Bolsonaro (31,9%) venceria Moro (11,5%) e qualquer outro candidato, diz Paraná Pesquisas. Números são de 1o turno.

O presidente Jair Bolsonaro venceria facilmente qualquer candidato no caso de 1o turno das eleições, caso elas fossem hoje.

A constatação é do Instituto Paraná Pesquisas e compreende qualquer um dos 5 cenários apresentados aos eleitores.

Eis os números da pesquisa estimulada para 1o turno, cenário mais provável de candidatos:

Bolsonaro, 31,9%; Moro, 11,5%; Haddad, 10,5%; Ciro Gomes, 10%; Luciano Huck, 8%; Doria, 5,3%; Boulos, 3,1%; João Amoêdo, 2,8%.

4,3% ainda não sbem em quem votariam e 12,5% não votariam em nenhum dos candidatos listados.

10 comentários:

Anônimo disse...

Que porra e essa, votar para presidente para que, se esses inúteis não mandam porra nenhuma, são umas legitimas rainha da Inglaterra, veja oque esta acontecendo com o Bolsonaro. hoje o stf e o presidente da câmera são quem mandam e desmando neste pais de bananas.

Gasparzinho disse...

Quanta PaTacuada !!! 31,9% Há, Há, Há ...

Emmanuel disse...

Tudo besteira .... Bolsonaro venderia logo no primeiro turno a despeito das roubalheiras que,por certo tendem a ser repetidas em 2022.

Anônimo disse...

E o segundo turno? Ocultou?

Anônimo disse...

Ficou faltando nosso melhor pré-candidato - o tal do Eduardo Leite, o homem do lock-down que desempregou milhares de pessoas e está fazendo a fome aumentar no estado.

Anônimo disse...

Flávio Bolsonaro passa o dia em shopping de luxo comprando mobília para a mansão de R$ 6 milhões:

O casal Flávio e Fernanda Bolsonaro foi às compras num dos mais caros shoppings de Brasília, no último sábado, para decorar mansão de R$6 milhões que já é um dos maiores escândalos do governo Bolsonaro

5 mar 2021

247 - No último sábado (27) de fevereiro, quando Brasília se preparava para entrar em lockdown devido à explosão de mortes e à falta de UTIs, o casal Flávio e Fernanda Bolsonaro foram tranquilos às compras, em um dos mais caros shoppings de Brasília. A informação é do jornalista Guilherme Amado, em sua coluna no portal Época.

O senador e sua esposa são os novos donos de uma mansão avaliada em R$ 6 milhões. Os dois passaram a chuvosa manhã daquele sábado visitando lojas caras do Casa Park, especializando em decoração e design. A mansão está no centro de um dos maiores escândalos do governo Bolsonaro.

O custo do luxuoso imóvel, localizado numa das regiões mais nobres de Brasília, é muito superior à renda declarada por Flávio, abrindo especulações de que ele adquiriu o bem através de fraude no Banco Regional de Brasília (BRB), responsável pelo financiamento de R$ 3,1 milhões utilizados na aquisição do imóvel.

Na campanha eleitoral de 2018, o senador declarou patrimônio de R$ 1,7 milhão ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Seu salário enquanto senador é de 25 mil reais mensais.

O filho de Bolsonaro comprou a casa milionária do namorado de uma juíza que trabalhou com um dos ministros do Superior Tribunal de Justiça (STJ) que votou pela anulação das provas contra ele no caso das rachadinhas.

Após a aquisição do imóvel, Flávio tem questionado os interlocutores mais próximos se sua ação foi "precipitada", segundo a jornalista Bela Megale. Criticado até mesmo por aliados pela compra, ele passou a fazer uma pergunta quando fala sobre o assunto com interlocutores: “Você também acha que eu errei?”.

Anônimo disse...

Mensagens apontam que Cármen Lúcia orientou Deltan sobre soltura de Lula
Mensagens da Operação Spoofing:

04.mar.2021 - Poder360

Trechos de mensagens obtidas pela operação Spoofing, que investiga o vazamento de mensagens de celulares de autoridades, apontam indícios de que a ministra Cármen Lúcia do STF (Supremo Tribunal Federal) orientou membros da operação Lava Jato a manterem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva preso, em 2018, quando uma ordem do TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª região) determinou a soltura do líder petista.

As mensagens constam em uma petição encaminhada ao STF pela defesa do ex-presidente, no processo em que é questionada a isenção do ex-juiz Sergio Moro, nas denúncias envolvendo Lula, nesta 5ª feira (4.mar.2021). Leia a íntegra (3,2 MB).

Nas mensagens anexadas ao documento, Deltan Dallagnol conversa com outros membros da força-tarefa do MPF (Ministério Público Federal), sobre a situação envolvendo a possível libertação de Lula. Segundo a transcrição, ele afirma ter conversado com Cármen Lúcia e diz que a ministra falou com o então ministro da Justiça, Raul Jungmann, orientando para que a ordem do TRF-4 não fosse cumprida.

“Carmem Lúcia ligou pra Jungman e mandou não cumprir e teria falado tb com Thompson”, disse Deltan. À época, a ministra presidia o STF.

Thompson seria uma referência ao juiz federal Thompson Flores, presidente do TRF-4 à época da decisão que determinou a soltura de Lula. Foi dele quem partiu uma segunda determinação que suspendeu a libertação do ex-presidente. O alvará de soltura havia sido expedido pelo juiz Rogério Favreto. (...

José Corrêa disse...

Outra pezkiza ...

Qual interesse isso tem???

Quer saber a real???

Mandem Duda Milka, Llulladrão, o Condenadão, #Traidória calça atochada, cangaCiro et caterva saírem a rua a pé e vejam o que acontece!!!

Anônimo disse...

O Chato petista, de novo. Vai prá casa, já cheiro crack demais.

Anônimo disse...

Por isso o Bolsonaro está pisando na bola. Tem que usar sua popularidade para enquadrar o STF que está quebrando as pernas dele. Esse ato covarde o do Congresso ao se ajoelhar para o STF também foi responsabildiade do Bolsonaro. Para piorar o Congresso faz uma PEC para aumentar a impunidade.
Pegou muito feio para o Bolsonaro.
Ou você quebra as pernas do seu adversário ou eles quebram as suas.