Assembléia reúne-se esta tarde para discutir se rapa o tacho da CEEE para cobrir rombos do governo

O piso regional sob o governo Tarso Genro descolou completamente do salário mínimo nacional e é muito maior do que ele. Os empresários reclamam da diferença, que reduz a competitividade local em relação aos seus concorrentes de outros Estados, impondo-lhes, portanto, maiores custos, o que resulta em preços maiores e lucros menores - à quebra de empresas e desemprego, portanto. 


O deputado Frederico Antunes, PP, tentará emplacar se requerimento de inversão de pauta para votar em primeiro lugar, esta tarde, na Assembléia do RS, o projeto que estabelece os novos níveis de piso salarial estadual. Com isto, ele quer esvaziar o plenário para as votações seguintes das demais sete propostas enviadas pelo governo para votação no período de sessões extraordinárias que começa esta tarde.

. As principais bancadas de oposição já deixaram claro que o objetivo dos deputados é impedir a votação ou derrubar o projeto que transfere R$ 1,3 bilhão do caixa da CEEE para o saco sem fundos do caixa único. No período de sessões ordinárias, o governo foi obrigado a retirar o projeto, porque corria o risco de derrota.

. O deputado Jorge Pozzobom, PSDB, disse ao editor que conforme a Constituição Federal, convocações extraordinárias não podem sair sem aval do plenário. Por isto ele tentará colocar em votação seu pedido para que o ato do governador vá a voto.

- O governo joga com a possibilidade de defecções entre os deputados da oposição e independentes. Seus deputados do PT, PCdoB, PRB e PTB prometem presença completa.

Um comentário:

Anônimo disse...

O editor dá a noticia para metade, ou seja, aprovado o projeto o governo assume a folha salarial dos funcionários da antiga CEEE, ou seja, esse montante é dinheiro é para diminuir o custo que o estado terá.