PF diz que mensagens roubadas da Lava Jato ocorreram com "dolo de adulterar"

O relator dos processos da Lava Jato no TRF4, Porto Alegre, Gebran Neto, ensina uma lição que os ministros do STF conhecem e não aplicam por interesse ideológico e político.

CLIQUE AQUI para saber muito mais.

O relatório da Polícia Federal que concluiu não ser possível confirmar a autenticidade das mensagens hackeadas da extinta força-tarefa da Lava Jato de Curitiba mina a estratégia dos detratores da operação de usar o material roubado por hackers em investigações contra os procuradores do Paraná ou até como provas para anular condenações, diz a revista eletrônica Crusoé de hoje. A revista é editada pelo blog O Antagonista.

Diz a publicação:

- Tanto Gilmar, mas principalmente Lewandowski, afirmaram nas sessões de julgamento sobre a parcialidade de Moro que as mensagens tinham sido periciadas pela Polícia Federal, o que afastaria qualquer possibilidade de adulteração dos diálogos pelos hackers. Para o delegado da PF, contudo, ‘o atesto da cadeia de obtenção da prova da invasão não significa confirmar autenticidade e integridade do teor das conversas obtidas.

 Apesar disto, eles continuarão a usar sempre que puderem, como fez Lewandowski ontem, ao liberar mais um lote para o STJ, cujo presidente, Humberto Martins, abriu inquérito de ofício para apurar quem o estaria investigando.

36 comentários:

Anônimo disse...

Membros da mesma tribo se protegem!!!!

Anônimo disse...

Lá no alto, a fogueira das vaidades come solto. Gilmar Mendes é um vulcão, disputando o posto com MAM.

Anônimo disse...

Quer dizer que, além de defensores de corruptos, Gilmar e Lewandowski são MENTIROSOS? PQP!!! E a República Brasileira NÃO TEM MECANISMOS para lidar com ministros do STF desse naipe? Vão todos à merda, então!!!!

Anônimo disse...

Simples de resolver: Apreende os celulares "funcionais" do ex juiz e ex MJ do mito e dos Procuradores do MPF, busca nas nuvens (pq os malandros apagaram todas as mensagens) todas as conversa que eles tiveram no aplicativo Telegran submete os celulares aquele aparelho "israelense" que a maioria das Policias Civis tem e "confronta" com as mensagens ranqueadas. Se a PF alegar que não possui o aparelho israelense que adquira o aparelho e faça a "perícia".

Anônimo disse...

Entra a palavra do Juiz Federal "envolvido" e a de um Ministro do STF, fico com a palavra dos Ministro do STF.

Anônimo disse...

Se o Desembargador tem convicção "anula" a decisão da Segunda Turma do STF que condenou o ex Juiz e ex MJ como "suspeito".

Anônimo disse...

O Desembargador está querendo botar a carroça na frente dos bois, ou seja, contestar a decisão do STF?

Anônimo disse...

Nassif: Eleição do TRF4 acaba com a era Lava Jato no tribunal:

“Ontem, as eleições do Tribunal Regional Federal da 4a Região, que elegeu o desembargador Ricardo Teixeira do Vale Pereira, marcaram o fim da era lavajatista da instituição”, relata o jornalista Luis Nassif

13 abr 2021 - Brasil 247

Por Luis Nassif , no GGN: Ontem, as eleições do Tribunal Regional Federal da 4a Região marcaram o fim da era lavajatista da instituição.

Em sessão virtual, foi eleito para a presidência do Tribunal o desembargador Ricardo Teixeira do Vale Pereira. Para vice-presidente , o desembargador Fernando Quadros da Silva e para corregedor o desembargador Cândido Alfredo da Silva.

No total, houve indicações para 13 cargos. Dos principais envolvidos com a Lava Jato – Victor Laus, João Pedro Gebran Neto, Leandro Paulsen da 8a Turma, mais Carlos Eduardo Thompson Flores – apenas Paulsen foi indicado para cargo no Conselho de Administração do tribunal.

No período da Lava Jato, as decisões da 8a Turma chamaram atenção pelo fato da definição das penas aplicadas – que são procedimentos complexos – terem sido idênticas, para evitar qualquer apelação da defesa, que poderia atrasar a condenação de Lula. Especialistas na matéria diziam ser estatisticamente impossível tal coincidência de sentenças, a não ser que tivessem sido combinadas antecipadamente.

Em seu discurso inicial, Vale Pereira salientou que “Somos construtores, como Judiciário, de uma obra inacabada. Sempre nos preocuparemos com a manutenção da estrutura e da edificação sólida da magistratura. Temos um Tribunal preocupado com o jurisdicionado, com as questões sociais e com a probidade administrativa, e essa busca vai continuar”.

Anônimo disse...

