Preço dos imóveis registrou forte desvalorização real em julho

O preço nominal médio do metro quadrado para venda de imóvel no Brasil atingiu o valor de R$ 4.844,00 em julho deste ano, tendo desvalorização nominal de 0,08% em comparação com o mesmo período de 2016 (R$ 4.848,00). Em relação a junho deste ano (R$ 4.833,00), houve valorização de 0,23%. O levantamento foi realizado pelo VivaReal. 

Em julho de 2017, em comparação ao mesmo período do ano anterior, 14 cidades registraram alta no preço médio do m2 para venda. Jundiaí e Santos ficaram estáveis, e outras 14 cidades sofreram queda, entre elas Porto Alegre, com recuo de 0,03%. 

8 comentários:

Anônimo disse...

Tem que cair muito, mas muito mais pra ser justo. Imoveis em locais horrorosos, proximos a favelas, com gente tocando funk na vizinhanca, cheio de defeitos de construcao, custando mais caro que condos nos Estados Unidos. Vao se enxergar seus corretores, arrumem um trabalho decente, facam um Senai/Senac.

Pobre de quem precisa comprar.

Anônimo disse...

Donos de imóveis não querem vender com preço mais baixo preferem ficar com o imóvel encalhado, assim a inflação vai comendo o valor e depois de vários alguém faz uma oferta.
E o espertalhão acha que teve lucro.

E o pior é que esse pessoal não tem capacidade de analisar o local onde o imóvel se localiza, imagine querer cobrar valores exorbitantes para apartamentos numa cidade porca como Porto Alegre?

Anônimo disse...

aonde q cai preço do aluguel, aluguel é uma fortuna em nosso pais nao vejo queda alguma nos imoveis ao contrario o aluguel alem de ser alto ta sempre subindo

Anônimo disse...

Chamar isso de desvalorização é confirmar que este país não é sério.

Anônimo disse...

0,03 %, forte desvalorização !
Kkkkkkk

Zé Piu disse...

Quem dita preço de imóveis é a relação oferta e procura

Anônimo disse...

se a desvalorização foi medida por uma imobiliária, é porque a queda É MUITO MAIOR.

além disos, ainda vai ter que cair 40% pra ficar de acordo com o bolso do povo.

contra o tamanho da economia não há o que fazer: não existe, nem existirá dinheiro pra comprar por estes preços.

quem não baixar, não vai vender.

Anônimo disse...

CHEFE DO EXÉRCITO VAI ÀS REDES E CRÍTICA CAOS FISCAL DE TEMER E MEIRELLES:

O general Eduardo Villas Boas, comandante do Exército, usou seu perfil no Twitter para criticar o aperto orçamentário que a força terrestre está sofrendo; a instituição está enfrentando um grave contingenciamento de recursos que, segundo fontes militares, está praticamente paralisando os programas estratégicos do Exército, como o Sisfron, sistema de vigilância de fronteiras; contingenciamento de recursos é resultado do caos econômico de Henrique Meirelles e Michel Temer: enquanto Meirelles produziu um rombo anual de R$ 160 bilhões e estourou a meta, Temer gastou R$ 13,4 bilhões só pra se salvar; com isso, governo agora é obrigado a cortar em serviços básicos, como a defesa do País.

4 DE AGOSTO DE 2017

247 - O comandante do Exército, general Eduardo Villas Boas, usou as redes sociais para criticar o aperto orçamentário que a força terrestre está sofrendo. A crítica foi feita nesta quinta-feira, 3, em seu perfil no Twitter. Os recursos hoje disponíveis nos caixas do Exército são suficientes para que se chegue apenas até o mês de setembro.

“Conduzo seguidas reuniões sobre a gestão dos cortes orçamentários impostos ao @exercitooficial. Fazemos nosso dever de casa, mas há limites”, disse o general no microblog, ao falar sobre as dificuldades que a instituição está enfrentando e o grave contingenciamento de recursos que, segundo fontes militares, está praticamente paralisando os programas estratégicos do Exército, como o Sisfron, sistema de vigilância de fronteiras.

A principal queixa dos militares é de que o governo federal impõe seguidas missões ao Exército em todas as áreas, mas a equipe econômica não repassa os recursos necessários para o desempenho dos trabalhos. A última delas foi no Rio, com uma nova ida de tropas para as ruas, para tentar oferecer segurança à população.

As informações são de reportagem de Tânia Monteiro no Estado de S.Paulo.

PS: ]Bom sinal, até o EB já está perdendo a paciencia com O traíra. Caminho para Lula2018 está bem pavimentado. Agora é administrar os fracassos das panelas e esperar 2018 com paciência.