Cada servidor dos Correios pagará 25,9% do salário para cobrir déficit de R$ 5,6 bi do Fundo de Pensão Postalis

 Funcionários dos Correios tentam evitar por meio de uma batalha judicial e de greves que os participantes do Postalis, fundo de pensão da estatal, tenham redução de um quarto nos seus salários a partir de abril de 2015 pelo período de 15 anos e meio. A informação é do Estadão. O jornal diz que a
conta é resultado de um déficit atuarial de R$ 5,6 bilhões no Postalis, controlado pelo PT e PMDB, provocado por investimentos suspeitos, pouco rentáveis ou que não tiveram ainda rendimento repassado ao fundo. Também sob influência dos dois partidos políticos, o Funcef, dos empregados da Caixa Econômica Federal (CEF), e a Petros, da Petrobrás, contabilizam prejuízos bilionários. 

O Fundo está nas mãos de lideranças do PT.

Leia tudo:

Partiu do conselho deliberativo do Postalis a decisão de impor aos funcionários a contribuição extra que terá forte impacto sobre os salários. No primeiro momento, ficou definido um corte de 25,98% nos contracheques. O déficit será reavaliado a cada ano a partir do retorno dos investimentos e da expectativa de vida dos participantes. Um funcionário que tem salário de R$ 10 mil, por exemplo, receberá R$ 2.598,00 a menos no final do mês apenas para cobrir o déficit, além o valor da contribuição definida. Vão pagar o porcentual extra os funcionários mais antigos, aqueles que entraram nos Correios até 2008. Isso equivale a 75% do pessoal da empresa.

Integrantes do fundo argumentam que o déficit bilionário é resultado da má administração dos investimentos dos últimos anos. Também acusam os Correios de não terem pago a dívida que têm com o Postalis. Por isso, a Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios, Telégrafos e Similares (Fentect) entrará nesta segunda-feira com duas ações na Justiça Federal. A primeira contra a ECT para que a empresa reconheça que deve R$ 1,150 bilhão ao fundo e abata esse valor do cálculo do déficit que precisa ser equacionado. No outro processo, a federação quer que a estatal assuma o pagamento do déficit integralmente por entender que a responsabilidade pela má gestão dos ativos do fundo é da patrocinadora. 

"Esse novo reajuste repassa para nós a culpa da má administração do fundo", afirmou José Rodrigues dos Santos Neto, presidente da Fentect. Ligada à Central Única dos Trabalhadores (CUT), a federação diz reunir 30 sindicatos, que representam 74 mil trabalhadores dos 120 mil dos Correios.
Na semana passada, carteiros de ao menos dez Estados brasileiros fizeram paralisação para protestar contra a contribuição extra definida pelo conselho deliberativo do Postalis. 

A Adcap (Associação Nacional dos Profissionais dos Correios) também irá ingressar com medida judicial. "Entendemos que os Correios deixaram de pagar essa dívida com o Postalis para maquiar o balanço e apresentar resultado positivo no ano passado", afirmou Luiz Alberto Menezes Barreto, presidente da entidade, que representa os profissionais de nível médio, técnico e superior. 

Extras. Os funcionários dos Correios e a empresa já fazem contribuições extras ao plano desde 2013 para cobrir o déficit de R$ 1 bilhão dos dois anos anteriores. Nesse período, foi descontado mensalmente do contracheque 3,94% do valor da aposentadoria, da pensão ou do valor previsto para o benefício - no caso dos servidores da ativa.

As contribuições extras, que subiram de 3,94% para 25,98%, são para equacionar o plano de benefício definido do Postalis, sob o risco de o banco e os dirigentes do fundo serem punidos pelo órgão regulador. Na conta foi incluída uma dívida dos Correios com o Postalis de 2008, da época em que o plano de benefício definido foi saldado. 

Os Correios fizeram o pagamento dessa dívida, em parcelas, de 2001 até março de 2014, mas interrompeu o pagamento por determinação do Ministério do Planejamento e do Tesouro Nacional. Os órgãos de controle concluíram que a estatal saldou integralmente sua parte com o término do plano definido. O R$ 1,150 bilhão restante, segundo o governo, constitui déficit atuarial e deve ser dividido a patrocinadora (Correios) e os funcionários. 


