Este bilionário, o gaúcho Parisotto, suplente do líder do governo no Senado, sabe como fazer amigos e influenciar pessoas

- O novo líder do governo Dilma Rousseff no Senado é esse senhor de práticas coronelistas típicas do Norte e do Nordeste, daqueles que enfiam a própria mulher como suplente. E quem é o segundo suplente ? Trata-se de ninguém mais e ninguém menos que Lirio Parisotto. O gaúcho é dono de uma das maiores fortunas do mundo. Aliás, neste domingo, sua vida dourada é contada em reportagem de capa do caderno Dinheiro do jornal Zero Hora. Uma das fotos que ilustram a matéria, mostra o amigão do líder do governo em plena tertúlia no seu jatinho particular, tendo como convidados Boni (ex-Globo) e o ex-ministro Fernando Furlan. Leia a reportagem a seguir de O Globo deste domingo.

O senador Eduardo Braga (PMDB-AM) assumiu a liderança do governo pregando novas práticas na política e falando em uma nova geração de senadores. Gosta de dizer que “o Senado mudou, e eles (os velhos políticos) precisam entender isso”, mas Braga repete uma prática típica de políticos tradicionais: tem como primeira suplente sua mulher, Sandra Backsmann Braga. Colocar parentes no banco de reserva do mandato é um expediente que já foi lançado por ex-senadores como Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA) e Mão Santa (PMDB-PI).

Na atual legislatura, Edison Lobão (PMDB-MA), licenciado para assumir o Ministério de Minas e Energia, foi substituído por Lobão Filho (PMDB-MA). Já Ivo Cassol (PP-RO) tem o pai, Reditário Cassol (PP-RO), de suplente. ACM dizia que escolhia o filho, ACM Júnior (DEM-BA), como suplente porque não queria ninguém conspirando para assumir seu mandato nem torcendo para que ele morresse.
Braga diz que esse não é o seu caso. Afirma que escolheu a esposa para a função para evitar briga entre seus aliados pelo posto. E também para que ela não disputasse um cargo eletivo, o que geraria problemas em seu grupo político.

Já o segundo suplente do líder do governo é o empresário Lirio Parisotto, fundador da fabricante de DVDs Videolar. Ele foi apontado, este ano, como o 24 homem mais rico do país pela revista “Forbes”, com uma fortuna estimada em US$ 2,1 bilhões. Grande parte desse dinheiro é atribuída, pela “Forbes”, à participação de Parisotto no fundo Geração Futuro L Par, que valeria cerca de US$ 1,4 bilhão. À Justiça Eleitoral, Lirio Parisotto declarou que tinha um patrimônio de R$ 292,5 milhões em 2010. Não existem doações registradas para a campanha que elegeu sua chapa para o Senado.

-  O Parisotto é o maior investidor privado do Amazonas. Ele é o maior interessado no polo industrial de Manaus - disse o senador Eduardo Braga, para justificar sua escolha.

7 comentários:

Anônimo disse...

Como se o fato de ser bilionário fosse um demérito, um pecado. Ora, pura dor de cotuvelo, ou sendo mais claro, pura inveja. Aliás não é a primeira vez. Esse assunto de bem-aventurança alheia é bastante recorrente de sua parte...

Anônimo disse...

engraçado mesmo eh a cara de pau em afirmar que o "seu caso eh diferente"...

vejam que comete a mesma patifaria que os demais cometeram, mas como agora eh líder do governo, parece que ja assumiu o famigerado cinismo do universo petista, onde existem os tais "malfeitos" cometidos para o bem...

Anônimo disse...

Comprar bajuladores e adoradores é fácil, basta ver o canceroso moral 9Dedos e o moribundo Chavez!

Anônimo disse...

Parisotto é o tipico gaucho. Nao ganha dinheiro para viver. Vive para ganhar dinheiro. Acha que todos querem se aproveitar do dinheirinho dle e só ele pode ganhar. Obvio que Zero Hora ovacionou a figura e nao é por pouco. Quem oPTar terá sempre a midia amiga ao seu lado.

Anônimo disse...

Norte e Nordeste são outros países, outra ética, outros hábitos. O dia que o nordeste estiver bem, depois de tanto dinheiro dado pelo governo federal, eles botarão o pé no nosso pescoço, esperem para ver !

Anônimo disse...

Correto anonimo das 19:07, pois o fato é que, Norte e Nordeste juntos são representados no Congresso na proporção de 42% de deputados e 58% de Senadores.

Por pouco alcançariam 50% com a criação de mais dois estados.

Isto foi criado por Getulio Vargas, piorado pelos militares e mantido na CF/1988 (Constituição "cidadã")

Longa vida ao rei SARNEY!

Anônimo disse...

Vamos trabalhar, rapazeada. Ficar falando mal, não resolve.