2,2 mil advogados entregam manifesto de apoio a Deltan Dallagnol, que pede mais apoio do povo do Brasil

2,2 mil advogados assinaram o manifesto que acaba de ser entregue ao procurador Deltan Dallagnol, no qual há expresso apoio à Lava Jato.

O apoio é mais específico ao próprio Dallagnol.


Deltan Dallagnol recebeu há pouco de um grupo de advogados um manifesto com 2,2 mil assinaturas em apoio ao trabalho desenvolvido por ele na coordenação da força-tarefa da Lava Jato.

O procurador agradeceu o apoio em nome da equipe e voltou a dizer que “se não fosse o apoio popular, a Lava Jato não teria chegado onde chegou”. 

O coordenador também pontuou que, somente neste ano, a operação já recuperou mais de R$ 1 bilhão de reais, dinheiro roubado dos cofres públicos pela organização criminosa montada por Lula e pelo PT.

20 comentários:

João Bucecha disse...

Políbio insisto, persisto e não desisto: povo na rua pegando pesado resolve já já a favor do honrado e valente Dallagnol.

Anônimo disse...

Pra o nível dos graduados em direito. Brasil vão se tornar campeão mundial em estrume.

Unknown disse...

DELTAN DALLAGNOL NA PGR.

Anônimo disse...

Todo apoio à LAVA JATO!
Deltan para PGR!

Anônimo disse...

Fica claro que a situação que agora efetivamente se cristaliza é a de uns 6 maloqueiros querendo prender o xerife ! Até quando, povo brasileiro ! Até quando, Bolsonaro, ficará o povo a olhar para cima vendo e assistindo os voos dos abutres !

Anônimo disse...

Apoio Deltan, sem dúvidas. Estar sob ataque da corja suprema desse país é um fardo pesado. Esses poderosos criminosos e seus comparsas são muito perigosos.

Anônimo disse...

Moro instruiu Lava Jato a não apreender celulares de Eduardo Cunha, mostram diálogos:

12 ago 2019

247 - O então juiz Sérgio Moro convenceu os procuradores da Lava Jato a não pedir a apreensão de telefones celulares usados pelo então presidente da Câmara, Eduardo Cunhya, na véspera de sua prisão, em 2016.

É o que mostram mensagens divulgadas nesta segunda-feira, 12, pelo site Buzzfeed Brasil, em parceria com The Intercept Brasil.

Segundo a reportagem do Buzzfeed, os diálogos entre o então juiz e o chefe dos investigadores ocorreram no dia 18 de outubro de 2016.

No dia 18 de outubro de 2016, um dia antes da prisão de Cunha, o chefe da força-tarefa, Deltan Dallagnol, mandou mensagens ao então juiz.

• 11:45:25 Deltan: Um assunto mais urgente é sobre a prisão
• 11:45:45 Deltan: Falaremos disso amanhã tarde
• 11:46:44 Deltan: Mas amanhã não é a prisão?
• 11:46:51 Deltan: Creio que PF está programando
• 11:46:59 Deltan: Queríamos falar sobre apreensão dos celulares
• 11:47:03 [Moro]: Parece que sim.
• 11:47:07 Deltan: Consideramos importante
• 11:47:13 Deltan: Teríamos que pedir hoje
Após ouvir as ponderações do procurador, Moro responde o seguinte:

• 11:47:15 [Moro:] Acho que não é uma boa
Apesar da resposta, Deltan insiste e tenta agendar uma reunião com Moro para tratar do assunto:

• 11:47:27 Deltan: Mas gostaríamos de explicar razões
• 11:47:56 Deltan: Há alguns outros assuntos, mas este é o mais urgente
• 11:48:02 [Moro]: bem eu fico aqui até 1230, depois volto às 1400.
• 11:48:49 Deltan: Ok. Tentarei ir antes de 12.30, mas confirmo em seguida de consigo sair até 12h para chegar até 12.15
• 12:05:02 Deltan: Indo
Não há, nos diálogos, registros do que foi discutido na reunião presencial entre eles. Porém, pouco depois, às 14h16, Deltan envia nova mensagem a Moro dizendo que, após conversar com procuradores e ao levar em consideração o que foi dito pelo então juiz, a força-tarefa desistiu de pedir a apreensão dos celulares.

• 14:16:39 Deltan: Cnversamos [Conversamos] aqui e entendemos que não é caso de pedir os celulares, pelos riscos, com base em suas ponderações
E Moro respondeu:

• 14:21:29 [Moro]: Ok tb

Anônimo disse...

Dallagnol sabia que Onyx estava envolvido em corrupção mas afirmou "fingir que não sabia":

12 ago 2019

247 - Novos trechos de mensagens da Vaza Jato, divulgados pelo The Intercept no começo da tarde desta segunda-feira, revelam que o procurador chefe da força-tarefa da Lava Jato, Deltan Dallagnol, já sabia que o então deputado Onyx Lorenzoni, atual chefe da Casa Civil de Bolsonaro, estava envolvido em esquemas de corrupção, mas fechou os olhos para levar a cabo a sua cruzada no suposto "combate à corrupção".

