A gravação da conversa entre Joesley e Temer, não sofreu edição, diz PF

O relatório vazou ontem a noite da PGR para a  Folha de S. Paulo, que revelou que essa foi a conclusão da Polícia Federal, após perícia no áudio entregue pelo empresário dono da JBS.
Conforme a perícia, ocorreram "mais de 180 interrupções naturais no som", mas seriam provocadas pelo próprio equipamento usado por Joesley. 

A gravação foi feita em 7 de março, no Palácio do Jaburu, e disparou crise no governo.



A defesa do presidente, em processo por obstrução de Justiça, alega que o áudio sofreu alterações.