J. R. Guzzo, Veja de hoje: ‘Nós’ somos só isso

"Eles", a imensa maioria, não querem mais "nós" -


Há vários anos o Brasil se acostumou a ouvir do governo, das suas principais lideranças e dos chefes do seu partido que o país se divide em dois — “nós” e “eles”. Esse “nós” quer dizer, em resumo, o ex-presidente Lula, seus admiradores e os que mandam hoje na máquina do governo; segundo a visão oficial, representam todas as virtudes possíveis de encontrar na vida pública, e por isso são os únicos que têm o direito de governar. “Eles” são todos os demais, e principalmente quem não concorda com as atitudes e os atos do ex-presidente, do PT e do governo nestes últimos doze anos.
É uma maneira doente, em qualquer tipo de situação, de fazer política — não é assim que funciona uma democracia. Na situação de hoje, então, falar em “nós” e “eles” é um perigo. “Nós” quem, por gentileza? Faz parte desse “nós”, sem nenhuma possibilidade de dúvida, o tesoureiro nacional do PT, João Vaccari Neto, que vinha ocupando seu cargo com o apoio total de Lula e do sacro colégio do partido — e o homem, santo Deus, acaba de ir para a cadeia. Nunca antes na história deste país foi tão melhor ser “eles”.
A prisão de Vaccari é um desastre a mais numa série que parece não ter fim. O tempo passa, o mundo gira e viemos todos, a folhas tantas, dar com a situação que se formou nas últimas semanas: quando Lula, o PT e o seu sistema de propaganda, forçados pela presença da população nas ruas, tiveram de olhar em  volta de si mesmos, acabaram vendo que “eles”, como dizem, são muito mais numerosos do que “nós”. É como se descobrissem, de repente, que sua conta está errada: “Mas será que ‘nós’ somos só isso?”. Sim, são só isso — mais Vaccari.
Na hora de colocarem gente na rua, constataram que as massas populares que imaginam comandar não existem no mundo dos fatos. Contam apenas com os subordinados a quem podem dar ordens, tirados como sempre do quadro de servidores da CUT, MST, UNE e outros grupos que só vão para a praça pública se os chefes mandarem. Vão em ônibus fretados e pagos com dinheiro público, não trabalham, precisam receber lanche e mesada em dinheiro, jogam pedra na polícia, metem o pé no vidro de carros, derrubam latas de lixo; não sabem fazer outra coisa.
Já o que chamam de “eles” fizeram em menos de um mês as maiores manifestações populares que o Brasil já viu desde a campanha pelas eleições diretas, trinta anos atrás. Vão para a rua por sua livre decisão e por sua própria conta; na segunda delas estiveram presentes em 500 cidades. Quem, então, é a maioria e quem é a minoria neste país? A conta para valer, na verdade, sempre foi esta. Francamente: dá para acreditar que invasores de imóveis, bandos de mascarados que destroem mudas de eucalipto e outros grupos marginais representam a maioria da população brasileira? É claro que não dá.
Já a maioria verdadeira, que agora aparece em peso em todos os cantos do país, mostrou mais uma vez que águas quietas podem ser muito fundas. Praticamente ninguém, há pouco mais de um mês, seria capaz de prever que um chamado feito por voluntários anônimos pudesse levar multidões à rua; imaginar que 200.000 pessoas, por exemplo, sairiam de casa para protestar contra o governo parecia um completo disparate.
Parecia, mas não foi — o que, entre tantas outras coisas, serve para recomendar um pouco mais de humildade a todos os que imaginam que a vida se resume às suas próprias certezas, a começar pelo governo. Suas Excelências se acostumaram a dizer que são os primeiros e únicos, em toda a história, a representar o povo brasileiro. Estão vendo agora que nem o governo Collor, descrito pelo PT como o pior de todos os tempos, conseguiu reunir tanta gente contra si.
Lula e o seu universo estão com um problema e tanto. O que a população está exigindo nas ruas é mais complicado que o “fora Dilma” — quer um país que funcione, e isso nem Lula, nem Dilma, nem Vaccari são capazes de entregar. Será que vão perceber que a sua corrente de transmissão continua a girar, mas não está transmitindo nada? A ver. Ao seu redor, por enquanto, fala-se em “vitória”, porque houve menos gente na segunda manifestação do que na primeira.
Imaginam, talvez, que quem foi no dia 15 março e não foi no 12 de abril se arrependeu e passou a apoiar o governo nesse meio-tempo. Dá o que pensar — com mais duas ou três vitórias dessas o PT não precisará se preocupar com nenhuma outra derrota. É a vida. Como diz José Saramago, a cegueira é um assunto particular entre as pessoas e os olhos com que nasceram. Não há nada que se possa fazer a esse respeito.


8 comentários:

Anônimo disse...

Excelente texto. Políbio tenho todo respeito e muita admiração pelo senhor, que Deus lhe der saúde e paz.Região: Sertão do Pajeú. Pernambuco.

Anônimo disse...

Agora entendo o azedume diario do editor ele nem acorda e vai ler a veja e seus comentaristas.E o que é pior a pauta do seu blog e ditada por eles e mais meia duzia de outras empresas de comunicação jornalista e.blogueiro e jornalista autonomo sendo pautado ai é demais tem de azedar mesmo.

Anônimo disse...

Li, não lembro onde, que as pessoas inteligentes estão sempre com dúvidas. As que tem certeza de suas idéias são as idiotas. Portanto, concluo com algumas dúvidas, que Lula, o PT e os petistas, como tem certeza de tudo que falam e fazem é o correto, não passam de idiotas.

Anônimo disse...

Políbio, essa foto parece ser de algum lugar na India!
Uma coisa eu sei, que para os petralhas "eles" é a população que trabalha e faz o país funcionar e "nóis" é a elite política, formada por petralhas, pmdbistas, ppistas, psolistas, pcdobistas, pdtistas, ptbistas e outros incluindo os tucanos, líderes de "movimentos populares", 'donos' de ONGs, líderes católicos religiosos, empresários e juízes corruptos e corruptores, etc...

RUDI FRITZEN -REAL- disse...

CONTINUO ANDANDO COM MINHA MOTO, COM CARTAZ NA MALA ----- POVO CORDEIRO GOVERNO LOBO PREDADOR ------ À PRÓPRIA REALIDADE, HAJA VISTO LULA E SUA FAMILIA. REPENTINAMENTE BILIONÁRIOS, Q, DISSE SEU MOLUSCO LULINHA, É O RONALDINHO DOS NEGÓCIOS, E A IMPRENSA CHAPA BRANCA, ALARDEIA ISSO. PODEEEEEEEEEEEE. OU
IDIOTA SEU EUUUUUUUU

Anônimo disse...

nos 52 por cento vces os coxinhas gazelas 48 e vao apanha de novo em 2018 porque franquinhas gazelas gostam de tomar pau! kkk

Anônimo disse...

Petralha das 9:52 a cartilha do pt é tua leitura preferida

Anônimo disse...

É isso aí anônimo das 10:51
O petismo virou ptislamismo