15 dias depois do temporal, galhos, árvores e lixo continuam atravancando a vida de Porto Alegre

Um dos monturos foi colocado na esquina e aparece pouco aquém do carro branco. A foto foi obtida pelo meu iPhone e não está boa, mas os monturos estão nas ruas do bairro: Dario, Corte, Eça. E por toda a cidade. Não dá para entender tamanha dimensão de incompetência, desídia, incúria e lentidão. 


Sem segurança ostensiva alguma nas ruas da cidade, agora nem com suprimento garantido de luz e força está garantido em Porto Alegre.

Simples ventanias ou chuvas fortes fazem a CEEE promover apagões ou cortes seletivos.

A cidade não consegue sequer remover os galhos, folhagens, árvores e sujeira que foram agrupados em monturos sobre ruas e calçadas logo depois do temporal do dia 29 de janeiro, como mostra a foto ao lado, tomada ontem a tarde na rua Dario Pederneiras pelo editor.

Até mesmo no Parque Marinha do Brasil, que segundo a Smam perdeu 30% das suas árvores, os restos amontoados ou espalhados prosseguem impedindo a frequência dos moradores.

3 comentários:

Anônimo disse...

O FORTUNATI leu demais sobre o equilíbrio ecológico e suas vantagens
por ser algo NATURAL, sem a interferência HUMANA. Assim, aguarda que
NATURALMENTE as árvores se DECOMPONHAM e sejam incorporadas a paisagem. Mais Natural IMPOSSÍVEL.

Anônimo disse...

Mais uma prova de que é preciso privatizar todos os serviços públicos!

Anônimo disse...

Por acaso esse não é o bairro Petropolis? Ou o editor acha que um local especifico da cidade representa toda a cidade?