Fortunati manda dizer que tem R$ 3 bilhões para metrô de Porto Alegre

Depois do fracasso da abertura dos envelopes com as Propostas de Manifestação de Interesse, PMI, segunda-feira, o prefeito José Fortunati mandou abrir novo prazo para que as empresas ou grupos empresariais digam se estão dispostos – e de que forma – a trabalhar no projeto do metrô de Porto Alegre.

. O prefeito mandou dizer ao editor que desta vez a prefeitura definiu que a tecnologia admitida será a que adota o método cut and cover (cortar e cobrir) portanto um metrô de superfície, como o Trensurb.

. Na fase cancelada, isto não tinha ficado claro e as empreiteiras trabalharam com a idéia de um metrô de verdade, até 20 metros abaixo do solo (modelo shield), que é muito mais caro.

. A informação passada pela prefeitura ao editor é de que o orçamento disponível é de R$ 3,05 bilhões, portanto três vezes menor do que o valor orçado pela Invepar (OAS)/Odebrecht.

CONSPIRATA POLÍTICA NO RS
Últimos exemplares da primeira edição de 2 mil livros
O Eixo do Mal contra o governo Yeda Crusius - 2007-2010
Déficit Zero + IPO do Banrisul + Programas Estruturantes + Tarso monta quatro Operações da PF contra seus adversários do RS + A farsa da Operação Rodin + A RBS serve ao PT, Lula e Tarso + Assassinato em Brasília + Testemunha-chave contra Pont e Bohn Gass é executada em Canoas.
499 páginas, 39 capítulos, 70 fotos
Tudo o que você não sabe, com fatos, nomes, datas, locais e provas.

COMPRE AGORA mesmo: e-mail para polibio.braga@uol.com.br, R$ 75,00. Entrega em 48h em qualquer lugar do Brasil, via Sedex, sem custo adicional.

5 comentários:

Anônimo disse...

Correção: "cut and cover" não é um metro de superfície. É um sistema subterrâneo, mas mais próximo da superfície e utiliza uma técnica diferente do "deep bore" ("tatuzão").

Anônimo disse...

esse negocio de metrô de superfície eh coisa de pobre...

coisa de pais que nao tem $$$ pra mandar furar os buracos que tem de ser feitos...

Luiz Vargas disse...

Pelo visto será um metrô paliativo, como são todas as obras chimfrins feitas por políticos carreiristas e seus asseclas, que ocupam cargos que deveriam ser ocupados por gente com competência e perfil técnico e não político.
Não faz dois anos que a PeTrobrás, após a conclusão de um gasoduto na serra entre a capital paulista e o litoral santista, abandonou uma tuneladora (tatuzão) de 60 milhões de dólares por que estava com o cronograma atrasado e para extrair o equipamento levaria mais tempo para colocar em operação o gasoduto. Dona Maria da Graça Forster decidiu abandonar e deixar este caro equipamento abandonado. Este tipo de equipamento é produzido na Alemanha e leva em torno de três anos para ser fabricado.
Este equipamento poderia estar cavocando o solo da capital botocuda e o metrô já teria alguns quilômetros de extensão. Mas aí os quadrilheiro$ PeTralha$ deixariam de levar as comi$$ões de praxe.
Os botocudos não conseguem enxergar além do próprio umbigo e adoram correr atrás do próprio rabo. Foi um milagre a GM ter optado por permanecer em solo botocudo.

talon d'achille disse...

Essa discussão sobre o metrô é uma conversa de loucos. Não entendo a compulsão pelo metrô subterrâneo (shield). Um metrô elevado custa cerca de 10% do "tatuzão". Paris, repito, Paris tem metrô elevado. Nova Iorque, também. Se insistimos no metrô subterrâneo é porque somos muito ricos ou porque Porto Alegre é um patrimônio da humanidade, tal a beleza ímpar das avenidas Farrapos e Assis Brasil. Na verdade, é bem provável que sejamos as duas coisas.

Anônimo disse...

Fortunati só fala, fala, e não entrega nada...só enrola!!!