Impressão minha, ou o Desembargador está tentando se "vacinar" de um eventual vazamento envolvendo diretamente o nome dele na Operação Spoofing?

Anônimo disse...

É bom lembrar que quem "deflagrou" a Operação Spoofing foi a PF a mando do então MJ Moro, ou seja, prenderam os hakers para abafar as conversas que eles tiveram entre si, já que o Intercept estava divulgado as conversas.

Com a prisão dos hakers do MJ Moro queria "destruir" as provas e foi impedido pela Justiça. A pergunta que não quer calar: Porque o então MJ queria destruir as provas, para livrar a própria cara e de seus comparsas?

Anônimo disse...

Isto é mais uma prova que o STF-PT é um puchadinho da esquerda é age ilegalmente e tem que ser caçado.
Os senadores não tem coragem e nem moral para tomar uma atitude.

Anônimo disse...

Lema da Operação Lava Jato:

"quem não deve não teme"

Servia só para o Lula ou serve para todos?

Alberto disse...

E a comuna caviar (Manu) saindo de fininho...Quem financiou isso? Quem mandou matar Bolsonaro e paga Advogados do Adélio?

Anônimo disse...

Delegado contradiz própria PF ao negar veracidade de mensagens de procuradores:

12 de abril de 2021 - ConJur

O delegado Felipe Alcantara de Barros Leal, chefe do Serviço de Inquéritos da Polícia Federal, afirmou que não é possível "presumir" a autenticidade e a integridade das mensagens entre procuradores da "lava jato" obtidas pelos hackers a apreendidas pela PF. Porém, o Serviço de Perícias em Informática do Instituto Nacional de Criminalística da instituição atestou a veracidade e integridade do material que revelou o conchavo entre procuradores e o ex-juiz Sergio Moro.

Em documento, Leal disse que a perícia da PF não confirmou a autenticidade das conversas, segundo informou o jornal O Globo. Dessa maneira, destacou o delegado, os diálogos são provas ilícitas e seria abuso de autoridade usar o material em ações, como o inquérito aberto no Superior Tribunal de Justiça para investigar ameaças de procuradores a ministros da corte.

De acordo com Leal, a invasão demonstra que o hacker não teve dolo apenas de obter os dados, mas também de adulterá-los. Assim, não é possível presumir a autenticidade do material. Segundo o delegado, permitir o uso dessa prova ilícita contra as próprias vítimas seria a "eutanásia dos rumos da Polícia Judiciária, atingindo por ricochete, em visão holográfica, todos os princípios que inspiram a atuação policial".

Nessa mesma linha, o subprocurador da República José Adonis Callou de Araújo, responsável pela investigação aberta pelo STJ, disse que, "com base no material apreendido, é tecnicamente impossível atestar a integridade". Ele destacou que isso só seria possível acessando os bancos de dados do Telegram ou dos próprios procuradores.

Autenticidade das mensagens
Em 2020, o Serviço de Perícias em Informática do Instituto Nacional de Criminalística da PF confirmou a autenticidade e integridade das mensagens de procuradores e Moro. Pelo menos três decisões judiciais do ano passado citaram a perícia.

(...)

PS: Ou seja Delegado e Procurador do MPF Lavajatistas querem melar a Pericia em Informática do Instituto Criminalista da PF que confirmou a autenticidade das mensagens de procuradores e Moro. Mas é fácil de resolver apreende os Celulares "funcionais" dos envolvidos e submete a detector "israelense" que busca mensagens apagadas nas nuvens.

Anônimo disse...

Lewandowski autoriza STJ a acessar conversas da Lava Jato:


12 ABR 2021 - Terra

O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal, autorizou nesta segunda, 12, o acesso do presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ) ministro Humberto Martins às mensagens da Operação Spoofing levadas à Corte desde o início de março pela defesa do ex-presidente Lula (PT). A decisão, no entanto, restringe o uso das conversas no inquérito conduzido por Martins contra integrantes da força-tarefa da Lava Jato até o STF decidir sobre o rumo da investigação.

O inquérito foi suspenso no último dia 30 por liminar da ministra Rosa Weber, que deverá ser discutida pelo Supremo. Na ocasião, os procuradores reforçaram à ministra o risco de Martins autorizar diligências contra a força-tarefa com base em mensagens obtidas por meios ilícitos.

Ao liberar acesso aos diálogos, Lewandowski ressalta que o pedido de Humberto Martins foi feito ao STF antes de Rosa suspender o inquérito e, por isso, ainda poderia ser analisado.

"Considerando que o mencionado ofício foi expedido às 15h37 do dia 30 de março de 2021, ou seja, antes da liminar deferida às 22h55 da mesma data pela ministra Rosa Weber, mediante a qual suspendeu o inquérito que tramita naquela Corte para apurar supostos constrangimentos impostos a seus integrantes por membros da Operação Lava Jato, e tendo em conta ainda que, não apenas o presidente, como também os demais ministros têm legítimo interesse em conhecer o conteúdo das referidas mensagens, em especial aquele que lhes diga respeito diretamente, defiro o pedido", anotou Lewandowski.

