Fortunati dá explicações inaceitáveis sobre "férias" a que não tem direito

- O prefeito José Fortunati mandou dizer ao editor que “embora com direito a 30 dias como todos os trabalhadores”, não tem gozado mais de 15 dias de férias anualmente. E lista os dias de “férias” que gozou nos últimos cinco anos como vice e prefeito: 49 dias. Sobre a nota, o que esclarece o editor: 1) Esta página faz críticas ferozes ao governador Tarso Genro, como fez ao governador Olívio Dutra, únicos governadores que se sentiram e se sentem no “direito” de gozar férias. Por isto não silenciaria em caso análogo, desta feita em relação ao prefeito Fortunati. Por que razão ? Por que governadores, prefeitos e presidentes não são “trabalhadores”, como faz crer a nota, mas agentes políticos (no máximo, são servidores lato sensu, e olhe lá). Não há lei que lhes garanta férias. Se tivessem os mesmos direitos dos demais trabalhadores, por que razão não contribuiriam com o INSS, FGTS, tendo direito até a aposentadoria ? Eles são eleitos para governar por quatro anos, sem interrupção. Se quiserem se afastar, podem fazer isto, mas sem remuneração e sem mordomias. 2) O editor não repercutiu a Rádio Gaúcha, porque não ouve a Rádio Gaúcha. É só usar as ferramentas de busca e pesquisar o número de vezes em que o assunto foi tratado. Seria mais razoável supor que a Rádio Gaúcha repercutiu o que o editor tem escrito.

Em relação a nota no blog de hoje, repercutindo manifestação da Rosane Oliveira na Rádio Gaúcha, esclarecemos que, desde que assumiu como vice-prefeito, embora com direito a 30 dias como todos os trabalhadores, o prefeito José Fortunati não tem gozado mais do 15 dias de férias nos períodos aquisitivos anuais, conforme pode ser constatado no boletim anexo, que é documento oficial e do qual destacamos este resumo:de 28/12/2009  a 11/01/2010 – total: 15 dias de 09/01/2012 a 23/01/2012  - total: 14 dias de 26/05/2012 a 02/06/2012 – total:  8 dias de 31/10/2012 a 11/11/2012 – total 12 diasChamamos a atenção que em cinco anos de atuação na Prefeitura foram gozados apenas 49 dias de férias.
Informamos, ainda, que o próximo período, que começa amanhã, tem duração prevista de 11 dias, devido ao encontro de prefeitos em Brasília, de 28 a 30 de janeiro, promovido pela presidenta Dilma. No período de férias, como prevê a legislação, a substituição será pelo vice-prefeito Sebastião Melo.

6 comentários:

Anônimo disse...

Acho que Fortunatti merece, sim, um descanso.
O homem é um trabalhador, e quando digo “trabalhador” não é naquele sentido muito usado pelo PT.
Deixa andar descalço na areia por quinze dias.
Ele merece.

Anônimo disse...

Só espero que ele tome uma providência severa com a situação das calçadas de Poa.
É ciclovia pra cá e ciclovia pra lá, mas as calcadas de pedrestes, em certos bairros estão ficando intransitáveis.
Falta regulamentação e punição.
Se um sujeito é proprietário de um, ou vários, imóveis, ele tem que ser responsável pela manutenção da calçada, ou não?

Ivo Leo Hammes disse...

Parabéns ao Editor. Fiscalizar é o que espero deste blog. Isto é bom, inclusive para o Fortunatti, que seria um bom candidato a governador. Do Atraso Genro não espero mais do que do Papai Noel.

Anônimo disse...

Parece que o Fagaça, digo, Fortunati não gosta nem "noticia", (quanto mais de critica) porque o que o jornaleiro, digo, editor deu apenas a noticia que ele entraria de férias.

Ao contrario que fez com Tarso Gernro, que além de dar a noticia, deu pau a baloque, juntamente com seus seguidores sanguinolentos.

Marcelo disse...

"O editor não repercutiu a Rádio Gaúcha, porque não ouve a Rádio Gaúcha. É só usar as ferramentas de busca e pesquisar o número de vezes em que o assunto foi tratado. Seria mais razoável supor que a Rádio Gaúcha repercutiu o que o editor tem escrito."

HAHAHAHA pausa...pausa... HAHAHAHA

Melhor ler isso do que ser cego.

Anônimo disse...

Até acho que o Fortunatti faz um bom governo.
Isto não lhe dá o direito de dar mau exemplo.
Pior; pelo seu levantamento eu já estou ficando preocupado, pois ele pode requerer que a administração lhe pague em dinheiro os dias de férias(que ele acha que lhe são de direito) não gozados, assim como já fazem os juízes.
E aí mais um rombo nas contas públicas, pois não faltará quem abone, mesmo não existindo previsão legal.
E o graaaande MPC onde anda?