Municipários decidem manter greve em Porto Alegre

Em assembléia realizada esta tarde, os municipários de Porto Alegre decidiram manter a greve que decretaram há duas semanas.

A assembléia rejeitou a proposta do prefeito.


Em proposta por parte do governo municipal, o prefeito ofereceu a garantia de que os projetos encaminhados à Câmara de Vereadores sobre servidores não serão votados nos próximos 40 dias e a criação de um grupo de trabalho com representantes da Prefeitura e do Simpa para a promoção de um debate sobre as propostas.

6 comentários:

Anônimo disse...

Enquanto os Gestores do Marchezan continuarem pagando FG's gordas para os simpatizantes dos sindicalistas do SIMPA que organizam movimentos grevistas contra o Governo a coisa não moraliza. Quem deveria dar o exemplo de não fazer greve é protegido enquanto os que trabalham e não protestam são perseguidos.

Anônimo disse...

Aos poucos, o Júnior vai ajoelhando... Hum, hum

Anônimo disse...

Ora, trabalhar para que? Melhor aproveitar o tempo vendendo Mary Kay, que o salário está garantido pelo judiciário...

Unknown disse...

Mundo Pelego... grevismo e vagabundagem!!!
E segue o baile!!!

Anônimo disse...

A postagem feita tem um grande erro: Na proposta enviada pelo prefeito, não falava nada sobre a criação de um grupo de trabalho com representantes do SIMPA e dos servidores. O grupo seria composto pela secretaria da fazenda, do planejamento e da Procuradoria.

Sem juízo de valor, creio que o jornalista deveria apenas passar a informação correta.

Anônimo disse...

OS NAZISTAS ESTÃO DE VOLTA E SÃO MONITORADOS PELA POLÍCIA GAÚCHA
Igor Sperotto | Polícia Civil/Reprodução
Delegado Paulo Cesar Jardim, titular da 1ª Delegacia de Polícia de Porto Alegre, responsável pelo Grupo de Combate ao Neonazismo no Rio Grande do Sul, afirma que "os neonazistas se acham superiores ao MBL ou a políticos como Jair Bolsonaro”; “Não estamos lidando com bandidos, ou doidos. Estamos combatendo uma ideologia de mais de 70 anos”, analisa; segundo ele, na maioria são jovens entre 17 e 30 anos que agem com extrema violência, em bandos. Em geral, são indiciados por crimes como tentativa de homicídio, formação de quadrilha, corrupção de menores, propaganda e incitação ao nazismo; confira reportagem do site Extraclasse
25 DE OUTUBRO DE 2017 ÀS 11:45 // TV 247 NO YOUTUBE Youtube