Análise, Cesar Maia - As redes sociais e o pós-impeachment de Dilma

1. Há um consenso que a mobilização e a legitimação do processo de impeachment de Dilma se construiu pelas redes sociais e com elas pela opinião pública multiplicada. Essa mobilização -nesta etapa virtual- permanecerá até o impeachment de Dilma.
          
2. E depois? Como se sabe, as redes sociais constroem uma democracia direta do não. As redes sociais são horizontais e desierarquizadas. Empoderam os indivíduos e não as organizações, sejam associações, sindicatos ou partidos.
          
3. Com essa heterogeneidade e pluralidade, sua energia, sua força e seu poder de mobilização se expressam basicamente pela reação contra políticas, contra fatos, contra pessoas, em especial lideranças, que por esta condição estão muito mais expostas e são muito mais visíveis.
           
4. Por estas razões constituintes o que constrói grandes consensos através das redes sociais é o NÃO, ou seja, a oposição a algum fato, medida, governo associação ou personagem.
            
CLIQUE AQUI para ler mais.

2 comentários:

Anônimo disse...

Acho que você esta fazendo uma confusão.

Anônimo disse...

VERDADE, DILMANTA NUNCA FOI MAIORIA NA NET, AECIO NEVES E MARINA SEMPRE LIDERARAM NA CAMPANHA TODA, POR ISTO TEMOS CERTEZA DE SUPOSTA FRAUDE NAS URNAS, HEHEHEHHE, A DILMANTA SOH TEM ROBOZINHOS PAGOS, SAIU A LISTA DOS BLOGS QUE SAO PAGOS PELO PT...UM É O CARTA CAPITAL, OUTRO É O CONVERSA A FIADA e segue a lista, é soh pesquisar os demais blogs da lista