Entenda por que cai a inflação e a economia cresce mais lentamente

O cenário de continuidade de desinflação e moderação da atividade econômica no final do trimestre passado deverá ser confirmado com os indicadores que será conhecido esta semana. 

Eis a análise que fizeram esta semana sobre o assunto os economistas do Bradesco, seguindo aviso que o editor acaba de receber:

Destacamos o resultado da indústria de maio, os primeiros indicadores de junho e o IPCA fechado de junho. Na terça-feira, a Pesquisa Mensal da Indústria deve mostrar que a produção industrial ficou estável na passagem de abril para maio. Além disso, conheceremos os dados da indústria automobilística referentes a junho: (i) emplacamentos, hoje, divulgados pela Fenabrave e (ii) produção, na quinta-feira, pela Anfavea. Os dados de inflação, por sua vez, devem confirmar a tendência desinflacionária. Na sexta-feira, teremos o resultado do IPCA, para o qual projetamos queda de 0,23%, refletindo o recuo das tarifas de energia elétrica e do preço dos combustíveis. Com isso, a variação da inflação em doze meses passará de 3,60% em maio para 3,00% em junho. Já o IGP-M, que será conhecido no mesmo dia, deve mostrar deflação mais intensa, de 0,85%, puxada pela retração dos preços dos produtos agropecuários no atacado. Por fim, conheceremos hoje os dados da balança comercial de junho, para os quais projetamos superávit de US$ 7,1 bilhões.