Promotores e juiz falham na decisão de soltar os suspeitos do caso da médica baleada na Redenção

- A indignação do major Leandro Luz, chefe do setor de inteligência do CPC, deve e pode ser compartilhada pelos leitores. É verdade que o MPE falhou terrivelmente ao não formalizar o pedido para a decretação da prisão preventiva dos dois bandidos, mas o próprio juiz Mauro Gonçalves poderia perfeitamente corrigir a falha, inclusive porque tem poderes legais para fazer isto. Isto também é inaceitável. 

*Clipping www.zerohora.com.br

A informação de que os jovens suspeitos de terem participado da tentativa de assalto em frente ao Parque da Redenção, na terça-feira, que terminou com uma médica pediatra baleada, foram soltos pela Justiça causou revolta na Brigada Militar. PeloFacebook, o major Leandro Luz, chefe do setor de inteligência do Comando de Policiamento da Capital (CPC), desabafou.

"Eu preciso ainda, depois de tomar esse soco na cara, levantar de mais um nocaute, levantar da lona e levantar meus companheiros de serviço e ainda ir trabalhar amanhã sem qualquer tipo de frustração", escreveu em seu perfil pessoal o major Luz ainda na quarta-feira.

Ele também lembrou que ambos os suspeitos possuem diversos antecedentes. Por volta das 9h, o texto postado havia recebido 73 curtições e 59 comentários, a maioria deles a favor do policial militar.
Como o Ministério Público não formalizou o pedido para a decretação da prisão preventiva de Eduardo Paulon Madruga, 21 anos, e José Lucas Peixoto Mesquita, 18 anos, o juiz Mauro Caum Gonçalves, da 10ª Vara Criminal, determinou a soltura dos dois.

De acordo com a assessoria de imprensa do Tribunal de Justiça do Estado, a soltura veio acompanhada de duas medidas cautelares restritivas que exigem a presença de Madruga e Mesquita, de 15 em 15 dias, no Foro Central, para dizer o que estão fazendo e que os impede de sair de casa das 22h às 6h. Se forem encontrados na rua durante esse horário.

12 comentários:

Anônimo disse...

Numa empresa privada seria ato de demissão sumária. Na Justiça, como os proventos estão garantidos para o resto da vida, tanto faz ser omisso ou não. Acima de tudo foi nojenta a omissão.

Campao disse...

Juro que pensei que o Juiz tivesse alegado a Legislação Eleitoral. Tudo é possível nesse País.
Imagino perfeitamente o estado de espírito e o ânimo para continuar sua missão, Coronel.

Mas os semi deuses(quando não se sentem os próprios),naquelas suas enormes e confortáveis cadeiras têm essa capacidade: deixam de avaliar a ação e a periculosidade do bandido para se deterem nas minúcias do procedimento burocrático. Preocupante ,ainda, nessa decisão, é a própria integridade da Médica, vítima desses facínoras( agora protegidos).
do criminoso para aval

Campao disse...

Mas e o direito de ir e vir?
Entre 22h e 6h?
Só que cometeram o crime durante o dia.
Além do mais, essa de a cada 15 dias ir ao Foro é sinal de que não vão mesmo ter prisão preventiva. Coitados
Chamem os direitos humanos!

Anônimo disse...

De acordo com as novas disposições referentes a prisão preventiva, o juiz não pode no âmbito de inquérito policial determinar de ofício a prisão preventiva, somente a partir de requisição do MP, da vítima ou de representação da autoridade policial, conforme dispõe o art. 311 do CPP (Lei 12.403/2011).

Mércio Dietrich disse...

Boa tarde,

vergonha um juiz que tem a obrigação de pelo menos saber interpletar um texto,e por sua falta de voltade em ler, melhor, trabalhalhar, soltando bandidos. Veeeergonha, o juiz deveria ser preso por incompetência até a recaptura destes criminosos.

Grato. Mércio

Anônimo disse...

Esses tempos a juíza mandou soltar uns traficantes porque foram presos pela brigada militar, invez da policia civil, porque a brigada teria feito trabalho investigativo que compete a civil.

Os traficantes foram soltos, apenas ficaram aprrendidos a balança de pecisão, armas, drogas e dinheiro.

Já que a prisão foi ilegal segundo a ilustre juíza, tinham que ter devolvido os pertences dos
queridos, não é mesmo??

Pode isso??

É o fim da picada!!

A justiça não é mais a mesma, e a bandidagem agradece, e o cidadão de bem chora!!

Anônimo disse...

Salário elevado no Estado não significa, em nada, produtividade; ao contrário, quem morreria de fome na iniciativa privada, seja por preguiça ou falta de inteligência suficiente, se atira nestes concursos decorebas. O resultado está aí.

Luiz Vargas disse...

A Zé Hagah está mesmo decaída e decadente. Chamar dois homens bandidos de "jovens suspeitos" é a face de uma imprensa medrosa que faz genuflexão para a bandidagem e o crime.
Se fosse durante o mandato da Governadora Yeda Crusius este tal de MPE estaria na ponta dos cascos e os capas pretas mais ainda.

Anônimo disse...

O jeito é reclamar para o bispo.

Anônimo disse...


A BANDIDAGEM ESTÁ INFILTRADA EM TODOS OS SEGUIMENTOS, E MUITOS TRAVESTIDOS DE DEFENSORES DA SOCIEDADE. NO REGIME MILITAR HAVIA ISTO? HOJE QUEM TRABALHA NA SEGURANÇA, ESTÁ CONTANDO AS HORAS PRA ABANDONAR O BARCO. ESTE, INFELIZMENTE FOI O GOVERNO Q O ZÉ POVINHO E A BANDIDAGEM ESCOLHEU.

Anônimo disse...

ANALISANDO FRIAMENTE O CASO. QUAL SERIA A DECISÃO DO N.J. (NOBRE JUIZ)SE FOSSE ALGUM FAMILIAR, COMO A MÃE,IRMÃ...

cRiPpLe_rOoStEr a.k.a. Kamikaze disse...

Se um brigadiano atirasse nos meliantes, seria alvo de intermináveis inquéritos, enquanto qualquer bandido pusilânime atira praticamente para ver o buraco da bala, crente na impunidade.