Ação. O Postalis tem um entendimento diferente. O fundo entrou com ação com pedido de tutela antecipada (liminar) contra os Correios para cobrança desse montante relativo às obrigações sobre o tempo de trabalho dos participantes antes da criação do plano. Os Correios informaram, por meio de nota, que contrataram consultoria especializada para avaliar se o Postalis ou o governo tem razão. 

13 comentários:

Anônimo disse...

Cada enxadada uma minhoca.Que minhoca gorda nao e nao?

Anônimo disse...

Cada enxadada uma minhoca.Que minhoca gorda nao e nao?Depois perguntam porque o povo vai para as ruas.

Anônimo disse...

O TCU, no relatório CONTAS DO GOVERNO DA REPUBLICA 2013, na folha 384, afirma que o déficit atuarial do funcionalismo federal é de R$ 1,1 trilhões, sem contar os militares.

Anônimo disse...

SABE QUEM VAI PAGAR A CONTA....

-O OTÁRIO CONTRIBUINTE DA INICIATIVA PRIVADA....

-ATÉ QUANDO OS 27,5 MILHÕES DE APOSENTADOS DO INSS VÃO CALAR DIANTE DE TANTAS SAFADEZAS.

-PARA OS DO SERVIÇO PUBLICO TUDO, DEU PREJUÍZO,A CONTRIBUIÇÃO NUNCA COBRIU A DESPESA, HÁ MAS É APOSENTADORIA INTEGRAL, A VIÚVA PAGA...

Antonio

Anônimo disse...

Era só o que faltava a conta sobrar para o contribuinte.

No lugar de greves, porque os funcionários do PT não realizam uma expulsão simbólica de todos filiados do PT que trabalham nos correios, impedindo que entrem para trabalhar, e a expulsão definitiva dos CCs do PT que "trabalham " nos correios?

NEM venham com aporte do tesouro para a Postalis, que vai dar revolução. Não aguentamos mais estes pelegos !

Anônimo disse...

Bem feito! Assim como os petroleiros, assistem a roubalheiras passivamente! É preciso urgente, abrir investigação nos fundos de pensão, esses vagabundos petralhas roubaram onde puderam meter as mãos!

Anônimo disse...

Vai acontecer o mesmo com a AERUS da VARIG é mais alguns anos e estara tudo quebrado, é verdade que compraram titulos do Tesouro da Argentina ????

Anônimo disse...

VOTARAM nestas amebas vermelhas, agora vão reclamar para o LUIS FERNANDO VERISSIMO na RBS, midia representante do PT no RGS!

fred oliveira disse...

O que dizem os petistas funcionarios da Caixa, os Correios e da petrobras? Nao os vejo protestando contra seu partido. Sao cumplices? com a palavra cada um deles. espero que os lesados por mais este descalabro do pt nao deixem isto por menos. Lutem pelos seus direitos e para enquadrar os responsaveis. A sociedade brasileira ja' sta' pagando a conta do desgoverno, com mai impostos. O mesmo faz o pt com os funcionarios das estatais: lesam os fundos e entrega a conta para os que foram atingidos.

Anônimo disse...

E OS CARTEIROS NAS ELEIÇÕES SÓ ENTREGANDO PROPAGANDA DO PT. SEM PAGAR A POSTAGEM AINDA.

PEDIRAM, LEVARAM.

Emmanuel disse...

E isso é só o começo!
Vai piorar, e muito .... bem por isso tem tanta gente empregada pelo governo nos mais diversos cabides - conhecidos como autarquias, estatais e quejandos - querendo que a coisa esfrie.
Não adianta! No final das contas, o povão é quem paga a fatura.

Anônimo disse...

E o pior é que a petralhada continua comandando os Correios e o Postalis. Ou seja, os vazamentos não foram interrompidos. As fraudes continuam e o prejuízo tende a crescer mais ainda. O que precisamos fazer? Um revolução?

Anônimo disse...

Logo terão de pagar 50% de seu salário. Apoiar o pete dá nisso. Eles aproveitam e os outros pagam a conta. Pete NUNCA MAIS.