Governo tem maioria na CCJ para barrar Janot, mas teme indecisos.

Dos 66 membros da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados, os governistas contabilizam este resultado, segundo O Globo de hoje:

– 34 votos contra a admissibilidade da denúncia de Rodrigo Janot contra Michel Temer por corrupção passiva;
– 13 a favor;
– 19 indecisos

16 comentários:

Anônimo disse...

Ano que vem tem eleições ...

Mordaz disse...

mmmmmméééééé´....

Mordaz disse...

Povo está feliz com estes políticos que temos. Não vamos atrapalhar senão a reforma da previdência, em benefício do trabalhador, pode não sair.

Anônimo disse...

Barrar janot é desviar o foco, né editor? A verdade é barrar a investigação e punição de corrupto.

Anônimo disse...

Comissão de Constituição e Justiça..Hahahaha..

Anônimo disse...

Sinceramente, acredito que nem vale a pena tirar o Temer. Por razões diversas e por todos conhecidas. Agora esse governo está morto. Liquidado. Não pensem que nos enganam. Nem ao povo. E o ruim da coisa, favorece a sua permanência, as hostes do Lula. Lamentável. Quem sabe se o pior não virá depois, em 2019. O discurso mudou de mãos e o vitimismo do tudo igual voltou para as mãos da esquerda. Quer ter sido o propósito ou não da PGR de Brasília, o fato é que deram ao povo novamente a dúvida. E na dúvida quem chora na tv? Quem se parece mais com o populacho em suas maneiras de agir? Quem olha para a esquerda e faz o passe para a direita. Obs. Não é o Ronaldinho Gaúcho...

Anônimo disse...

Os indecisos são aqueles que pretendem negociar algum cargo no governo. Se estão realmente indecisos e não negociando cargos é porque não leram aquele lixo juridicamente imprestável produzido pelo Janot, onde a acusação é cheia de ilações baseadas numa gravação ilegal e cheia de interrupções produzida por um criminoso tentando fugir da prisão!!

Anônimo disse...

EM EDITORIAL, VEJA PARECE ARREPENDIDA DO GOLPE:

Em editorial intitulado "De costas para o país" a revista Veja parece até ter se arrependido do golpe que ajudou a perpetrar contra a presidente legítima, Dilma Rousseff; em um longo texto, a publicação da editora Abril faz uma série de críticas a Michel Temer; "Além de ser o primeiro presidente denunciado no cargo, Temer está se transformando num presidente de deputados, e não do conjunto dos brasileiros", diz a revista.

1 DE JULHO DE 2017

247 - Quem lê o editorial da revista Veja desta semana pode até pensar que a publicação da editora Abril tenha se arrependido do golpe que ajudou a concretizar.

Em um texto batizado de "De costas para o país", a revista faz duras críticas ao peemedebistas.

O difícil é acreditar que eles só descobriram tudo isso agora.

Confira abaixo a íntegra do texto:

Na condição de primeiro presidente da República denunciado por corrupção passiva no exercício do cargo, Michel Temer fez um pronunciamento transmitido ao vivo na terça-feira passada. No dia anterior, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, divulgara a denúncia na qual afirma que Temer “recebeu para si, em unidade de desígnios e por intermédio de Rodrigo Santos da Rocha Loures, vantagem indevida de 500 000 reais”.

Em seu discurso, Temer, cercado de aliados, disse que respondia a um “ataque injurioso, indigno e infamante à minha dignidade pessoal”, pediu “provas concretas” de que havia recebido “valores”, reclamou de estar sendo vítima de uma “denúncia por ilação”, chamou a peça de Janot de “ficção” e atacou o procurador pessoalmente. Só não endereçou as acusações com clareza. Nada disse sobre as razões de ter recebido o empresário-delator Joesley Batista, da J&F, às escondidas no Palácio do Jaburu, nem sequer mencionou o nome de seu ex-assessor Rocha Loures, hoje conhecido como “o homem da mala”.

O aspecto mais claro do discurso de Temer foi também o mais lamentável: o presidente, durante mais de vinte minutos, falou aos deputados que o cercavam, aos deputados que o viam pela televisão ou pelos sites, aos deputados que em breve decidirão se ele fica ou cai. Em nenhum momento dirigiu-se ao país, ao povo, à população, aos eleitores, aos cidadãos brasileiros. O país queria ouvir uma explicação para as acusações. Queria argumentos plausíveis, críveis, lógicos, razoáveis. Em vez disso, ouviu um discurso concebido para soar como sinfonia graciosa a deputados, não a todos, mas àqueles que precisam de proteção contra violações da lei.

Com isso, além de ser o primeiro presidente denunciado no cargo, Temer está se transformando, com espantosa rapidez, num presidente de deputados, e não do conjunto dos brasileiros. Segundo a pesquisa mais recente, apenas 7% dos eleitores confiam no governo de Temer. É claramente difícil falar a tal plateia, mas essa é a plateia que acorda cedo todos os dias, trabalha duro, paga impostos e merece respeito e atenção. Esse é o país que deseja ouvir de seu presidente palavras que se projetem além de uma catilinária. Ao não se defender, ao dirigir-se apenas aos que vão votar sua denúncia e virar as costas para o país, Temer acabou por robustecer a peça de Janot e obscurecer suas falhas, como mostra a reportagem da página 48.

