Neste artigo sobre a crise grega, Tarso Genro demonstra que não entende o que acontece no mundo

O Governador Tarso Genro conseguiu apurar sua empolada verve literária, tanto no estilo de escrever, menos burocrático, quanto no foco dos conteúdos, que estão mais cleans; e de uma esquerda mais liberal e aberta -  mas ainda não captou o fundamental, porque continua preso à megalomania da da tese da intervenção do Estado como salvador da sociedade. O Governador parece um autista que não olha sequer para os problemas que não consegue resolver no seu próprio governo. No artigo publicado no site Carta Maior, ele descreve o problema grego como atestado da falência do neolibealismo, quando o problema grego é muito diferente disto: é a falência do governo socialista local, que defende, como Tarso Genro, o Estado obeso, intervencionista, subordinado ao modelo equivocado corporativista europeu. É exatamente o contrário. Por força da mesma esquerda socialista e comunista gaúcha e brasileira, patrimonialista, demagógica, atrasada e irrealista, os funcionários gregos ganhavam bônus para comparecerem assiduamente ao emprego, coisa inimaginável  em qualquer País. É só um exemplo, mas demonstra como um País pobre e mergulhado em corrupção, de rabo preso no favoritismo corporativista, como a Grécia, jamais chegou às condições da Suécia, onde benefícios do gênero são palavrões - porque são insensatos e não resistem a qualquer cálculo atuarial. A divida pública grega é resultado não do neoliberalismo, mas do patrimonialismo , do desperdício no serviço público (falta de produção, produtividade e qualidade) e de gastos irresponspaveis - que não foram causados pelo banditismo dos bancos, pois estes emprestaram pela incúria dos governos e dos funcionários públicos, que assaltaram os cofres da Nação. A Grécia quase não tem empresários robustos, nem setor privado realmente produtivo. Não foi por outra razão que caíram todos os Estados integrantes do império comunista soviético: a falência, determinada por dívidas impagáveis, levou-os à derrota. O que a Europa vai fazer agora é justamente reformar seu inchado e improdutivo setor público, com 15 anos de atraso, torná-lo mais compatível com uma sociedade civil moderna e parceira entre setor social eficiente e setor privado cooperativo.Tarso Genro , habituado a ser centralizador do setor público, nada disto entende.
------
Cooperação e neoliberalismo: agora todos veem mais claro
Tarso Genro
Governador do Rio Grande do Sul

Eric Hobsbawn, alguns anos após a queda do “socialismo real” na URSS, publicou um texto intitulado “O que restou para os vencedores?”. Nele Hobsbawn sugeria que, rompido o equilíbrio mundial com a falência soviética, as forças destrutivas do neoliberalismo poderiam explicitar-se sem reservas e os direitos sociais conquistados dentro do capitalismo estariam expostos a sua ação predatória e antissocial.

Sustento que saímos de um primeiro período de igualdade mítica, na globalização (no qual se propagava que os seus “proveitos” seriam repartidos de forma equânime), para um segundo novo período (no qual são socializadas as perdas), no bojo da crise aguda já evidenciada na experiência do “sub-prime”.

CLIQUE AQUI para ler a íntegra do artigo.

16 comentários:

Mordaz disse...

Se ele entendesse o que ocorre lá só lhe restaria dar um tiro na cabeça, pois sua mente pterodáctila está lá exposta com todas as letras. O estado socialista por exelência e improdutivo. Tarso aqui também está se valendo da capacidade de enterrar o Estado em dívidas. Gastar o que não se produz. Comer o futuro demagogicamente hoje. Não paga as dívidas passadas e faz novas cada vez mais.

Anônimo disse...

O pior é que um sujeito com essas ideias consegue ser eleito no RS ! Depois a gente reclama da sorte. O que resolve crise é trabalho, é poupança, é ter objetivos claros e racionais. Essa gente realmente não entendeu nada ainda.

Anônimo disse...

Como você subestima aquele que deu uma surra eleitoral na direitalha guasca no último pleito.

Aquiles disse...

aTra$o Genro deveria pagar para que se lesse o que ele escreve e ouçam o que ele diz.

Anônimo disse...

Já vi antas com Alzheimer falar com mais propriedade sobre física quântica do que o que é manifestado nas palavras "esquerdas" de TG sobre assuntos a respeito dos quais ele não tem a menor idéia de quais sejam!

Anônimo disse...

