Lobista Fernando Baiano relata em detalhes sua atuação a serviço do PT e aliados no assalto à Petrobras

Jaws é Sérgio Moro. 
A Veja garante que “a esperança de um Brasil mais justo trazida pela operação comandada pelo juiz Sergio Moro continua de pé, longe das manchetes. A Lava Jato tem seus ritos e tempos próprios. Mais dia, menos dia, ela emerge das águas profundas e desfaz os acordos espúrios tramados na superfície.


Em um documento de dezesseis páginas obtido pela revista Veja e publicado neste final de semana, o lobista Fernando Soares, o Fernando “Baiano”, revela ter pago propina ao presidente do Congresso, ao líder do governo Dilma no Senado, a um ministro do governo Lula e a um senador do PMDB.

A reportagem é assinada por Daniel Pereirfa e Robson Bonin.

Leia tudo:

O ex-presidente Lula se reuniu no fim de junho com os líderes do PT e do PMDB, em Brasília. O encontro ocorreu na casa de Renan Calheiros, presidente do Senado. Acossado pelo petrolão, o maior escândalo de corrupção da história do Brasil, Lula saiu-se com a tática que sempre adotou, com sucesso, nesses casos: arrastar mais gente para o seu lado, na tentativa de tornar o grupo maior do que a boca do abismo que o ameaça. Lula disse aos presentes que toda a primorosa investigação da Polícia Federal secundada pelo trabalho implacável dos procuradores federais e de juízes de diversas instâncias não passa de uma "campanha para desmoralizar a classe política". Lula chamou de arbitrários o juiz Sergio Moro e os demais responsáveis pela Operação Lava-Jato. "O país foi sequestrado pelo Moro. Temos de reagir no Supremo Tribunal Federal", concordou José Sarney, o ex-presidente cuja filha, Roseana, é investigada no caso. Obviamente o objetivo da reunião na casa de Renan não foi arrancar o país das garras do arbítrio e devolvê-lo à normalidade democrática. O objetivo foi encontrar um jeito de restaurar a velha ordem da impunidade para os poderosos da República que a Lava-Jato ameaça contrariar pela primeira vez em nossa história.
Em comum, muitos dos participantes da reunião tinham, além do fervor republicano, o fato de estarem na boca dos delatores da Lava-Jato como beneficiários do dinheiro desviado da Petrobras. Até mesmo Delcídio Amaral, líder do governo no Senado, que participou da reunião, acabou enlaçado no escândalo. Lula, Renan e Delcídio foram listados como beneficiários do petrolão pelo lobista Fernando Soares, o Fernando "Baiano". Em sua delação premiada ao Ministério Público, Baiano declarou ter pago a José Carlos Bumlai, compadre de Lula, 2 milhões de reais em propina, cujo destinatário final seria uma nora do ex-presidente. Comparsa de petistas e peemedebistas, Baiano narrou minuciosamente como intermediou propina para as lideranças dos dois partidos. Tudo custeado pelos cofres da Petrobras. Tudo registrado em um documento de dezesseis páginas obtido por VEJA, no qual o delator, condenado a dezesseis anos e um mês de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, relata em detalhes sua atuação a serviço do PT e aliados no assalto à Petrobras.


3 comentários:

Anônimo disse...

otima capa da veja, realmente cunha dilma e lula tem que afundar juntos, kkkkkk, e levar junto rena é claro

Anônimo disse...

Por que a demorar em enquadrar o pingucu e a terrorista....o povo está ansioso ,vai ter festança de norte a sul, aviso aviso aviso
...o povo do gueto mando avisa q vai r.a festa vai rolahhh,kkkkk

Anônimo disse...

ESTE LARAPIO HÁ MESES TEM SEUS PODRES DIVULGADOS, PROVAS SE ACUMULAM E NADA LHE ACONTECE, QUE JUSTIÇA É ESTA.... PELO AMOR...