Temer acusa mudança de lado do braço-direito de Janot, Marcelo Miller.

Na fala que fez ainda há pouco, o presidente Michel Temer denunciou a migração do procurador Marcelo Miller (foto ao lado), da condição de braço-direito de Janot no caso da delação premiada da JBS,  para a condição do escritório dos advogados da própria JBS(o procurador teria acertado contrato por US$10 milhões, segundo assessores de Temer):

- Saiu de um, dia para o outro, com informações e ligações privilegiadas, sem cumprir quarentena. E da posição, ajudou a costurar os acordos de delação premiada, ganhando milhões.

As denúncias feitas por Temer já tinham repercutido na imprensa, mas Janot reagiu, dizendo que não havia nada ilegal. A decisão de Miller de deixar o Ministério Público Federal para migrar para a área privada, que pegou a todos no MPF de surpresa, veio a público em 6 de março, véspera da conversa entre Joesley Batista e Michel Temer, gravada pelo empresário, no Palácio do Jaburu, que deu origem à delação.

Miller passou a atuar no escritório Trench, Rossi &Watanabe Advogados, do Rio de Janeiro, contratado pela JBS para negociar a leniência, acordo na área cível complementar à delação.

O Conselho Nacional do MP nunca examinou o caso e a OAB, pelo menos até agora, não disse se o escritório violou ou não as regras de compliance.