Peste suína africana dizima rebanho chinês, o maior o mundo. Saiba o que o Brasil ganha com a crise.

A crise na suinocultura chinesa é causada pelo surto de Peste Suína Africana (PSA), doença mortal e para a qual ainda não há vacina ou tratamento, mas certamente o assunto está perturbando as lideranças políticas do país, pelos impactos que causa na soberania e segurança alimentares da China.

É o que informa a revista amanhã na sua newsletter diária. Leia tudo:

Ainda que os números oficiais divulgados sejam relativamente pequenos (1 milhão de animais abatidos), as previsões externas são assustadoras, de até 130 milhões de suínos sacrificados, com queda da produção de carne de até 35% (o equivalente em 2019 a 18 milhões de toneladas).

O Brasil tem se beneficiado com a crise, vendendo mais carnes de frango e de suínos, cujos preços no mercado brasileiro estão subindo muito.

CLIQUE AQUI para ler toda a reportagem.

8 comentários:

Anônimo disse...

É bom o Brasil ficar atento. Se aconteceu na China pode acontecer no Brasil. Não vejo no noticiário as autoridades sanitárias anunciando medidas extras de controle de doenças, transporte, importação de animais ou derivados.

Joel Robinson disse...

Cuidado que com as montanhas de porcarias que compramos da China pode vir nos contêiner essa peste e daí estaremos ferrados.

Anônimo disse...

FAÇA que nem eu, NÃO COMA CARNE, principalmente a SUINA, de todas a pior para o ser humano.

Anônimo disse...

Pois é. Exportamos produtos in natura e importamos bugigangas industrializadas.

Anônimo disse...

O brasil nao ganha nada com a crise porque brasileiro só sabe tirar vantagem de brasileiro, são capazes de vender o rebanho saudavel para os chineses a preço de banana se rolar uma propina pro politico de plantão.

Anônimo disse...

Realmente, os usuários do blog estão cobertos de razão, fala-se em faturar em cima da China, como sempre, mas não há preocupação na nossa segurança sanitária.

Anônimo disse...

Basta ter qualificação em todos Ministérios!
https://www.youtube.com/watch?v=Y2mXVJN-lWo&lc=Ugy-9rNI1pduJySPQ694AaABAg

Anônimo disse...

Vai haver impactos negativos nas exportação dos alimentos para os animais. Por outro lado, o setor de exportação de animais vai ter crescimento.