Opinião - Executivo, Legislativo e Judiciário cometeram a sandice de aumentar o piso estadual em 16%

As entidades empresariais vão recorrer ao STF, sobretudo revoltadas com a admissão de "razoabilidade" por parte do TJ, quando um aumento de 16%, conforme explica a seguir o economista Darcy F.C. dos Santos, não tem nada de razoável - e até pelo contrário.

Do economista Darcy Francisco Carvalho dos Santos sobre a decisão do Tribunal de Justiça, que cassou liminar e validou o estúpido, indefensável e demagógico aumento de 16% concedido por Tarso aos trabalhadores que são contemplados pelo piso salarial estadual:

O TJ jugou constitucional o aumento de 16% do piso estadual e também por não ser contra a  razoabilidade. Não sei o que eles entendem por razoabilidade, quando o salário mínimo nacional  subiu 8,8% (A Dilma vetou até o arredondamento de R$ 2,00, de 788,00 para 790), a inflação foi 6,43% e o PIB deverá ser negativo.

Por essas coisas é que o PIB do Estado vem crescendo menos que o nacional.

O economista não avançou na crítica ao governo do PT, que cometeu a indecência, tampouco à Assembléia Legislativa e ao atual governo do sr. Sartori, que mandou a PGE sustentar a idiotice. 

Executivo, Legislativo e Judiciário cometeram a sandice, mas nenhum, deles terá que pagar o aumento que não vale para os trabalhadores dos três Poderes. Um aumento de 16%, muito além da inflação do período anterior e infinitamente superior a qualquer índice de produtividade que tenha por base a evolução do PIB (menos de zero por cento em 2014) não tem qualquer tipo de sustentação econômica e é de uma irracionalidade que beira à demência, já que reduz estupidamente a competitividade local diante dos concorrentes, o que resulta em menor produção, erenda e circulação de riqueza, além de desemprego. 

Os novos pisos no Estado:

Faixas 1 a 5, em sequência: R$ 1006,88; 1030,06; 1053,42; 1095,02; 1276,00.

8 comentários:

Anônimo disse...

A união do sindicalismo, com o corporativismo escrachado do judiciário, chancelado pela covardia do legislativo, de cócoras para minorias ativistas e de costas para a sociedade, permite estas irresponsabilidades econômicas, como se o valor da mão-de-obra pudesse ser arbitrada por Lei. É a ignorância com a leviandade, juntas a permear os setores que nominei. Tenho nojo destas figuras. Fazem mal para gerações.

Diego Gomes Ferreira disse...

Polibio, a atuação da PGE é regra do jogo. É seu dever institucional, vinculado, sustentar a validade dos atos normativos em ações diretas de inconstitucionalidade. Quanto ao Judiciário e ao Legislativo, a crítica é válida, mas especialmente em relação aos deputados.

Anônimo disse...

Dispensei o único empregado que tinha, e nunca mais vou ter funcionários. Questão de sobrevivência.

Anônimo disse...

A SÉRIE- HOUSE OF CARDS - EXPLICA COMO FUNCIONA O SUBMUNDO DA POLITICA..

-NOSSOS ILUSTRES- LEGISLATIVO, EXECUTIVO E JUDICIÁRIO - JOGARAM PARA TORCIDA, JUSTIFICANDO SEUS PRÓPRIOS AUMENTOS TENTAM AGRADAR AS MASSAS COM O REAJUSTE DO PISO....

-POBRE BRASIL, JAMAIS SAIREMOS DA MEDIOCRIDADE, SEREMOS SEMPRE UM PAIS SUB DESENVOLVIDO...INFELIZMENTE...

-TÁ RUIM, AINDA PODE PIORAR, NOSSAS EXCELÊNCIAS SE ESFORÇAM 24 HORAS POR DIA EM BUSCA DESSE OBJETIVO...

Antonio

Anônimo disse...

UMA VERGONHA O QUE FAZEM COM O DINHEIRO DOS OUTROS , NENHUM QUE JULGOU ESTE ABSURDO VAI PAGAR ESTE AUMENTO , ISTO É A MESMA COISA QUE FAZER UM FILHO NA MULHER DO OUTRO E O MARIDO QUE SUSTENTE, GOSTARIA DE SABER PRA QUE A AJUDA MORADIA DE R$ 4000... QUE ALGUNS PREVILEGIADOS ESTÃO GANHANDO SE JA POSSUEM UM GORDO SALARIO, ESTE É O BRASIL DO FUTURO ,A OPINIÃO DE QUEM PAGA NÃO TEM VALOR , POSTE MIXANDO NO CACHORRO...............

Anônimo disse...

O correto e fazer um levantamento e ver quem votou a favor e tirar do bolso de cada um a diferença para cobrir despesas que não deverim sair dos cofres públicos.

Anônimo disse...

O nosso judiciario parece que não le mais as leis vai tudo por interpretação.Como pode um aposentado que ganha menos de 2 salários e com o aumento de 6,23% nos rendimentos pagar empregada, que precisa para sua ajuda, pagar um aumento de 16%, vai viver com o que? É mais uma empregada a ser demitida não ha outro jeito.

Anônimo disse...

Bobagem o que, Polibio, foi malandragem pura, os exemplos de safadeza sempre vem de cima, inclusive dos "nobres julgadores"
estão se lixando para as finanças do Estado, o negócio deles é se
o pirão é pouco, o meu primeiro.