Artigo, Sérgio Vaz - O ensurdecedor silêncio de Lula

O sujeito que mais falou na História do Brasil de repente fecha a boca

O silêncio de Lula está impressionantemente, absurdamente ensurdecedor.

O cara é um falastrão. Um tagarela compulsivo, talvez doentio. Fala pelos cotovelos, fala mais que a boca.

Começou a falar no palanque da Vila Euclides, nas assembléias dos metalúrgicos de São Bernardo, e não parou mais. Perdeu três eleições seguidas e, entre uma outra, andava pelo país falando feito pregador no púlpito, feito camelô da Praça XV quando chega a barca.

Eleito, o que mais fez foi falar. Passou oito anos na Presidência fazendo no mínimo um discurso por dia. Às vezes três.

Mal foi liberado pelos médicos após o tratamento do câncer, voltou a falar.

Aí, a partir do meio-dia de sábado para cá, silenciou.

Um ministro da mais alta Corte de Justiça do país contou que, em conversa privada, Lula disse a ele que era melhor adiar o julgamento do mensalão. Na conversa privada, Lula falou sobre viagem dele, o ministro Gilmar Mendes, a Berlim – uma insinuação clara de chantagem.

A revista Veja começou a circular no início da tarde de sábado com as afirmações de Gilmar Mendes.

Lula, boca de siri. Caladinho. Nem um pio.

CLIQUE AQUI para ler tudo.

Um comentário:

Anônimo disse...

Isso que o ministro falou todo mundo sabe, mas ninguém com poder e prestígio teve coragem de dizer. O "modus operandi" da "petralhada" é esse desde de sempre... Agora com as mãos do Estado fazem isso com mais vigor, pois detém de "informações" PRIVILEGIADAS e usam contra qualquer um que tente se atravessar nos seus planos de enriquecimento ilícito e impunidade para os comparsas da grande quadrilha que se instalou no poder. Pena que outros tantos não façam o mesmo que Gilmar Mendes, pois se a metade abrir a boca derruba esse governo hipócrita, mas claro tem alguns com todo poder ganhando muito dinheiro com essa podridão.