Caso do Jurerê Internacional vai a julgamento, hoje, no TRF4, Porto Alegre

Nesta terça-feira será julgada no Tribunal Regional Federal da 4ª Região, em Porto Alegre, a ação que reúne as apelações movidas contra a sentença do juiz Marcelo Krás Borges, da 6ª Vara Federal de Florianópolis, que determinou a demolição das edificações e anexos do Cafe de La Musique, Donna, La Serena, 300 e GoSunset, todos localizados na praia de Jurerê Internacional.

O empreendimento, Jurerê Internacional, é do grupo Habitasul, de Péricles Druck, Porto Alegre. Druck foi condenado à prisão no âmbito do mesmo caso, mas recorreu. 

Parte interessada no processo, a prefeitura de Florianópolis é favorável à manutenção dos beach clubs.

10 comentários:

Anônimo disse...

Na minha opinião não deve ser demolido, Druck e donos deveriam perder a propriedade dos imóveis e passar a prefeitura para futura venda.

Anônimo disse...

FALTA JUIZO A ESTE JUIZ QUE MANDOU DEMOLIR ESTES EMPREENDIMENTOS E PRENDER UM EMPRESARIO GERADOR DE EMPREGOS E RIQUEZAS.

UM JUIZ QUE COM CERTEZA NÃO DIGNIFICA A SUA CLASSE,A SUA ATIVIDADE,ESTÁ SIM TENTANDO APARECER E SE DIGNIFICAR COM A FUNÇÃO QUE EXERCE,SE SERVIR AO INVES DE SERVIR.

COISA FEIA!

Anônimo disse...

Vivemos momentos estranhos. O protagonismo do judiciário e do MP criam inseguranças terríveis. Chocam-se diuturnamente o legal com o imoral, o politicamente correto com o pragmático, o ideal com o possível, o sonho com a realidade, as forças do futuro, com as forças do atraso. O ambiente dos negócios está de tal forma conspurcado pela ação dos indemissíveis e irresponsáveis, que sobram poucos idealistas e dispostos ao risco. Infelizmente, ao fim e ao cabo, penso que perdemos, além de sucessivamente o trem da história, desta vez, também a esperança. Apenas uma ruptura poderá, ou acabar de vez, ou recolocar em ordem de vez.

Anônimo disse...

Ecoxiitas! Se dependesse dessa gente o Brasil estaria na idade da pedra. Na verdade estamos voltando para la rapidamente.

Chico Valente disse...

Para quem trabalha (?) com e pela vanguarda do atrazo as edificações (todas) devem ser demolidas e a área distribuída aos sem teto, aos sem puçá e aos sem terra. Logo todos esses estarão pedindo esmola.
E os ricos burgueses?
Fácil, irão embora para a acolhedora Miami, o Caribe é paradisíaco, a Colombia e o Uruguai se estruturam para turismo.
Restará para a população local chupar o dedo e trabalhar feito palhaços para pagar impostos e sustentar os "idealistas".

Anônimo disse...

Druck bandido botou sua cachorrada prá latir ehehehe

Anônimo disse...

Quando o picareta do Péricles quebrou o banco e deixou gente pindurada no pincel nos anos 80 tu não lembra nao é?

Anônimo disse...

09;39 FALOU BEM, DEFINIU E ALERTOU,ESTAMOS RETORNANDO A IDADE DA PEDRA

Unknown disse...

Justiceiros emplumados, Deuses na Terra... surrealismo explícito de nossos magistrados!!!
Justiça que tarda falha!!! Querer retornar ao estágio de terreno em um baita empreendimento é dose!!!
Coisa de gerico, que tá de bolso cheio e não corre riscos na vida, afinal, é filho e herdeiro do Estado!!!

Anônimo disse...

O Druck aprontou nos anos 70 no RS. "Faliu", deixou milhares no prejuízo. Veio para cá, SC, comprou (apossou-se) uma área gigantesca no norte da ilha, cheia de belezas naturais, a troco de banana.
Derrubou, aterrou, loteou, vendeu a preço de ouro e dólar. Enriqueceu ainda mais, tudo à custa de prejuízos incalculáveis ao meio ambiente, graças à velha tática de molhar BEM a mão dos fiscais da Prefeitura de Floripa.
Depois, acabou o sossego dos moradores locais com a vinda dos tais beach clubs, com a poluição sonora e visual, apoderando-se da faixa de areia como se fosse praia particular. Muita birita, droga e putaria correndo soltas.
A Associação de Moradores entrou com ação e aguarda a sentença favorável de derrubada dos clubs e os reparos aos danos ambientais.