Em conversa num grupo de procuradores, Deltan é indagado por Fábio Oliveira: "Vc viu que saiu o nome do Onyx na lista do Fachin hj?". Ele se refere à decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal, Edson Fachin, que em 4 de dezembro, atendeu pedido feito pela Procuradoria-Geral da República (PGR) e determinou a abertura de uma petição autônoma específica para analisar as acusações de caixa dois feitas por delatores da JBS ao na época futuro ministro da Casa Civil.

"Vi... (já sabia, mas tinha que fingir que não sabia, o que foi, na verdade, bom...rsrsrs)", respondeu Dallagnol. "Não que não quisesse falar, mas se falasse seira até crime rs", completou.

O procurador admite que seguia trabalhando com Onyx, que era o lobista das 10 Medidas Contra a Corrupção, projeto que criado pela Lava Jatos, mesmo após descobrir denúncias de corrupção.

Onyx é foi “perdoado” por Sergio Moro apenas porque admitiu que errou e pediu desculpas, segundo o próprio ex-juiz e hoje ministro da Justiça.

"Eu já me manifestei anteriormente. É uma questão de Onyx. O que vejo é um grande esforço [do ministro Onyx] para a aprovação das 10 medidas do Ministério Público, razão pela qual foi abandonado por grande parte de seus pares. Ele tem minha confiança pessoal", disse Moro em dezembro de 2018....

Anônimo disse...

Dallagnol articulou movimentos de rua contra o STF um dia após a morte de Teori Zavascki:

12 ago 2019

247 – "O procurador Deltan Dallagnol usou dois grupos políticos surgidos após a operação Lava Jato como porta-vozes de causas políticas pessoais dele e da operação, revelam mensagens trocadas pelo aplicativo Telegram e que fazem parte do arquivo da Vaza Jato. Nelas, Dallagnol pauta atos públicos, publicações em redes sociais e manifestações dos movimentos de forma oculta, tomando cuidados para não ser vinculado publicamente a eles", aponta a nova reportagem do Intercept, assinada por Rafael Neves e Rafael Moro Martins.

"Os chats mostram que Dallagnol começou a se movimentar para influenciar a escolha do novo relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal apenas um dia após a morte do ministro Teori Zavascki, antigo responsável pelos processos da operação no STF", aponta o texto da Dupla.

Os grupos usados por Dallagnol para mobilizar "manifestoches" foram o Vem pra Rua, ligado a bilionários, como Jorge Paulo Lemann, dono da Ambev, e o Mude - Chega de Corrupção. "Passada a derrota na votação das dez medidas na Câmara, Dallagnol passou a usar o Mude — e também o Vem Pra Rua — para outras tarefas – entre elas influenciar a escolha do relator da Lava Jato no Supremo após a morte de Zavascki", aponta a reportagem....

Anônimo disse...

“Se Vc topar, vou te pedir pra ser laranja em outra coisa que estou articulando kkkk”, disse Deltan a procuradora:

Num dos trechos mais impactantes da Vaza Jato, o procurador Deltan Dallagnol pede a sua colega Thamea Danelon que ela seja "laranja" numa articulação da força-tarefa para pressionar o Supremo Tribunal Federal a prender o ex-presidente Lula – e ela concorda

12 agos 2019

247 – Confira, abaixo, um dos trechos mais importantes da reportagem de Rafael Neves e Rafael Mora Martins, publicada no Intercept:

Em 22 de março de 2018, o STF concedeu ao ex-presidente Lula um salvo-conduto para que ele, já condenado em segunda instância no caso do triplex do Guarujá, não fosse preso até o julgamento de seu habeas corpus preventivo, marcado para 4 de abril. Grupos contrários e favoráveis ao petista mobilizaram-se para pressionar o Supremo.

Oito dias depois, Dallagnol anunciou no grupo de Telegram Parceiros MPF — 10 medidas que ele e a equipe da Lava Jato no Paraná haviam aderido a um abaixo-assinado restrito a juízes e procuradores a favor da prisão em segunda instância. Horas mais tarde, o procurador discutiu com Thaméa Danelon a possibilidade de que também houvesse abaixo-assinados apresentados pela sociedade, e não apenas por autoridades.

No dia seguinte, Dallagnol fez uma proposta à procuradora. “Se Vc topar, vou te pedir pra ser laranja em outra coisa que estou articulando kkkk”. Danelon assentiu, animada, e o chefe da Lava Jato continuou. “Um abaixo assinado da população, mas isso tb nao pode sair de nós… o Observatório vai fazer. Mas não comenta com ng, mesmo depois. Tenho que ficar na sombra e aderir lá pelo segundo dia. No primeiro, ia pedir pra Vc divulgar nos grupos. Daí o pessoal automaticamente vai postar etc”.

