ACI de Novo Hamburgo denuncia casamento do autoritarismo com corporativismo no RS

É corajoso o protesto que fez neste final da tarde a ACI de Novo Hamburgo, ao acusar os deputados estaduais gaúchos de conspurcarem o regime democrático, ao impedirem que o povo seja ouvido no âmbito de plebiscito exigido pela Constituição Estadual.

Um pequeno grupo decidiu que o povo não pode decidir, embora a lei diga que deva decidir, diz a ACI.

Nm determinado trecho da nota, a entidade também fere o ponto central da proposta de privatização, que é a necessidade de modernizar a máquina pública, expurgando aquilo que não lhe cabe fazer e que atualmente consome recursos milionários, desviados da prestação de serviços para o povo:

- Talvez esta mesma população decidisse pela privatização de uma CEEE, por exemplo, que cobra de seus clientes (cidadãos gaúchos!) mais de R$ 100 milhões em ICMS, por mês, e não os repassa ao Tesouro Estadual; que acumula prejuízo, nos últimos dois anos, de R$ 614 milhões; que, se não receber a injeção do Estado de R$ 2,6 bilhões (lembrando sempre; nossos recursos, que sairão dos orçamentos de saúde, educação, segurança, etc) até 2020, perderá sua concessão, fazendo com que, para nós, sobre apenas a conta de mais de R$ 3 bilhões em passivos.

Conceber que este Estado, tão combalido por sucessivas crises e déficits públicos da mais alta grandeza, torne-se atrativo para a manutenção e atração de novas empresas depois da votação de ontem é um delírio.

CLIQUE AQUI para ler tudo.