Se os deputados estaduais continuarem impedindo os ajustes fiscais, o governo estadual vai quebrar de vez

Apesar de todos os ajustes feitos até agora, o Estado do RS ainda se encontra numa encruzilhada mito preocupante. Se não completar o ajuste fiscal e aderir ao Regime de Ajuste Fiscal dos Estados, numa palavra simples é isto que vai acontecer: o Estado quebra de vez e os atrasos da folha de pagamento emendarão dois meses.

Se não for assinado o novo acordo da dívida, a partir de 2018 e até o final do próximo período governamental (2022), o déficit anual médio ficará próximo a R$ 5 bilhões, acumulando um déficit no período 2018-2022 de R$ 24 bilhões. Neste total não está incluído um 13o salário que passou a ser pago com recursos do exercício seguinte e outras despesa de outros exercícios.

Os dados acima foram recolhidos pelo editor junto ao especialista em contas públicas Darcy F.C. dos Santos, que resolveu estudar o caso depois que o editor pediu-lhe números sobre dois cenários:

- 2018-2022, com adesão e sem adesão ao Regime de Ajuste Fiscal dos Estados.

O leitor perceberá claramente que os deputados estaduais que impedem a aprovação de ajustes como os da privatização ou federalização de estatais, condenam servidores públicos e a população gaúcha a uma situação de perpetuação da desgraça atual.

A  projeção feita acima, leva em conta a inflação e o PIB calculados de acordo com instituto especializado, um crescimento vegetativo da folha de pagamento de 2,5% ao ano, investimentos mínimos de 3% da receita corrente líquida e com repasse integral da inflação para a folha de pagamento.