Saiba por que Paulo de Tarso não gosta do editor

O que mais incomodou o presidente da CEEE foram duas informações que o editor passou em primeira mão aos seus leitores:

1) Ele fez acordo com o velho sindicalista antonio Barbedo, pelo qual ficou assegurado ao grupo dele a presidência da Fundação CEEE, a Eletrocee. Este mesmo grupo quebrou o Sinergisul.

2) Na última reunião de diretoria, Paulo de Tarso vetou a presença do diretor de Planejamento, Luiz Baumgratz, com quem está atritado.

Paulo de Tarso se diz do PSDB, embora nenhuma liderança do Partido saiba da existência do tucano nos seus quadros, enquanto que Baumgratz é da quota do PPS.

E não é só.

O presidente da CEEE tem trabalhado com números inconsistentes a respeito da estatal.

19 comentários:

Anônimo disse...

A CEEE virou um covil de hienas. Passam a maior parte do tempo discutindo quem será o próximo chefe ou o próximo diretor e esquecem para o questão sendo pagos: para trabalhar.
Tem mais...
Existe conchavos entre empreiteiras por aqui. Algumas "mandam e desmandam". Outras, olha só, tem seu almoxarifado privado dentro da CEEE. Isso quando não implantam postes da RGE na rede da CEEE. Resta saber de que forma o poste chegou até nosso estaleiro.

Anônimo disse...

Será por isso que pessoal não tá olhando os medidores de luz, e tascando consumo lá nas nuvens ?

Anônimo disse...

QUEM É ESSE PAULO DE TROSO????

Anônimo disse...

Independente de quem esteja lá. A CEEE, Banrisul, Corsan e todas as outras estatais tem que serem privatizadas ou simplesmente fechada.

Estado tem que garantir somente segurança, saúde e educação. Simples assim !

Anônimo disse...

Fez acordo com Barbedo? Certamente não foi por ingênuo. Vai afundar a poderosa Fundação Eletroceee. QUE HORROR.

Anônimo disse...

Lembro da época da grande rapinagem em cima da CEEE por conta de milhares de processos trabalhistas decorrentes de reivindicações sindicais. A estatal perdeu milhões em ações simplesmente por que os seus advogados não compareciam às audiências para defender o interesse da estatal. O golpe rendeu fortunas a muita gente e elegeu políticos. Tem gente que jura que o estado precisa manter um monstrengo desses.

Lima disse...

Ei Anonimo das 16:10... esquecestes de mencionar que este tal de Barbedo foi um dos protagonistas de tudo que dissestes.
Editor, dê uma pesquisada nos seus arquivos e vais achar coisas interessantes sobre o Barbedo e.. o Cardeal...

Anônimo disse...

Tens algum exemplo de números inconsistentes divulgados pelo Presidente da CEEE?

Anônimo disse...

Exatamente! Feche-se este mostrengo... junto com outros. Estado é para Segurança, Saúde e Educação.
Atenção funcionários da CEEE: não estão gostando do que está sendo dito??? Então, trabalhem e parem de perseguir os que trabalham.
É... a gente sabe que vcs perseguem aqueles que querem produzir. Sempre tem alguém que fala do lado de fora o que acontece aí dentro.
Barbedo... largo o osso antes que seja tarde... olha a Federal aí!!!
Ou tu achas que não vai sobrar uma "beira" prá ti, hã?!

Anônimo disse...

E o editor gosta do Paulo de Tarso? Se não gosta, porque não gosta?

Maria Aparecida Vieira Souto disse...

Concordo plenamente com o Anônimo de 14 de outubro de 2015 15:25.

Anônimo disse...

A realidade que estamos vivenciando hoje, de incompetênica em quase todos os setores públicos, nos faz pensar numa proibição de políticos gerirem a coisa pública. Lendo o site do Políbio penso que este presidente da CEEE é incapaz do cargo que ocupa e mais, desconhece o "modos operandi" do negócio da empresa. Não consigo imaginar que aqui no RS não tenha alguém com capacidade e conhecimento técnico para administrar a CEEE sem o viés político, capaz de fazer as reformas necessárias para modernizar seus processos, tornando-a uma empresa competitiva e respeitada no mercado, valorizando, capacitando e cobrando seu quadro de funcionários para entregar um serviço de excelência aos seus clientes.

Quando a cabeça está doente, o corpo não está bem e não consegue realizar um bom trabalho. Vejam só, alí todos tem indicação política, desde os Conselheiros do Conselho de Administração, passando pelas Diretorias, seus assistentes (com raríssimas e honradas excessões), grande parte das chefias e por aí vai. Esse pessoal quer só duas coisas, na ordem: o numerário resultante disso e o "status interno", porque externo não tem nenhum. E o compromisso com a empresa e seus clientes onde fica? Em lugar algum! Cada um faz o que bem entende, não há cobrança empresarial interna. Ou seja, o critério de indicação dessas pessoas não foi técnico, não foi de merecimento, foi político.

Se o Governador não entender isso, estará perdendo seu tempo, e a CEEE não terá solução, será esse eterno câncer.

Anônimo disse...

A única coisa que se pode fazer por uma estatal brasileira é privatizá-la imediatamente. O resto é papo furado de pelego oportunista.

Anônimo disse...

Anônimo das 16:10hs, os advogados não comparecem até hoje, continuam na mesma comodidade, existe um setor jurídico com trocentos funcionários, mas quem vai nas audiências são advogados terceirizados e funcionários das agências.
E com certeza a turma do Barbedo vai quebrar a fundação!

Anônimo disse...

