Artigo, Milton Simon Pires - Ainda estamos aqui, seus desgraçados

É fundamental apontar entre os médicos brasileiros a existência de uma classe de canalhas, de um grupo de médicos capazes de fazer qualquer coisa (na prática deixar de fazer) a fim de receber uma “gratificação por cargo de chefia” no contracheque.A guerra que os médicos brasileiros estão enfrentando dentro da administração pública está muito longe de ter um fim.
  
As três frases que um médico brasileiro precisa conhecer para se tornar chefe de seus colegas no serviço público são: “isso sempre foi assim”, “eu não estava sabendo disso”, e “desde que fique bom pra vocês; por mim tudo bem”. Foi esse tipo de gente que tornou possível o advento de uma aberração como o Programa Mais Médicos. Filiados ao PIP – Partido do Interesse Próprio, mais de uma vez meus chefes garantiram que não tinham qualquer ligação formal com o PT. Acredito piamente no que me disseram! Não tenho qualquer dúvida da sua “independência” e até mesmo aversão ao partido dos petralhas, mas mesmo assim afirmo que são o tipo de gente preferida por esses bandidos para manter a administração pública sob seu controle.

A característica fundamental dos chefes, coordenadores, diretores, gerentes, ou seja lá qual for o nome que tenham essas criaturas que coordenam os serviços públicos brasileiros no governo petista, não é o fanatismo, não é a convicção no socialismo nem a militância política, mas sim a mais completa indiferença, omissão e negligência com o que acontece no seu ambiente de trabalho.

CLIQUE AQUI para ler tudo. 

10 comentários:

Anônimo disse...

Esses Petralhas e seus aliados devem ser varridos, tanto do governo estadual como federal, nas próximas eleições!

Anônimo disse...

Quem é o desgraçado o médico brasileiro que se nega atender nos pequenos municípios e postos de saúde das grandes cidades (e quando atende não cumpre horário ou falta o serviço) ou o médico estrangeiro que aceita ganhar menos, aceita atender nos postos de saúde das grandes cidades, cumpre a carga horária, aceita atender em pequenas cidades? Esse trouxa ainda acha que tem razão?
PS: o próximo passo e abertura de mais faculdades de medicina, ou seja, mais médicos, mais concorrencia. Tome trouxa.

Anônimo disse...

ESTAS TRÊS FRASES SERVEM PARA TODO SERVIÇO PUBLICO, E VAI ACOMODANDO AS PESSOAS, INCLUSIVE O EXERCITO E DEMAIS POLICIAS, ALGUNS NO COMANDO GANHAM UNS PILAS A MAIS E ADMINISTRAM PARA QUE NÃO SAIA DO CONTROLE.




EDUARDO MENEZES

Anônimo disse...

Petistas colocados nos serviços públicos só pegam as babas, ou seja,ser chefes em RH,Assessorias etc...Agora ser chefe do chão de fábrica,pegar o boi a unha,se indispor com os funcionários,nem pensar.Eles deixam para que os ditos conservadores tocarem o barco e manter a empresa em pé.Pior,ficam com normas que só pressionam o chefe direto, dar uma punição,desconto de dias por ausência ou uma avaliação baixa ainda tem que responder um jornal de justificativas,como se fosse vc o errado.

Anônimo disse...

O anônimo das 10:53 é nitidamente um imbecil. Na ótica dele, os médicos brasileiros devem trabalhar de graça em postos de saúde sem equipamento. O que o pobre coitado das 10:53 quer, é nivelar todos pela miséria.

Anônimo disse...

petralha das 10:53

medico estrangeiro nao aceita trabalhar no interior...

os cubanos, por exemplo, sao OBRIGADOS...

e os estrangeiros de outras nacionalidades nao tem outra opção...

e trouxe me parece ser você que, se não for da burguesia petralha, vai ter que ser atendido por esses médicos formados nessas tais novas faculdades de medicina abertas de supetão...

agonize em uma maca no corredor de algum hospital do SUS enquanto teus ídolos se hospedam no Sirio Libanes sendo tratados por alguns dos melhores especialistas que existem...

Anônimo disse...

Não vão para rincões remotos do Brasil porque:

1 - A localidade normalmente não não tem o mínimo necessário para clinicar como exames laboratoriais mais simples como sangue e urina
2 - As prefeituas normalmente só cumprem os honorários prometidos durante os 2 ou 3 meses iniciais
3 - Nessa região se o profissional é casado, dificilmente terá emprego para a sua mulher e escola de qualidade para seus filhos
4 - Não há planos de carreiras como a dos Juizes que contam para a sua ascensão dentro da sua área. No rincão atrasado também não há meios de aperfeiçoamento pessoal como cursos de aperfeiçoamento profissional.

Dilma só irá garantir os salários para o governo cubano para os seus objetivos escusos, ou ela irá aplicar contigências também para ele ? Vai fazer mais uma PAC ?

No fim só vai sobrar "medicos" cubanos de formação indeterminado pois não se aplica o Revalida, como escravos. Pior pode vir a exercer outras atividades totalmente alheia ao que foi concebida e criar sérias instabilidade ao país.

Anônimo disse...

o que tem que varrer é esta classe médica cambada de carniceiros sem vergonha

Anônimo disse...

Politicos e medicos sao a desgraca do Brasil. Bando de mercenarios que se julgam semi-deuses. Todos os Brasileiros deveriam umar um adesivo no carro dizendo. Antes que eu te atenda me diga sua profissao, pois se vc for madico vai ficar esperando horas antes de eu te servir com o meu trabalho. Um taxista me disse que a cunhada dele é uma das 3 maiores cardiologistas do Brasil, olha só... E sabia que nem eu, nem voce que lê sera atendido por ela, sabe porque, porque nao temos dinheiro suficiente, porque são mercenarios, meu pai faleceu nas maos de um merda destes, e eles nao se esquecem que quem pagou a universidade deles foram nos, os simples tralbalhadores, e depois de se formarem só querem dinheiro. Eque a populacao se foda, eles abusam do poder dentro de um hospital, o povo deveria se juntar e linchar a metade deles nas ruas, assim o que sobra teria vergonha na cara de colocar pessoas acima de dinheiro, pois ja ganham muito, e querem cada vez mais.

Emilio Konrath - Catamaram Mås disse...

O médico Milton Simon Pires, pois não sei se é doutor, não passa de um grande idiota, afinal acreditou na foto falsa do presidente Lula lendo um livro de cabeça para baixo.

http://www.alertatotal.net/2013/07/carta-presidente-dilma.html