Temer vê 'infâmia', afirma que não há provas e diz que denúncia é 'ficção'.

CLIQUE AQUI para ler as 64 páginas da denúncia da PGR e também o artigo no qual o jornalista Reinaldo Azevedo desconstrói a acusação.

O presidente disse ainda há pouco que sofreu 'ataque injurioso e indigno'. No pronunciamento, o presidente criticou o eventual fatiamento da denúncia. Para Temer, a estratégia de Rodrigo Janot visa "paralisar o país". E denunciou: "Ainda se fatiam as denúncias para provocar fatos semanais".

O presidente Michel Temer afirmou na tarde desta terça-feira que não há provas concretas na denúncia por corrupção passiva contra ele apresentada nesta segunda ao STF pela Procuradoria Geral da República. Segundo ele, a peça acusatória é uma "ficção".

Foi a primeira fala de Temer desde que a denúncia foi apresentada, na noite desta segunda. Ele fez o pronunciamento no Salão Leste do Palácio do Planalto. O presidente chegou ao local acompanhado de diversos ministros e parlamentares da base aliada, que se postaram de pé ao lado do presidente em sinal de apoio. Entre os parlamentares presentes ao pronunciamento do presidente estava Alceu Moreira (PMDB-RS), um dos cotados para ser indicado relator da denúncia contra Temer na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Também compareceram, entre outros, os deputados Nelson Marquezelli (PTB-SP), Ricardo Izar (PP-SP), Jovair Arantes (PTB-GO), Darcísio Perondi (PMDB-RS), Hugo Motta (PMDB-PB), Mauro Pereira (PMDB-RS), Izalci Lucas.(PSDB-DF), Pedro Paulo (PMDB-RJ) e Alfredo Kaefer (PSL-PR), além do presidente do Conselho de Ética da Câmara, deputado Elmar Nascimento (DEM-BA).