Itamaraty impede colaboração nas investigações criminais argentinas sobre o caso de Jango

Tudo o que acontece no Brasil a respeito da exumação do cadáver do presidente João Goulart (leia mais, abaixo, para entender melhor) ocorre naquilo que os juristas chamam de “âmbito cível”, portanto nada acontece na órbita penal.

. A diferença é enorme entre um tratamento e outro, porque na cível as consequências de fato nem existem e fica tudo na conversa.

. Na Argentina, onde Jango morreu exilado, as denúncias de que houve crime (ele teria sido envenenado) são investigadadas de acordo com as leis penais do País, o que resultará em desdobramentos gravíssimos.

. O caso já está na Justiça.

. Curiosamente, o supremo interesse que o governo federal do PT demonstra para exumar o corpo de Jango e até mesmo realizar atos públicos de enorme repercussão nacional (honras fúnebres de chefe de Estado), inclusive com transmissões diretas de TV, não acontece quando se trata de colaborar com as autoridades judiciárias argentinas.

. O Itamaraty já avisou à chancelaria argentina que não é do seu interesse levar o caso adiante na Argentina, onde não terá o controle da situação, ao contrário do Brasil. 

Veja o comentário do Editor: Entenda melhor essa pantomima eleitoreira que Maria do Rosário promove em relação à exumação do cadáver de Jango

4 comentários:

Luiz disse...

Acompanho as opiniões do Polibio sobre o assunto e tenho a impressão de que ele sabe alguma ou muita coisa que não interessa a sociedade saber

Anônimo disse...

Estranho, a exumação de Jango não seria uma farsa para desmoralizar o Exército, como foi dito há poucos dias neste blog? Se o Exército não teve culpa, e tenho certeza que não, ao menos institucionalmente, por que o receio? O blog insinua que Jango, Lacerda e JK foram mortos por agentes da ditadura, é isso mesmo que entendi? Se foram, os culpados devem ser apontados, e instituições sérias não deveriam compactuar com o acobertamento de criminosos. Se, por outro lado, como tantas vezes afirmado aqui, Jango morreu de causas naturais, como poderia haver repercussão penal?
Don Sandeman

Anônimo disse...

Ex-secretário de segurança acusa Alckmin de buscar 'dividendos políticos' com ameaças do PCC:

Do Valor

"Alckmin busca dividendo político com ameaça do PCC"

Por Vandson Lima e Fernando Taquari
Em sua primeira grande entrevista desde que deixou o cargo de secretário estadual da Segurança Pública de São Paulo, há um ano, Antônio Ferreira Pinto diz que o governador do Estado, Geraldo Alckmin (PSDB), busca lucrar politicamente com supostas ameaças de morte feitas por integrantes da facção Primeiro Comando da Capital (PCC), captadas em escutas policiais. "Ele está aproveitando para colher dividendos políticos".

O ex-secretário, demitido quando da subida dos índices de violência, no ano passado, diz que essas escutas, nas quais um integrante da facção fala em "decretar" o governador, são conhecidas da cúpula da segurança pública desde 2011 e não tem credibilidade alguma. "A informação é importante desde que você analise e veja se ela tem ou não consistência. Essas gravações não tinham". Entre os que estavam sabendo disso há pelo menos dois anos, diz Ferreira Pinto, está o atual secretário de Segurança, Fernando Grella, então procurador-geral.

"Lamentável. [O governador] deve ter suas razões. Eu acho que é mais pelo viés político. Porque na hora que diz 'Não vou me intimidar', ele está também dando um 'upgrade' para a facção". Questionados, o secretário e o governador não quiseram se manifestar sobre as declarações.

Anônimo disse...

O que vale é o Marketing em vésperas de eleições.Vejam no Google "As Profecias de Geisel".