Sr. Polibio:

Em Minas Gerais o grupo CEMIG (o grupo CEEE deles) tem dado em torno de R$ 3 bilhões de lucro por ano. Já no Paraná o grupo Copel (o grupo CEEE deles) tem dado em torno de R$ 1 bilhão de lucro por ano.
Quais as razões de um grupo empresarial muito assemelhado aos daqueles Estados estar em situação tão pior no RS?
São várias as razões e a maior delas, sem dúvida, reside na falta de visão e na irresponsabilidade dos governos do RS, pois aqui, em regra, eles colocam verdadeiros analfabetos em setor elétrico para gerirem o setor elétrico, prevalevce a visão partidária e não o interesse público.
Outro fato dessa desgraça reside na existência de alguns funcionários, na verdade maus funcionários, que se aliam a esses políticos muquiranas e passam a ser co-partícipes na incompetência da gestão. Eles fazem isso em função de carguinhos e por inveja dos bons quadros procuram afastá-los. Então se une a fome com a vontade de comer. Gestores analfabetos em setor elétrico se unem a alguns funcionários muquiranas, sem espinha dorsal e sem espírito público que ajudam a se ter esse desastre. Também ocorreu na história da CEEE a espoliação da empresa por um esquema sindicalista de natureza patrimonialista, que parece irá delapidar a fundação da CEEE, pois já delapidou os recursos do sindicato e quebrou o plano de saúde.
Basta lembrar que, enquanto no RS esquartejaram a empresa de modo míope o Itamar Franco na mesma época, após ter respaldado a implantação do plano real foi para governar Minas Gerais e lá, em lugar de esquartejar a CEMIG decidiu fazer parceria com empresa privada, via licitação. Deu tão certo que mais adiante a CEMIG recomprou a cota parte participação dessa empresa privada, sem deixar de considerar que a CEMIG passou a adquirir cotas partes de diversas empresas, em parceria com a iniciativa privada e jogando pesado no mercado acionário, mesmo na Bolsa de NY.
No caso da Copel do PR eles tem participado de inúmeros empreendimentos empresarias e só fazem expandir e aumentar os empregos no PR como é o caso de terem construido a melhor empresa de transmissão de dados do Brasil tendo digitalizado todas as cidades do PR. E sem essa burrice de ficar ameaçando demitir centenas de profissionais, fato que vai gerar brutal passivo trabalhista, por haver jurisprudência pacífica no STF em sentido contrário. Será que os gaúchos só sabem pensar em destruir? Ninguém aqui sabe construir e nem copiar o que deu certo nos outros estado?
A verdade Sr. Polibio é que os governos no PR e em MG, ao menos até aqui, sempre encaram suas empresas energéticas como verdadeiras empresas. Valorizam a profissionalização e cobram resultados de fato. Os mineiros e os paranaenses tem orgulho de suas empresas energéticas, por saberem que prestam serviços de gabarito muito melhores dos que os prestados por empresas privadas congêneres.
Lá os funcionários procuram blindar as empresas de interferências fisiológicas de muquiranas do mundo político, já aqui sempre tem uma meia dúzia de pseudos profissionais que ajudam os gestores muquiranas e procuram isolar, perseguir, e afastar os quadros mais qualificados.
Na década de 70, do século passado, a CEEE era imitada por CEMIG e por COPEL e é muito triste perceber a enorme decadência atual da empresa. Mas o RS também vem decaindo em função de governos míopes e medíocres.
O mais incrível e triste é perceber que boa parte dos funcionários da CEEE está sem qualquer espírito de reação.

Abaixo a mediocridade gaudéria!
Abaixo a falta de visão gaudéria!

Anônimo disse...

Esse cara estava matando cachorro a grito, desesperado por um emprego. É daqueles típicos gaúchos encrenqueiros. Não sei de onde tiraram colocar esse cara na CEEE.

Anônimo disse...

Editor, há alguns dias - quando fizestes a pesquisa sobre órgãos públicos - eu te avisei para bater forte nesse pessoal que consomem nossos impostos e não nos dão o retorno.
O bombeiros levam 9 meses para examinar um PPCI e quando o fazem usam a legislação vigente no dia da análise e não aquela que vigorava no dia do protocolo.
Como levam 9 meses e a legislação muda a cada 6 meses, não é difícil de se concluir que nunca irão aprovar, pois sempre muda a legislação que eles usam para analisar. Isso emperra o crescimento da construção civil.
A CEEE já tem seus problemas acima descritos.
Na SDO (estado) arquitetos não gostam de engenheiros e demoram para analisar/liberar os projetos/obras.
Na SMOV uma certa profissional prefere passar batom enquanto o contribuinte espera seu projeto ser liberado.
Essa gente - funcionários públicos - só tem preocupação consigo mesmo e aqueles que OUSAM honrar o salário que recebem, são imediatamente hostilizados pelos demais. Sofrem perseguições. São acusados de receber propina para agilizar processos e documentos.
Editor, bata forte nessa gente. São entulho de petralhas.
E não me venham com aquela desculpa de "não se pode generalizar", pois este argumento é justamente usado pelos vagabundos para se esconderem sob este manto.

Anônimo disse...

E tem alguém que goste do editor de fato, a não ser a familia? O resto é tudo interesse editor. O editor é usado leva chinelada de todos os lados e os "amigos" ajudam a pagar os advogados nos Processinhos que o editor responde, respondeu ou responderá?

Osmar Telo disse...

Ei anônimo das 12h16: quem trabalha, quem investe, quem evolui na senda mental/moral e progride na sua profissão gosta do Editor. Os demais... odeiam!!!
kkkkkkkkkkkkkk...