Inflação do IPC-C1 dobra de tamanho e prejudica os mais pobres

Alimentação, transporte e energia elétrica pressionaram o Índice de Preços ao Consumidor - Classe 1 (IPC-C1) no mês, informou nesta quarta-feira, 6, a Fundação Getulio Vargas (FGV).

Quem mais perdeu foi o cidadão e as famílias mais pobres.

O IPC-C1 saiu de uma alta de 0,31% em abril para uma elevação de 0,60% em maio.

Cinco das oito classes de despesas registraram taxas de variação mais elevadas: Habitação (de 0,23% para 1,02%), Transportes (de -0,16% para 0,64%), Alimentação (de 0,25% para 0,50%), Comunicação (de -0,18% para -0,06%) e Vestuário (de 0,32% para 0,35%).

CLIQUE AQUI para ler tudo.