Ele que não passe na frente de um hospício. Depois da matéria que li no site do governo do Estado, intitulada “Meeting Brasil-Coreia estreita relações acadêmicas e empresariais”, em que Tarso Genro diz que “o Governo que não tem uma visão paroquial de desenvolvimento e que não se inclui na classe das disputas paroquiais internas com as forças políticas". Fala em tirar o RS do ostracismo, do isolamento, da ausência política junto ao Governo Federal. Não sei como é que um jornalista reproduz esse monte de baboseira de cunho ideológico numa matéria de economia. Yeda Crusius deve estar rindo à toa. A história ainda vai registrar que Yeda foi quem fez o melhor governo que o RS já teve.

Anônimo disse...

Compreendi o que o PteroTarso quer dizer com "queda do socialismo real" !!!

Espero que ele de sua parte admita que eu também me refira às "forças destrutivas neoliberalismo REAL" !!

Democraticamente ...

Ricardo Baldasso disse...

Me parece que nosso ilustre governador, tem as seguintes falhas de percepção (ou visão deformada) : 1} nada mostra, que os países do Sul possam se tornar protagonistas globais. A China, por exemplo, age de acordo com seus próprios interesses (quando lhe convém), pois está ligada de tal forma ao "norte", que lhe seria impensável fazer o contrário. PIB EUA: 15 trilhões U$, PIB zona do Euro : +- 13,5 trilhões de U$. O resto, todos juntos, mal chega a 20% desta soma. PPFFFF....
2) A America Latina, não tem condições de ser protagonista. Não tem escala de produção, não tem tecnologia/educação, e é caudatária em todos os sentidos do que ocorre com as economias de ponta. Fundamentalmente, não tem "porte e peso econômico" capaz de enfrentar o "norte".
O governador, gosta deo que chama de políticas públicas poderia aplicar no estado, uma redistribuição de renda, por exemplo. Pagando o piso dos professores, deixando de contratar tantos CC's (salários muito maiores que dos mestres). Por que não mexe com os salários dos coronéis da Brigada? Porque não muda as regras de aposentadoria do setor público estadual, onde profissionais em pleno gozo de suas melhores capacidades, aposentam-se aos 43 ??? anos de idade? Por que não quita a dívida do estado com os chamados precatórios? Por que não melhora as estradas (que na campanha não precisavam ser pedagiadas)? Por que não aumenta os salários dos brigadianos de forma significativa?
Será que tem conhecimento do tamanho dos recursos que retira da sociedade, e o que "deveria" fazer com eles? Parece que não. Tam tempo para fazer proselitismo, quando deveria estar trabalhando.
É que aqui temos o chamado choque com a realidade. Se põe a ensinar aos outros como devem agir. Pobre estado: seu governador não tem consciência das limitações que enfrenta. Não é o governante que o estado precisa. Longe está de um verdadeiro estadista. É ótimo para apontar responsabilidades, fazer discursos inflamados, e plenárias. Lamentavelmente.

Anônimo disse...

Nossa!!! Por que não avisa? O link dá no site da CartaMaior - um site comuna! Quase queimou meu novo processador Intel i7 - um produto capitalista, e que por isso, não trabalha no vácuo... hehe...

Anônimo disse...

Você ouve e acredita num DISSIMULADO ?

Anônimo disse...

Caso Mentetarso seria um bom administrador na FG, estaria nas mãos dele, seu sogro teve que afastalo dos negô......cios dirigido pelo pequeno megalomaniaco......


Este pequeno Mentetarso vai levar o estado dos bombachudos a falência.


Bacaria

Césio disse...

E este é o governador escolhido pelo povo gaúcho ????
Pobre RS !

Anônimo disse...

Saudades da Yeda Cruzes!!!

Luiz Vargas disse...

De onde será que o maior pensador e intelectual do rio grande, do brasil e do mundo copiou o material para escrever o artigo?
Sabemos que taR$o oGênio é um clone de Olívio Truta, e não teria competência para escrever meia linha de texto puxando pela própria caixola. O indivíduo se acha refinado, chic e suprasumo de intelectual e do pensador. Desvairios insanos típicos dos adoradores e seguidores de Stálin e Lênin.

Anônimo disse...

Não dá pra entender como o povo gaúcho deu a chave do cofre para esse homen no primeiro turno. São muito imbecis mesmo e merecem levar ferro por causa disso.

Surfista Prateado disse...

Ora, para que alguém vai correr riscos na iniciativa privada se pode contar com uma boquinha fazendo algo para o governo, e como funcionário público tendo todas as benesses e bondades do paizão Estado gastador? Não é à toa que a Grécia chegou ao fundo do poço. O Estado nada produz, só gasta. Quem produz é a iniciativa privada. Parece com algo que acontece por aqui? Ah, dê tempo ao tempo, chegaremos aonde a Grécia já chegou. É só continuar os Lullas, Tarsos e Dilmas da vida no poder.