Família diz que casa de Danúbio Gonçalves teve venda fraudulenta

Ao lado, Danúbio, numa das suas últimas saídas. Ele morreu aos 94 anos.

A advogada Nathália Vernet de B.Carvalho, que é também advogada do editor e é titular do escritório Carvalho Vernet,  ingressou na Justiça com um pedido de reintegração de posse da casa que pertence ao artista plástico Danúbio Gonçalves. Ela afirma que, em abril, notificou extrajudicialmente Nicolas Mendes Aneli para que deixasse a moradia, mas isso não aconteceu.

O jornal Zero Hora deste sábado conta que a casa de Danúbio, construída por ele e na qual morou por seis décadas na Rua Engenheiro Roberto Simonsen, número 49, bairro Petrópolis, em Porto Alegre, foi vendida pelo valor de R$ 580 mil, pagos em dinheiro, tudo por meio de um contrato particular de compra e venda sob suspeita de falsificação. Ela teria sido vendida para o técnico em administração James Dayan Pereira Caminha, 38 anos, e revendida em fevereiro deste ano para um terceiro, o advogado Nicolas Mendes Aneli. Ele já atuou em defesa de James em processo semelhante e diz que não atende mais o cliente

Familiares afirmam que Danúbio, internado em hospital e clínicas geriátricas desde meados de 2016 até a morte, não negociou a moradia.

Um comentário:

Cris disse...

Merece uma investigação criteriosa.
É possível sim...
As vezes ,apesar de todos os cuidados , que são inumeráveis, pessoas mal intencionadas que "não" pertencem as clínicas geriátricas conseguem acesso a velhinhos que já não conseguem lembrar sua própria história ao acordar pela manhã...
É muito cruel, mas acontece...
Geralmente entram como visitantes, e se souberem dados suficientes sobre o idoso, possuírem boa aparência , não levantarem suspeitas e não for possível confirmar com um familiar imediatamente a autorização para a visita , acabam tendo acesso ao idoso...
É preciso avaliar as condições do idoso na data que aparece nas escrituras, além, é óbvio, a grafia...
Guias de IPTU, água e luz foram alteradas?
Quem adquire um imóvel como a casa da foto vai correndo fazer isto...
A transferência foi registrada no Registro de Imóveis?
Você paga meio milhão por um imóvel "cash" e não registra?
Este meio milhão tem origem conhecida? Ou era uma poupança guardada dentro de um colchão?
Se fatos como este forem devidamente esclarecidos e caso tenha havido fraude todos os envolvidos respondam conforme sua participação, com o agravante do golpe ter sido executado contra alguém já não mais capaz de responder por si mesmo, talvez , e só... talvez... isto pare de acontecer...