Dilma acusa o "engavetador-geral da República" ao defender os "falsificadores-Gerais da República"

O PT e seu governo, desta vez o governo Dilma, encena "Os Aloprados 2". Ao lado, os astros e "Os Aloprados 1".



A crise produzida pelas mentiras do governo e o uso de documentos grosseiramente falsificados pelo ministro da Justiça, tudo no âmbito do Caso Siemenes e sempre objetivando criminalizar o PSDB pra encobrir o escândalo do Mensalão, está deixando o Palácio do Planalto e o PT à beira de um ataque de nervos.

. O PSDB acusa as mentiras e as falsificações. O Partido exige a demissão do ministro da Justiça. 

. Assustada, a presidente compartilha, em sua página no Facebook de hoje, um texto do Partido dos Trabalhadores, que defende a conduta do ministro José Eduardo Cardozo na polêmica do chamado propinoduto dos trens. O Facebook de Dilma é pessoal, mas ninguém sabe quem paga seus alimentadores.  "Com a ajuda de certa mídia que lhe presta serviços diários, o PSDB tentou estabelecer uma discussão bizantina sobre a competência de o ministro da Justiça cumprir a lei!", diz o texto "Gavetas vazias", que também critica os anos FHC, quando o procurador-geral, Geraldo Brindeiro, era chamado de "engavetador-geral da República". 

. Resta saber quem é o "falsificador-geral da República", já que a quantidade de bandidos do PT enfiados na cadeia é de tamanho oceânico. 

12 comentários:

A Arte de Mentir, em 3 Mandatos Presidencais disse...

Seja cara de pau
Seja rasteiro(a)
Minta Mil Vezes, com certeza colará
O povo acredita em quem gritar com "convicção"
Dê bolsas e as mentiras parecerão Verdades incontestáveis

Anônimo disse...

A explicação do Garboso Cardoso sobre ele não saber da tradução falsificada me fez dar boas gargalhadas.
É muita car de pau dessa gente !

Anônimo disse...

Diz aí Políbio, quem tem medo da PF?

Anônimo disse...

Se existe documentação verdadeira e comprometedora neste caso Siemens, por que o PT fica falsificando documentos para apresentar na imprensa?
Nao entendo.


MJ

Snif snif snif... kkkkk... snif kkkkk (não pelo, mas no velório dele!) disse...

Manchetinha de hoje, no Estadão:

"Nenhuma prisão garante os cuidados que Genoino precisa, diz presidente do PT

Deputado Rui Falcão defende que petista, preso por envolvimento no mensalão, cumpra pena em regime domiciliar"

Os mínimos detalhes do cinismo dos petistas Zé Dirceu, Lula, Dilma, Falcão, Cardozo, Carvalho... disse...

Trabalho de Dirceu terá vista para Praça dos Três Poderes

Luiz Vargas disse...

Qual a credibilidade e legitimidade tem alguém que já forjou um dossiê fajuto (lembram do dossiê transformado em "banco de dados) e também um mestrado e um doutorado nunca concluídos para dar algum palpite???

Anônimo disse...

-FAZER O DIABO PARA GANHAR

Disse a CHEFA petralha, então em breve viveremos um "inferno"

Em breve os petralhas, sua CHEFE e o CHEFE em férias vão falsificar notas de tres reais.

Anônimo disse...

Segundo o blog de gozação do Joselito Muller o tradutor do documento foi o Joel Santana.

Anônimo disse...

O editor & elementos afins, de antemão (sem que os documentos tenham sido periciados) só porque envolve elementos do TUC ÂNUS já decreta que os documentos são falsos. Sai fora mané.

Anônimo disse...

Políbio, menos né?

Hoje os TUCANOS não querem mais nem falar no assunto.
Agora a culpa é da polícia que prendeu o meliante?

marco disse...

A propósito do esclarecedor artigo de Elio Gaspari "Todos soltos, todos soltos até hoje", que começa a desfazer o slogan de escândalos do
PSDB, desejo esclarecer:

a) Quanto ao caso Sivam, não só que a contratação da Raytheon se deu no governo Itamar, como que ao governo nunca foi atribuído haver
participado de malfeitos. A "prensa" para que o processo andasse se referia à aprovação do mesmo pelo Senado, posto que o relator do caso
demorava em se pronunciar. Houve inquérito, o servidor mostrou inocência (havia sido afastado das funções por mim) e, posteriormente, foi
muito justamente nomeado embaixador na Colômbia pelo presidente Lula.

b) A "pasta rosa", como dito no artigo, se refere a supostos recursos de campanha destinados, antes de meu governo, a candidatos
parlamentares de vários partidos; o inquérito, no caso, competia à Justiça Eleitoral e a legislação nas eleições até 1994 era diferente da
atual, não sendo fácil, de serem verdadeiras as suposições, tipificar os atos como crimes eleitorais.

c) Quanto à alegada compra de votos para a reeleição, além dos acusados não serem do PSDB e terem sido objeto de inquérito no Congresso que
os levou à renúncia, quanto à insinuação vaga de que teria havido envolvimento de um ministro no processo de suborno, o ministro aludido foi
espontaneamente à Comissão de Justiça da Câmara e rechaçou as aleivosias. Nunca houve acusação formal ao ministro, que eu saiba.

d) No que se refere ao chamado "mensalāo mineiro", ainda "sub judice", minha opinião, independentemente de endossar as acusações, foi,
desde o início, de que deveria haver apuração e julgamento. Diga-se que, quando surgiu o caso, eu não era mais presidente.

e) Por fim, não existe um "cartel do PSDB" de São Paulo na compra dos trens ou do metrô. Segundo o relatório técnico do Cade, há acusação a
empresas que formaram cartel para operar tanto em obras federais como estaduais. Provavelmente houve suborno de funcionários desses dois
níveis de governo, mas não há acusação a partidos.

Ficarei grato se esta carta for publicada para assim complementar as informações do jornalista Elio Gaspari.

Cordialmente,
Fernando Henrique Cardoso

http://www1.folha.uol.com.br/poder/2014/10/1535002-em-carta-fhc-escreve-sobre-escandalos-em-sua-gestao.shtml