Mulher do governador petista de Minas, Fernando Pimentel, de novo na mira da Polícia

A Polícia Federal suspeita que um contrato de R$ 8 milhões entre o grupo de varejo Casino e a empresa do jornalista Mário Rosa seja "ideologicamente falso" para justificar pagamentos à jornalista Carolina Oliveira, mulher do governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT).

É o que informa a Folha de S. Paulo de hoje. 

Leia a reportagem compçleta:

As suspeitas foram levantadas em relatórios da Operação Acrônimo, que tramita no STJ (Superior Tribunal de Justiça). Nas últimas duas décadas, Rosa tem sido um dos mais ativos consultores de imagem e "gerenciadores de crise" de políticos e empresas.

A PF encontrou, na residência de Carolina, uma planilha que indicava R$ 362 mil como "valores recebidos do Casino". A Folha apurou que a empresa dela, a Oli Comunicação, que tem apenas um funcionário registrado, recebeu, de fato, R$ 2,98 milhões da empresa de Rosa, a MR Consultoria, relativos ao contrato com o Casino, que vigorou de 2011 a 2014.

Carolina recebeu pagamentos mensais que oscilaram de R$ 65 mil a R$ 183 mil entre 2012 e 2014. Para a PF, os pagamentos têm relação com a gestão de Pimentel à frente do MDIC (Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio), pasta que chefiou de 2011 a 2014 e ao qual está vinculado o BNDES.

"Acredita-se que Mário Rosa tenha 'contratado' Carolina para facilitar o lobby que teria feito junto ao MDIC/BNDES, obter o benefício solicitado ao Casino e que parte desse pagamento indevido seria repassado para Carolina", escreveu a PF em relatório.

A defesa do Casino afirmou à PF que os pagamentos à MR estão relacionados a "uma verdadeira guerra" entre o Casino e o seu então parceiro no Grupo Pão de Açúcar, Abílio Diniz, e que não houve benefício do BNDES ao Casino.

Em 2011, Diniz tentou fazer uma fusão entre o Pão de Açúcar e o Carrefour com recursos do BNDES. O grupo francês, porém, atuou "combatendo veementemente essa proposta", segundo petição entregue pelo Casino à PF. Em julho do mesmo ano, o BNDES desistiu da operação. Isso permitiu que o Casino assumisse, em 2013, o controle acionário do Pão de Açúcar.

Na época, Pimentel era ministro e Carolina trabalhava como assessora no BNDES. O Casino diz que, como contratou a MR após a decisão do banco, não faz sentido ser colocado sob suspeita de ter buscado benesses no governo.

OUTRO LADO

Os jornalistas Mário Rosa e Carolina Oliveira e o Grupo Casino negaram quaisquer irregularidades nos pagamentos realizados pelo grupo varejista à empresa de Rosa, a MR Consultoria, e afirmaram que foram prestados os serviços de comunicação e gerenciamento de crise previstos no contrato e seus aditivos.

"Fui contratado como consultor de comunicação de uma das maiores empresas privadas do país para atuar em assunto que foi resolvido no âmbito privado, sem nenhuma interferência do governo", disse Rosa. "Quando fui contratado, esse assunto do BNDES já havia sido resolvido", afirmou o jornalista.

O advogado de Carolina Oliveira, Pierpaolo Bottini, afirmou à Folha que ela, a convite de Rosa, prestou "serviços de comunicação" ao Casino, auxiliando Rosa em "gestão de crise" e que serão apresentadas à Justiça provas da afirmação.

O advogado disse que a suspeita de que os pagamentos sejam uma fachada "é uma ideia extremamente injusta". "Carolina tem e-mails demonstrando que trabalhou para esses clientes e trabalhou bastante. Nem ela nem Pimentel tinham qualquer ingerência sobre decisões do BNDES", afirmou.

Em nota, o Grupo Casino afirmou que os contratos com a MR, relacionados à disputa com Abílio Diniz, a partir de julho de 2011, "contemplaram todos os requisitos exigidos por lei e seus termos seguiram padrões de mercado, consistentes com aqueles firmados pelo Grupo Casino com outros profissionais no mesmo ramo de atuação".


E acrescenta: "Os serviços prestados pela MR Consultoria foram comprovados às autoridades competentes e são de conhecimento público. O Grupo Casino reafirma que jamais contratou Carolina Pimentel ou qualquer de suas empresas".

6 comentários:

Anônimo disse...

E a mulher do Cunha? A PF, o MPF o Juiz moro, tão zelosos para f...o PT e seus filiados, preferencialmente botando na cadeia até entreguarem alguém, desde de que seja do PT. Tanto que chegaram ao cúmulo de prender a cunhada do Ex tesoureiro do PT porque confundiram com a mulher do cara através de uma imagem sacando dinheiro em um Caixa eletronico, segundo a investigação da PF/MPF tratava-se da mulher do ex-tesoureira sacando dinheiro de propina. Depois o juiz moro teve mandar soltar a mulher porque se precipitou/errou. Mas a mulher do Cunha que gastou horores no exterior com dinheiro de propina do maridão sequer foi ouvida pela zelosa PF/MPF do Paraná, quanto mais presa. Prendam a mulher que ela abre o bico e acaba com esse trololo do Cunha e seus comparsas do PSDB, DEMOs, PPS, SDD, etc. Seria medinho de prender a mulher porque foi ex-reporter da globo? Ou é vista grossa mesmo? Ou não tem nada a ver? Ou o foco é o PT mesmo, mas assumam publicamente, como fez o jornal o Estadão.

Anônimo disse...

O foco é o teu PARTIDO-QUADRILHA MESMO, ordinário 12:00.

Anônimo disse...

Capacho das 12:00
Não tente tirar o foco. O foco é quadrilha do petrolão inteira. Não terceirize a culpa. Sua teta vai sumir em breve.

Anônimo disse...

quadrilha do pt = kkkk, este pimentel deveria ter sido afastado já, a policia ha meses em relAtorio disse que elE é chefe de quadrilha de lavagem de dinheiro, por que é blindado como dilma e lula..VERGONHA

Anônimo disse...

Ao anônimo das 12,00Hs.informo,se já não sabe,que são raros os PTs que não estão envolvidos com a polícia.
Só dá eles.
Basta ler jornais.

Anônimo disse...

Eu sou a favor que o juiz moro mande prender a Mulher do Governador Fernando Pimentel de MG e da Mulher do Presidente da Camara dos Deputados Eduardo Cunha, para investigar o caso mais a miude, até que confessem ou entreguem alguém. Quem não deve não teme a prisão.