(...)

PS: A defesa do lula quer usar as "provas" apenas para absolver seu cliente, já o STJ vai usar as provas para "condenar" os envolvidos que de alguma forma investigaram e "intimidaram" Ministros da Corte com "dossies".

Anônimo disse...

Globo pressiona STF a salvar Moro e a Lava Jato:

Jornal publica editorial sobre a operação que, segundo reportagem do Le Monde, foi parte de um plano internacional para destruir a economia do Brasil

13 abr 2021

247 – Principal aliado da Lava Jato, o jornal O Globo saiu em defesa da operação que, segundo o Dieese, destruiu 4,4 milhões de empregos no Brasil e que, segundo o jornal francês Le Monde, foi idealizada nos Estados Unidos para reduzir a economia e a influência geopolítica do Brasil. Nesta terça-feira, o jornal publica editorial a respeito da suspeição do ex-juiz Sergio Moro, já condenado pelo Supremo Tribunal Federal por parcialidade.

"O plenário é soberano para decidir o que quiser. Pode manter ou não os processos em Curitiba. Pode manter ou não a suspeição. Pode estendê-la ou não aos outros processos contra Lula. Cada uma dessas decisões tem impacto distinto nos destinos dele e dos demais condenados. Caso seja mantida a suspeição, é esperado que ela não só acabe por ser estendida aos demais processos envolvendo Lula, mas que seja usada por outros réus da Lava- Jato para alegar a própria inocência, pois a promiscuidade atribuída à relação de Moro com os procuradores da força-tarefa se tornaria um argumento válido para questionar qualquer ação em que ambos tenham atuado. É esse o objetivo dos advogados de defesa", diz o editorial do Globo, que, de acordo com as mensagens da Operação Spoofing, teve relação promíscua com os procuradores da força-tarefa.

"Se tiverem responsabilidade diante do dever de combater a corrupção e de fazer Justiça na acepção mais nobre, os ministros do Supremo não podem deixar isso acontecer. Precisam, no mínimo, preservar a validade jurídica do que se apurou, se denunciou e mesmo se julgou até agora", aponta o jornal.

Anônimo disse...

Juliette campeã!

Anônimo disse...

Cinco anos depois de condenado, o ministro do supremo chega a conclusão que a vara da justiça de Curitiba, não era forum apropriado para o inquérito contra o "mais honesto dos brasileiros".

Anônimo disse...


Anônimo Anônimo disse...
Cinco anos depois de condenado, o ministro do supremo chega a conclusão que a vara da justiça de Curitiba, não era forum apropriado para o inquérito contra o "mais honesto dos brasileiros".

13 de abril de 2021 13:47

xxxxxxxxxxxxxxxx

E ainda é Ministro do STF Lavajatista? E bolsonarista anônimo pensa que Ministro fez para livrar o lula, quando na verdade "deu um jeito" para livrar a cara do Moro e Procuradores do MPF.

Anônimo disse...

Acabou a troca de figurinha no TRF-4, um vai para turma outro vai para Presidência e vice-versa?

Anônimo disse...

A boa notícia é que Victor Laus, João Pedro Gebran Neto, Leandro Paulsen da 8a Turma, mais Carlos Eduardo Thompson Flores,com as divulgações que estão saindo das msgs da operação Spoofing, ficaram mais perto de responder um processinho no STJ....

Anônimo disse...

Será que não viram que a estratégia de tentar negar ou desqualificar os diálogos falhou miseravelmente? NINGUEM, nem o bozista ou o lavajatista mais fanatico acredita nisso. Tentem outra forma para enganar, pois essa nem os trouxas embarcaram.

Anônimo disse...

os caras da joven klan estão comemorando este ´´´´laudo" como sauvação do marreco

Anônimo disse...

Relatório Tabajara.

Anônimo disse...

os caras da joven klan estão comemorando este ´´´´laudo" como sauvação do marreco.

Anônimo disse...

A única maneira de você comprovar a autenticidade de todas as mensagens é comparando-as com o que estava nos celulares dos envolvidos ou no Telegram (o que não foi feito). Isso é algo tão óbvio, tão lógico, que só mesmo um petista pode contestar.

O que você tem lá são textos que podem ter sido modificados como o hacker estelionatário ou seus comparsas bem entenderam. É claro que ele não mudou tudo. Por que o faria? Só para deixar pistas?

Anônimo disse...

Só que os peritos se esqueceram que teve marreco e procurador que confirmou certas conversas.