O Observatório Social é uma organização de atuação nacional sediada em Curitiba que atua, segundo o site, “em favor da transparência e da qualidade na aplicação dos recursos públicos”. Mantendo sigilo sobre a articulação, a colega de Dallagnol em São Paulo divulgou o abaixo-assinado e disse a ele que o Vem Pra Rua fez o mesmo. Em seguida, o coordenador da Lava Jato compartilhou a petição em seu perfil do Facebook sem mencionar que estava por trás da iniciativa.

Satisfeito com a repercussão, Dallagnol escreveu a Danelon: “Temos que cuidar pra não parecer pressão. Se não estivéssemos na LJ, o tom seria outro kkkkk. Ia chutar o pau da barraca rs. Depois chutava a barraca e eles todos tb kkk”. A procuradora subiu vários tons. “Eu colocava todos na barraca e metralhava kkkk”.....

Anônimo disse...

advogados CCs e/ou filiados ao PSL, DEMOs...

Anônimo disse...

Igreja frequentada por Deltan foi sede de movimento que defende a Lava Jato:

UOL - 12/08/2019

A igreja frequentada pelo procurador federal Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Lava Jato no MPF-PR (Ministério Público Federal do Paraná), apoiou e foi sede do Instituto Mude, que hoje pressiona o STF (Supremo Tribunal Federal) em defesa da operação. A IBB (Igreja Batista do Bacacheri), em Curitiba, tem 60 anos e cerca de 3.000 fiéis. Além de Dallagnol, o líder do Mude, Flávio Oliveira, é frequentador do espaço.

Conversas do coordenador da Lava Jato com membros do Mude foram divulgadas pelo The Intercept Brasil nesta segunda-feira. Segundo reportagem do The Intercept, o procurador participava de um grupo de Telegram com integrantes do Mude e sugeria ações ao grupo, que inicialmente era tratado como um movimento.
Pelo grupo, Dallagnol chegou a pedir que o Mude articulasse uma campanha em favor da nomeação do procurador Nicolao Dino para a chefia da PGR (Procuradoria-Geral da República). Também recomendou ao movimento a divulgação de textos para que a relatoria dos processos da Lava Jato no STF não ficasse com Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski ou Dias Toffoli, atual presidente do Supremo.

Nas conversas, Dallagnol pede que não seja citado nas manifestações. Após suas recomendações, postagens alinhadas às suas sugestões foram postadas pelo Mude em sua página no Facebook.

O Mude, até hoje, posta mensagens em defesa da operação Lava Jato. Sua página no Facebook tem mais de 60 mil seguidores.

No sábado, a página compartilhou notícia sobre o STF com a hashtag #STFNaoBrinqueComALavaJato. Na quarta-feira, o ministro do STF Gilmar Mendes foi chamado de "um sujeito inescrupuloso" em uma postagem com a hashtag #TodoApoioALavaJato.....

Anônimo disse...

No universo de 1 milhão de advogados existentes no brasil eles não representam nada x nada ou se quizerem 2%.

Anônimo disse...

Todo apoio à Lava Jato.

Anônimo disse...

Pesquisa estima mais de 1 milhão de advogados no Brasil em 2018 ...

https://www.editoraforum.com.br/.../pesquisa-estima-1-milhao-de-advogad...
A concorrência deve ficar cada vez mais acirrada no mercado jurídico. É o que aponta a pesquisa realizada pela Selem, Bertozzi & Consultores Associados.

PS: Ou seja, 2 2 mil e merd**** é a mesma coisa.

Anônimo disse...

Que arque com o resultado de suas atitudes... Cometeu ilícitos, que pague por eles. Como todo mundo!!! Esse, assim como Moro, foi picado pela mosca azul. Colherá o que plantou. O justo: nada mais nem nada menos!!!

Anônimo disse...



https://www.youtube.com/watch?v=3yxiShv9Ino
https://www.youtube.com/watch?v=O6GE_wRFaRw
https://www.youtube.com/watch?v=_V2eQpIcyRA
https://www.youtube.com/watch?v=0eKIMgNk3OY
https://www.youtube.com/watch?v=NTD8rHBzRBI

Anônimo disse...

Polibio, mais o Deltan é TERRÍVEL MESMO!!!! O pavor da ORCRIM com Deltan está estampado na chuva de petralhas que o atacam e o denigrem, ou melhor "tentam" denegri-lo em teu blog!

Ariel disse...

JUNTO-ME, COMO CIDADÃO DO POVO, AO APOIO AO DELTAN DALLAGNOL!!

Anônimo disse...

Estes corta e cola do 247 estão muiiiiito chaaaaatos!
Se eu quisesse ler porcaria acessava direto la!