinato ocorreu na véspera do Dia da Consciência Negra, celebrado na 6ª feira (20.nov.2020). Imagens da agressão foram gravadas e circularam nas redes sociais.

(…)

Anônimo disse...

Após falar que mentiu em B.O, mulher de vice de Covas diz que não lembra se realizou queixa sobre agressão:

Em outubro, Regina Carnovale, mulher de Ricardo Nunes, vice de Bruno Covas, disse que havia mentido em boletim de ocorrência sobre agressão doméstica. Agora, ela mudou de versão e afirma que não lembra se realizou B.O

26 de novembro de 2020

247 - Mulher do vereador Ricardo Nunes (MDB), candidato a vice de Bruno Covas (PSDB), Regina Carnovale disse não se lembrar de ter feito um boletim de ocorrência (B.O) policial sobre agressão doméstica. Ela afirmou, no mês passado, à Folha de S.Paulo, que havia dito no boletim de ocorrência coisas que não são reais.

Agora, Regina mudou sua versão. Em entrevista ao jornal O Estado de S.Paulo, ela declarou: "Não me lembro de feito aquele boletim de ocorrência. Não sei se apagou da minha memória porque eu estava muito nervosa."

"Mas eu não me recordo de ter ido até a delegacia fazer um B.O. contra ele. Se eu tivesse ido até uma delegacia, eu iria lembrar do delegado, de quem me atendeu, enfim", afirmou.

PS: Vc que é mulher não vote em Candidato a Prefeito, cujo Vice está envolvido em agressão domética.

Anônimo disse...

Só hoje que vc descobriu que o VAGABUNDO BOULOS FECAIS responde a processo criminal por depredação de patrimônio ? Tá atrasado, hein, cara ?

Anônimo disse...

Centro esquerda é o centro do seu c@

Anônimo disse...

Depois de ser massacrado por passar pano para Covas, O Globo muda título de matéria:

​26 novembro, 2020 - DCM

Nesta quinta (26), após Covas distribuir cestas básicas a três dias da eleição, o Globo noticiou o fato como um evento comum e completamente legal de campanha.

O jornal passou pano para o prefeito tucano e foi massacrado nas redes.

Depois da repercussão negativa, o veículo decidiu mudar o título da matéria:

“Psol acusa Covas de crime eleitoral em entrega de cestas básicas da prefeitura; campanha tucana nega”.

.x.x.x.

elias disse...

Pcdob quer o bem da nomenklatura. O resto só miséria e perda da liberdade.