Artigo - Ideb mostrou que ensino estadual, municipal e privado estão todos ruins

Mariza Abreu, ex-secretária da Educação do RS
Segundo os resultados do Ideb, divulgados pelo MEC, mais uma vez a posição da educação gaúcha não é confortável.
Não é fácil entender esses resultados, pois são apresentados em vários recortes: educação do Estado com todas as redes de ensino – estadual, municipal e privada; rede estadual; rede privada; redes municipais. Há também o Ideb de cada escola pública de ensino fundamental.
Em comparação com 2009, na 4ª série/5º ano do ensino fundamental, a educação gaúcha – consideradas todas as redes de ensino – piorou de posição entre as unidades federadas, embora permaneça acima da média nacional. Mas vejam só: a rede privada manteve-se na mesma posição, e a rede estadual melhorou. Com mais alunos do que a rede estadual nos anos iniciais do ensino fundamental, o que será que aconteceu com as redes municipais?
Na 8ª série/9º ano do ensino fundamental e no ensino médio, tanto na educação gaúcha como um todo quanto na rede estadual, os resultados foram ruins. Na 8ª série/9º ano do ensino fundamental, a rede estadual não atingiu a média calculada pelo MEC e, no ensino médio, diminuiu seu Ideb.
Na rede estadual é provável que a perda de posição da educação do RS, sempre atrás de SC e do PR, seja resultado da baixa capacidade de investimento do governo do Estado em educação, decorrência da crise fiscal e das despesas crescentes com previdência, e também, e por isso mesmo, da absoluta descontinuidade das políticas educacionais. A cada quatro anos, tudo recomeça.
Se ainda não fomos mais para baixo, é porque partimos de um patamar de muita qualidade no passado e porque os professores – a maioria deles, não a minoria sindicalista – ainda se esforçam no seu trabalho, apesar da formação insuficiente. Enfim, tínhamos "gordura para queimar" que parece estar terminando.
São também preocupantes os resultados da rede municipal de Porto Alegre.  Com maior investimento por aluno/ano do que a rede estadual e com melhores salários pagos aos professores, Porto Alegre não atingiu as metas do Ideb, continua atrás dos resultados do Brasil e da rede estadual gaúcha, e mal posicionada entre as capitais brasileiras: em 15ª posição entre 26 cidades na 4ª série/5º ano e em 16ª posição entre 24 capitais na 8ª série/9º ano do ensino fundamental. 
* Análise solicitada pelo editor. 

9 comentários:

Mordaz disse...

Será que Santa Catarina nunca ter sido governada pelo PT explique muita coisa?

Anônimo disse...

Olá Mariza Abreu, favor explicar:

O ESTADO DO RS TEM ATUALMENTE:
Dados de Servidores na Educação.
-96.586 - Ativos= R$ 171 mi/mês
-92.234 -Inat/Pens=R$ 198 mi/mês
Total= 188.820 Servidores que custa R$ 369 milhões/mês ou 36,31% do gasto com a folha na administração direta.

Dos 96.586 Servidores ativos, segundo dados somente 38 mil estão em sala de aula atuam como professor o restante 58 mil Servidores fazem de tudo um poco.

Obs.: O Governo do RS gasta somente em salários com os 386 mil servidores ativos e inativos 64% da RCL.

Diante destes números é impossível melhorar a qualidade da educação, pois arrecadação não da conta de salários,treinamento de professores
e infraestrutura escolar.

Infelizmente é a dura realidade, não estou jogando a toalha, mas vai ficar tudo igual ou talvez um tantinho melhor para não fazer terra arrasada.

Tá ruim mas tá bom......

Antonio

Anônimo disse...

Mordaz, o Paraná também !
Na verdade, o RS caiu nessa conversa mole de socialismo, participação popular, etc. e deixou de ter foco, de buscar a excelência, que já tivemos décadas atrás.
A tendência é que a queda siga firme nos próximos anos.

Anônimo disse...

O Estadual já era previsto. Mas o municipal, governado pelo PDT/PMDB nos ultimos oito anos é novidade.

Mais novidade ainda são as escolas privadas, cobram um barbarida dos alunos epagam pouco para os professores.

Anônimo disse...

Os numeros de POA comprovam que somente salario nao resolve o problema. Em POA os professores ganham bem, nas escolas publicas e nas privadas e o ensino é pessimo.
O problema não é salario!

Anônimo disse...

O que me espanta é o ensino "municipal" que éra referncia no Estado e os professores ganham muito bem, obrigado!!!!!!!!!


E ensino "privado" hemmmmmm!!!!!!Esse sim, cobram "muito" e ensinam "pouco" e também "pagam" pouco.


Viva a inciativa privada os bam-bam-bam da ética do mau serviço e dos preços altos. Baita 171::::::

Anônimo disse...

As escolas privadas nao tem culpa e sim as familias que ficam muito confortaveis com o fingir que ensinam e que educam. Se esses tradicionais colegios de POA passarem a exigir e a cobrar dos alunos ia ter quase todos os pais reclamando (conhecem a historia do to pagando quero meus direitos?) Cada sociedade tem o ensino que merece.

Anônimo disse...

O problema, meus caros, é que nem o governo, nem os professores são capazes de fazer milagres se o alunado definitivamente quer obter diploma sem estudar. Digo e repito: é preciso mais gente viver o papel de um professor, por alguns dias, ou horas para entender. Exemplo: sou professor de artes e para trabalho de avaliação, após estudo de determinado assunto, pedi um desenho livre com a aplicação da referida técnica (pontilhado). Isso em fim de maio. Desde então, venho cobrando semanalmente o trabalho de quem ainda não o fez. De 35 alunos, ainda há 6 que não o entregaram. Estou achando que o trabalho é muito difícil, para o próximo mês vou pedir uma folha lambuzada de qualquer coisa (...). Será que o resultado será melhor? Ou devo bater minha cabeça no muro ou virar papeleiro?

Anônimo disse...

Municípios pagam bem, é? Canoas do jairo jorge não paga o piso, a exemplo do seu companheiro Tarso, do estadual. e lá ainda faltam professores para completar o quadro das escolas, ou seja, agora até final de outubro não pode chamar ninguém devido às eleições, então vai ser um ano em que as escolas junto com os diretores apaziguados pelo prefeito que taparam os buracos de qualquer jeito. Rimou, porque é isso mesmo.