O Marreco de Curitiba pediu desculpa para o MBL e a Procuradora Jerusa Vicieli pediu desculpa para o ex presidente lula por ironizado a morte de seu neto de 8 anos de idade.

Anônimo disse...

Se for uma obra fictícia o hacker deveria ser contratado pela indústria cinematográfica de Hollywood!
A imbecilidade do Bozo contagiou a nação!

Anônimo disse...

São os mesmos peritos da "bolinha de Serra"?

Anônimo disse...

Será que não viram que a estratégia de tentar negar ou desqualificar os diálogos falhou miseravelmente? NINGUEM, nem o bozista ou o lavajatista mais fanatico acredita nisso. Tentem outra forma para enganar, pois essa nem os trouxas embarcaram.

Anônimo disse...

O laudo só reforça que a falta de fundamentação técnica, tecnológica e investigativa, dos servidores públicos da PF, rebaixa e escancara que esse importante braço da justiça brasileira se encontra a serviço de um presidente miliciani. Coincidência a cúpula da PF ter sido alterada justamente no final dessas conclusões sobre o material apreendido na operação spoofing e um dia antes do Julgamento do Recurso do Ministro Lavajatista Fachin no STF contra sua própria decisão.

Anônimo disse...

a farsa jato corrompeu todas as instituições, que já não eram grande coisa.

Anônimo disse...

Editor do Conjur desmonta perícia inconsistente da PF que contesta autenticidade das mensagens obtidas por Delgatti:

13 abr 2021 - Brasil 247

Márcio Chaer, Conjur

(...)

O hacker Walter Delgatti não disse que invadiu o Telegram, mas sim o material que Deltan armazenou na nuvem. Dali, ele baixava os arquivos no Dropbox. E, conforme explica o próprio Dropbox, qualquer alteração feita pode ser verificada. O que, se foi feito, não aparece no "laudo". Claro que tudo seria esclarecido se os envolvidos franqueassem seus dispositivos para verificação.

Algoritmos à parte, é possível verificar a veracidade das conversas. Os diálogos citam ofícios, decisões, notícias, reuniões, viagens que são combinados nos diálogos. Qualquer jornalista checaria se os fatos ocorreram depois: ofícios e decisões têm número e data; as notícias estão na internet; para reuniões há agendas e para viagens há bilhetes aéreos.

Nos arquivos, além de planilhas e documentos, há fotos, vídeos e áudios. Mas, segundo os peritos, não se pode presumir que isso tudo não foi adulterado.

Mais que isso, se o hacker baixou os arquivos de Deltan da nuvem — e os equipamentos usados pertencem à PGR, assim como telefones, laptops e computadores dos interlocutores de Deltan —, as informações que os peritos deveriam procurar estão nas mãos do próprio Estado. Ou seja, ao alcance da PF. Mas o fato de os procuradores terem negado ao Estado a prova que o Estado diz ter procurado, aparentemente, não interessava aos policiais.

Alguns dos procuradores da República de Curitiba se habilitaram no processo contra o hacker na condição de vítimas e receberam cópia dos arquivos. Eles nunca apontaram qualquer divergência entre o que escreveram e o que está documentado a partir da apreensão dos arquivos. Ao contrário, a procuradora Jerusa Viecili pediu desculpas a Lula pelo que disse a respeito do velório do neto do ex-presidente. Sergio Moro pediu desculpas ao Movimento Brasil Livre (MBL) por tê-los ofendido nos diálogos.

Anônimo disse...

Coronel G2 cubano, Zé Dirceu tomou o Poder financiado pelo PCCh ?

Cris disse...

Deixa eu ver se eu entendi ...
A operação foi concebida nos EUA para diminuir a projeção do Brasil na América do Sul?
Qual projeção?
Aquela feita por uma empresa que "no passado" só deu orgulho ao Brasil e que sob o comando de "um herdeiro" está sendo processada por todos os países onde atuou por corrupção e portanto está denegrindo a imagem do Brasil e dos brasileiros por toda a América do Sul e planeta, junto com um partido responsável pelo maior escândalo de corrupção já visto?
Tem dó !
Mas esta empresa não contava apenas com o partido do Lula para fazer as falcatruas que andou aprontando pela América do Sul...
Havia a mesma inspiração de sempre...
E o "golden touch" das mesmas pessoas de sempre...
E mais...
Não se utiliza provas obtidas ilegalmente em um tribunal se não se estiver vestindo a camiseta de um time...
Pura lógica aristotélica...

Cris disse...

A inveja ...mata !!!
Eles sempre serão conhecidos como os "golden boys" da magistratura gaúcha...
É o que constará nos livros de história...
Ou você acha que algum estudante de Direito vai achar que o uso de mensagens obtidas ilegalmente por Magistrados quando a lei não o permitia não foi forçação de barra por parte de pessoas que possuíam o rabo preso?