Paulo Figueiredo alerta para risco das derrubadas das torres

Ao lado, torre sabotada em Roraima.

O jornalista Paulo Figueiredo Filho, que vive e trabalha nos Estados Unidos, é neto do ex-prsidente e general João Figueiredo.

Nos últimos 4 anos, não errou nada do que falou de cocheira sobre a caserna.com ênfase para o 8 de Janeiro.

Hoje, ele alerta para a seguinte informação:

- A derrubada das tores de transmissão não tem nada a ver com vandalismo ou terrorismo, porque é ato preparatório de guerra.

Ops !!

8 comentários:

Anônimo disse...

Nesse caso, melhor já descobrir quem haverá de atacar-nos e entre --gar nossa rendição

Anônimo disse...

Nesse caso, melhor já descobrir quem haverá de atacar-nos e entre --gar nossa rendição

Anônimo disse...

Cacilda!

Anônimo disse...

Tamos fodidos...
Não temos mais FA para defender o país.

Anônimo disse...

Com essa turma bolivariana não se brinca. Nunca sabe o que pretendem logo ali na frente. O fato sabido é que querem uma União das Repúblicas Socialistas Bolivarianas. O método escolhido acho que ninguém sabe ainda. Só eles ...

Anônimo disse...

É . Trevas, corrupção e vandalismo. Ah! E amor. Quando o " amor" vence. Trevas e muito amor andam juntos! PT = P.artido das T. revas.

Anônimo disse...

Realmente ele tem razão, usinas, redes elétricas e fontes de água potável, combinadas hoje com redes de comunicações(celular/internet) são chamados de "pontos sensíveis", primeiros locais onde o inimigo ataca, mas agora como o EB(Exército Bolivariano) vendido, creio que não devemos nos preocupar com invasões, se houver "tá tudo em casa", soberania prá quê?

Anônimo disse...

Ato preparatório de guerra já vem acontecendo há bom tempo.
Notícias isoladas sobre fortalecimento de facções narco, contrabando de armas. treinamentos de soldados irregulares, treinamentos de soldados sem terra - vide os curso Che Guevara em viamão, RS - proibição virtual ou judicial de forças policiais atuarem em áreas "liberadas", as chamadas comunidades.
Há um ato do tribunal superior proibindo polícia subir o morro e helicópteros sobrevoarem grandes áreas de comunidades no Rio de Janeiro. Uma certa figura carimbada estuda impedir judicialmente fotos de drones e até de satélites.
Se isso não é preparatório, passa a ser direitos humanos.
A quem interessa lotear, dividir, acabar a nossa Pátria em feudos particulares após derramamento de muito sangue. Está tudo na cara de todos.