Procuradores querem R$ 78,5 milhões dos envolvidos no escândalo da CPI da Petrobrás

A força-tarefa da Operação Lava Jato denunciou o ex-senador Gim Argello, que foi do PTB do Distrito Federal, Marcelo Bahia Odebrecht, presidente da empreiteira Odebrecht, Ricardo Pessoa, dono da UTC, e Léo Pinheiro, presidente da OAS. Outras 16 pessoas também foram denunciadas, como o publicitário Marcos Valério, condenado no mensalão.

Na denúncia, os procuradores ainda pedem o confisco de R$ 7,5 milhões e 200 mil euros e multa de R$ 70 milhões, correspondente ao dobro dos valores totais de propinas.

Segundo o MPF (Ministério Público Federal), os acusados promoveram o pagamento de vantagens indevidas entre abril e dezembro de 2014, a fim de obstruir os trabalhos de CPIs, tanto na Câmara Federal quanto no Senado. As acusações são um desdobramento da 28ª fase da Lava Jato, conhecida comoVitória de Pirro. 

A lista completa dos denunciados na primeira denúncia é: Gim Argello e seu filho Jorge Afonso Argello Junior; Paulo Cesar Roxo Ramos; Valério Neves Campos; José Adelmário Pinheiro Filho (Léo Pinheiro); Roberto Zardi Ferreira; Dilson Cerqueira de Paiva Filho; Ricardo Ribeiro Pessoa; Walmir Pinheiro Santana; Marcelo Bahia Odebrecht e Claudio Melo Filho.

Na segunda denúncia, estão os nomes de Ronan Maria Pinto; Sandro Tordin; Marcos Valério Fernandes de Souza; Enivaldo Quadrado; Luiz Carlos Casante; Breno Altman; Natalino Bertin; Oswaldo Rodrigues Vieira Filho e Delubio Soares de Castro.

2 comentários:

Anônimo disse...

a VOLTA DOS QUE NÃO FORAM = MENSALÃO + PETROLÃO, POR ENQUANTO.
Esther

samuel disse...

Marcos Valério Fernandes de Souza. Esse não sai mais da prisão, com as penas comutativas....$$$ que sai da mão da DilmaLuLa é dinheiro maldito....