Entenda quem são os primos pobres e quem são os primos ricos na Folha de Pessoal do governo do RS

Educação e Segurança ficam com 62% do valor da Folha do governo do RS. Número de aposentados já supera o de servidores ativos.

O editor pediu dados para o governo, que não forneceu nada. Em consequência, foi ao portal Transparência e protocolou pedido com base na Lei de Acesso as Informações. Isto obriga o governo a fornecer os dados em 20 dias, prorrogáveis por mais 10. 

O peso aterrador da Folha de Pessoal do governo do RS é comprometido dramaticamente pela presença de policiais e professores:

- Eles representam 84% do total de funcionários e ficam com 62% do valor da Folha de Pessoal. 

E são os que se aposentam mais precocemente. 

Os pesos dos Poderes:

Poder Judiciário - 4,06% na quantidade sobre o bolo total de servidores estaduais e 11,96% no valor (quatro vezes) 
TCE -  0,46% na quantidade e 2,46% no valor ( 5,3 vezes). 
Poder Executivo -  91,86% dos servidores e 70,69% da folha.
Ministério Público Estadual - 1% na quantidade e 3,74% no valor.
Assembléia - 0,72% na quantidade e 3,74% no valor
Defensoria Pública - 0,23% na quantidade e 1,26% no valor.

Quanto aos funcionários inativos, a proporção é semelhante ao Estado como um todo. Existem 56 % de funcionários aposentados e 44% na atividade. A proporção já é de mais de um aposentado para cada servidor na ativa.

Mantido o atual sistema de aposentadorias, esta proporção será desastrosa para o governo estadual - todos os Poderes.

- O editor buscou estas informações no livro "O RS tem saída ?", de Darcy F.C. dos Santos

6 comentários:

Anônimo disse...

Tá bem, ficam SEIS MESES de trabalho gratuito da PLEBE paras as CASTAS!

Carlos Edison Domingues disse...

POLIBIO. Há algum tempo atrás relacionaste todos os aposentados, nomes e respectivos proventos, dos que serviram na Assembléia Legislativa. Peço, por entender ser oportuno, que reitere esta informação. Carlos Edison Domingues

DS disse...

Este exemplo se alastra por todo o Brasil. Infelizmente.
Servidores públicos que se servem do público.


Esta foto é do tempo do ronca :)
Deve ser do programa de rádio dos anos 40 da Rádio Nacional, o "Balança mas não cai"
Paulo Gracindo o rico e Brandão filho, o pobre.

Anônimo disse...

O próprio editor reconhece que suas fontes não são oficiais, mas sim oriundas do Sr. Darcy, que nem mesmo possui especialização em Finanças Públicas.
Mas vamos lá... considerando que os dados não confiáveis apresentados sejam verdadeiros: Alguém aí quer menos policiais ou menos professores? Os que disserem sim, depois não venham reclamar dos altos índices de violência. Segurança Pública não é feita sem investimentos e sem SERVIDORES.

Anônimo disse...

Ou seja, os servidores do executivo em quantidade maior, representam um custo bem menor, aliás é o único poder que gasta individualmente menos.
Já a Defensoria Pública, seguida pelo TCE, Assembléia e Judiciário são os que gastam mais com cada servidor.
Ao contrário do que defende o editor, o Judiciário é um dos principais gastões do poder estadual. Sem considerar os prédios luxuosos.

Anônimo disse...

Esta é a relação entre os salários médos
1,0 Executivo
3,8 Poder Judiciario
4,9 Min Publico Estado
6,8 Assembleia
6,9 TCE
7,1 Defensoria Publica

Enquanto o Executivo ganha 1,0 de salário médio, o poder judiciário ganha 3,8 vezes esse salário