Empresa do consórcio da linha 1 (São Leo-NH) é investigada pelo MPF por formação de cartel para obras de metrôs

O editor pode informar com segurança que a TTrens, que no caso da extensão da linha 1 (São Leopoldo-Novo Hamburgo) do Trensurb, formou consórcio com Andrade Gutierrez, Norberto Odebrecht e Toniolo Busnello, está sob investigação do Ministério Público Federal, acusada de formação de cartel.

. Coube a TTrens o fornecimento de todos os bloqueadores de passagens.

. O caso inscreve-se no âmbito das mesmas investigações feitas para investigar possíveis malteitorias de grupos multinacionais como Altsom, Siemens e CAF.

. A chamada linha 1 tem outro problema, este relacionado com Alstom e CAF, que abiscoitaram o contrato de fornecimento de 15 novos trens para o Trensurb, sem disputar o negócio com mais ninguém.

. O MPF quer saber por que razão o primeiro edital de compra proibia a formação de consórcios, mas depois foi alterado, o que resultou em vitória do consórcio Alstom-CAF.

. A própria Dilma veio a Porto Alegre para assinar o contrato.  

8 comentários:

Anônimo disse...

E ai o ALKIMIM esta nesta tão bem
o já virou Petralha tbem...

Anônimo disse...

Investigação da propina tucana se arrasta há dez anos:

O processo que apura a propina dos tucanos em São Paulo em contrato firmado pela Companhia de Trens Metropolitanos (CPTM) com o consórcio Consmac, formado pela CAF e Alstom - investigadas por formação de cartel, ao lado da Siemens - demorou dez anos para ser analisado pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE) e pela Assembleia Legislativa de São Paulo. Em agosto de 2002, a CPTM contratou o consórcio para manutenção de 48 trens da empresa.


O contrato, no valor de R$ 154,67 milhões, recebeu três aditivos (em 2003, 2005 e 2007) e foi julgado irregular pelo TCE em junho de 2007

Encaminhada à Comissão de Finanças, Orçamento e Planejamento da Assembleia, a decisão do TCE passou pela relatoria de nove deputados e tramitou por cinco anos no Legislativo, até ser enviada ao Ministério Público de São Paulo, em novembro do ano passado.


Apenas com o deputado Bruno Covas (PSDB), neto do ex-governador Mário Covas, um dos relatores, o processo permaneceu de novembro de 2007 a fevereiro de 2009, e foi devolvido à Comissão sem parecer. Só em junho de 2012 o processo chegou às mãos do deputado Cauê Macris (PSDB), que reconheceu o voto do TCE e teve seu relatório aprovado pela Comissão e enviado ao Ministério Público, que instaurou inquérito civil em novembro passado para apurar responsabilidades.

(...)

Anônimo disse...

Só falta o Gurgel assinar a ficha do PSDB:

por Conceição Lemes

De uma coisa Roberto Gurgel não pode ser acusado: incoerência. Até o finalzinho do seu mandato como procurador-geral da República, ele foi fiel aos tucanos. A decisão a favor do senador Aécio Neves (PSDB-MG), que será candidato à presidência da República em 2014, é mais uma prova inequívoca disso.

Depois de manter na gaveta o pedido de investigação contra Aécio e a irmã, Andrea Neves, por dois anos e quase dois meses, Gurgel mandou arquivá-lo em 23 de julho.

(...)

“Na sua saída, Gurgel abriu inquérito contra deus e o mundo, menos contra os tucanos, em especial o Aécio Neves. Foi um ato político dele, partidário, mesmo”, denuncia Correia. “Enfim, o que temíamos aconteceu. Arquivou sem ao menos abrir inquérito para investigar. Agora só falta Gurgel assinar a ficha de filiação ao PSDB.”

Anônimo disse...

Só falta o Gurgel assinar a ficha do PSDB:

por Conceição Lemes

De uma coisa Roberto Gurgel não pode ser acusado: incoerência. Até o finalzinho do seu mandato como procurador-geral da República, ele foi fiel aos tucanos. A decisão a favor do senador Aécio Neves (PSDB-MG), que será candidato à presidência da República em 2014, é mais uma prova inequívoca disso.

Depois de manter na gaveta o pedido de investigação contra Aécio e a irmã, Andrea Neves, por dois anos e quase dois meses, Gurgel mandou arquivá-lo em 23 de julho.

(...)

“Na sua saída, Gurgel abriu inquérito contra deus e o mundo, menos contra os tucanos, em especial o Aécio Neves. Foi um ato político dele, partidário, mesmo”, denuncia Correia. “Enfim, o que temíamos aconteceu. Arquivou sem ao menos abrir inquérito para investigar. Agora só falta Gurgel assinar a ficha de filiação ao PSDB.”

Anônimo disse...

Esta empresa contratada pela Trensurb é a mesma envolvida em denúncias no RJ?

A verdade sobre os bondes da Lapa (RJ), provada com documentos:

• PROCESSO TCE-RJ nº 109.637-5/2005: Sessão de Julgamento em 18/08/2009: Conselheiros do TCE-RJ julgaram ilegal o contrato firmado entre a CENTRAL (Cia. Estadual de Transportes e Logística) e a T’TRANS – Trans Sistemas de Transportes e Logística, por irregularidades nos valores praticados e falta de transparência nas justificativas dos preços.

• ANÁLISE E CONCLUSÃO DO CREA-RJ (CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DO RJ) SOBRE O ACIDENTE DE 16/08/2009: O CREA avaliou os aspectos éticos e técnicos do ocorrido, concluindo pela existência de grave erro no projeto elaborado pela T’TRANS.

Transparência disse...

O que me deixa desconfiado é o fato de que a modalidade de licitação utilizada foi o RDC, Regime Diferenciado de Contratação que não cabe a este tipo de compra. Alem disso é o fato de que apenas a Alstom e a CAF participaram desta licitação. Mais interessante ainda é que antes de sair o resultado da licitação todos os diretores da Trensurb visitaram a Alstom e a CAF e os representantes destas empresas visitavam a Trensurb cotidianamente.
Pode ser coincidência, acaso ou maracutaia mesmo.

Transparência disse...

E o mais interessante é que os diretores só visitaram a CAF e ALSTOM mais nenhuma empresa.

Anônimo disse...

Se não foram constatados neste processo de aquisição de trens pela Trensurb indício de fraude ou ocorrência da irregularidade pelos órgãos:

• Controladoria-Geral da União (CGU)
• Ministério Público Federal (MPF)
• Tribunal de Contas da União (TCU)
• Conselho Fiscal da Trensurb
• Auditoria Externa da Trensurb
• Auditoria Interna da Trensurb

Será que a conduta dos diretores da Trensurb foi ética?

Onde termina o antiético e começa o ilegal?