58,1% não querem saber de exilados venezuelanos no Brasil, diz Paraná Pesquisas

O Paraná Pesquisas questionou aos entrevistados se deve haver a facilitação da entrada de imigrantes vindos da Venezuela: 58,1% discordaram da ideia, enquanto 29,1% foram a favor; 9,9% não discordaram nem concordaram e 3% não souberam responder.

Levantamento do Paraná Pesquisas divulgado neste sábado, cujo conteúdo completo o editor recebeu esta manhã, revela que 62,2% dos brasileiros são a favor de regras mais rígidas para a entrada de imigrantes, independente do país de origem, para o Brasil.

Só 27,7% são contra a restrição à imigração; 7,2% não concordam e nem discordam da medida e 2,9% não souberam responder. Leia a íntegra da pesquisa.

O estudo ouviu 2.020 brasileiros de 18 a 22 de fevereiro de 2019 em 164 municípios. A margem de erro é de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%.

6 comentários:

Anônimo disse...

só mi-mi-mi, povo brasileiro gostaria de ter orgulho com governo brasileiro fazendo realmente alguma coisa pelo povo venezuelano.

montaram uma operação para dar comida a maduro.

Anônimo disse...

Muita ingenuidade imaginar que estas comidas e remédios vão realmente chegar ao povo venezuelano que precisa.

Emmanuel disse...

De fato, é preciso restringir essas entradas sem critério.
SÓ QUE .... no caso dos venezuelanos - como em nenhum outro caso - temos uma responsabilidade moral, porque foi o dinheiro arrancado do contribuinte brasileiro que financiou a ditadura de Chaves e de Maduro ... Bem por isso, a situação é bem diferente de pegar qualquer um, só porque vem de país "amigo" - leia-se: ditaduras várias - e trazer para dentro; aí, não!

Anônimo disse...

Mandem de volta pro Maduro, pois aquilo tem democracia ate demais (by nine fingers), além de ter a maior reserva de petróleo do mundo, deixando pra trás até a Arábia Saudita.

Anônimo disse...

Venezuela é que nem aquele vizinho bagaço que incomoda, mas não morre...

Anônimo disse...

Nada contra o povo Venezuelano, mas não temos prá nós, no momento, temos que primeiro arrumar o país e algum dia,assim espero desesperadamente, cooperar com os países do mundo, que passam por dificuldades.