PS: Acabou as $$$$$$$$$$$$$$$$4 verbas do PSDB para a Veja?

Anônimo disse...

LIVRE, LEVE E SOLTO, AÉCIO PODE REASSUMIR O PSDB:

A decisão do ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal, de devolver o mandato ao senador Aécio Neves (PSDB-MG) cria um constrangimento no ninho tucano; agora, mesmo depois de ter sido flagrado pedindo R$ 2 milhões ao empresário Joesley Batista, pagos em malas de dinheiro a seu primo Fred Pacheco, Aécio pode retomar a presidência do PSDB, contrariando o desejo de seus adversários internos, que preferiam manter o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) no comando; Aécio também deve tentar influenciar a sigla a salvar Michel Temer, ainda que o custo seja a morte política dos tucanos, uma vez que o governo é rejeitado por mais de 90% dos brasileiros.

1 DE JULHO DE 2017

247 – A decisão do ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal, de devolver o mandato ao senador Aécio Neves (PSDB-MG) cria um constrangimento no ninho tucano.

Agora, mesmo depois de ter sido flagrado pedindo R$ 2 milhões ao empresário Joesley Batista, pagos em malas de dinheiro a seu primo Fred Pacheco, Aécio pode retomar a presidência do PSDB, contrariando o desejo de seus adversários internos, que preferiam manter o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) no comando.

"O afastamento do senador foi uma decisão voluntária. Ele que indicou o Tasso para o lugar dele. Portanto, se ele quiser voltar, essa é uma decisão pessoal", disse o secretário-geral do PSDB, o deputado federal Silvio Torres (PSDB-SP), que é ligado ao governador paulista Geraldo Alckmin, em reportagem de Renan Truffi e Pedro Venceslau, no jornal Estado de S. Paulo.

Aécio também deve tentar influenciar a sigla a salvar Michel Temer, ainda que o custo seja a morte política dos tucanos, uma vez que o governo é rejeitado por mais de 90% dos brasileiros.

A volta de Aécio, no entanto, pode ser temporária, apenas. "A situação deve evidenciar ainda mais a disputa entre paulistas e mineiros no partido. Próximo ao governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), Torres afirmou que o retorno de Aécio não impede o partido de pedir a antecipação das eleições internas", aponta a reportagem de Truffi e Venceslau. "Seja qual for a decisão do Aécio, defendo uma antecipação da convenção nacional", explicou Torres.

PS: PMDB, PSDB Rede Globo tudo a ver.

Anônimo disse...

Conversa pra boi dormir, com caneta e dinheiro tem é tudo.

Anônimo disse...

mi-mi-mi pra não dar na cara que estão todos comprados.

Anônimo disse...

http://www.oantagonista.com/posts/uma-selfie-por-um-voto

Anônimo disse...

Gostaria saber porque tanto empenho da Globo em derrubar Temer. Seria a ameaça de Palocci? Alguma chantagem ?

Anônimo disse...

Se eu fosse um político e fosse de verdade, além de conivente com maus feitos - neologismo para bandido -, criaria uma nova geração para enfrentar as urnas. Tudo quase novo. Tudo quase diferente. Nem sempre o que se muda é para continuar do jeito que está. A vida, as vezes, pode ser surpreendente. O fato é que os que ai estão, apodrecem em seus cargos - ou comprometidos, ou cansados, ou impotentes -, nada ou muito pouco irão mudar. Venha o novo, e venha rápido. É o que mais precisamos agora. Mas quem vai largar o osso, não é mesmo? E quem vai ser suficientemente inteligente, numa terra de zumbis?

Anônimo disse...

GLOBO SE VOLTA CONTRA O SUJEITO QUE COLOCOU NO PODER:

Em reportagem intitulada "Temer perdeu as estribeiras", publicada na edição deste fim de semana, a revista Época diz que o peemedebista, "primeiro presidente da República denunciado por corrupção no cargo e enfraquecido politicamente, recorre a insinuações para rebater uma robusta denúncia de corrupção"; "Michel Temer está encurralado. Por um lado, pela contundência técnica das evidências levantadas pela Polícia Federal. De outro, pela contundência jurídica e política da denúncia apresentada por Janot", diz trecho da matéria de capa.

1 DE JULHO DE 2017

247 - Na edição da revista Época deste fim de semana, a Globo se volta com força contra Michel Temer, sujeito que colocou na presidência da República por meio de um golpe parlamentar.

Em reportagem intitulada "Temer perdeu as estribeiras", a publicação diz que o peemedebista, "primeiro presidente da República denunciado por corrupção no cargo e enfraquecido politicamente, recorre a insinuações para rebater uma robusta denúncia de corrupção".

O texto se refere à insinuação feita por Temer de que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, autor da denúncia contra ele, teria recebido dinheiro da JBS, durante pronunciamento no Palácio do Planalto para comentar a denúncia.

"Michel Temer está encurralado. Por um lado, pela contundência técnica das evidências levantadas pela Polícia Federal. De outro, pela contundência jurídica e política da denúncia apresentada por Janot", diz a matéria.

Leia abaixo um trecho da reportagem publicada no site: (...)

PS: Se a Globo escreveu quem contestar vai preso.

Anônimo disse...

Eu quero votar neles em 2018