Murillo de Aragão, O Estado de S.Paulo - A renovação política em 2018

Caminho para alavancar uma candidatura não alinhada com o antigo será o das redes sociais.

A primeira barreira para a disseminação do novo, que chamarei de novos entrantes, são as regras atuais. O marco regulatório das eleições estabelece regras para a distribuição de fundos partidários e para o uso de tempo de televisão. Ambas são críticas para a campanha eleitoral e estabelecem uma situação de privilégio para as estruturas partidárias tradicionais.

Grandes partidos ganham mais verbas, mais tempo de televisão e, na maioria das vezes, mais prefeituras. O Fundo Partidário será o grande financiador, já que empresas estão proibidas de doar,

O relator da minirreforma política na Câmara, deputado Vicente Cândido, está prevendo uma verba de R$ 3 bilhões para os partidos. Ainda que tamanha indecência não seja aprovada, grandes partidos continuarão a ser fortes financiadores da campanha eleitoral.

Apenas no primeiro trimestre deste ano o PT recebeu mais de R$ 23 milhões do fundo. Já legendas como o Partido Novo, que não tem nenhum deputado federal, recebeu pouco mais de R$ 300 mil. Ou seja, o sistema privilegia quem está no poder.

Outro fator crítico é a máquina pública.

CLIQUE AQUI para ler tudo.

2 comentários:

Anônimo disse...

Renovação política com o povão apostando em lula corrupto para presidente de novo.Aqui é a corrupção,estes dinossauros da política e o zé povo burro e idiota botando estes ladrões do PT e Cia no poder.Só no Brasil isso.

Unknown disse...

Só se o povo escolher os candidatos!!!
Enquanto os partidos políticos os escolherem, será esta porcaria que vemos hoje!!!
Só mudarão as moscas... mas a merda continuará a mesma!!!