STF concede prisão domiciliar a irmã de Aécio e adia decisão sobre senador.

Os ministros do STF concederam hoje a tarde prisão domiciliar com uso de tornozeleira eletrônica para irmã de Aécio Neves, Andrea Neves.

Os ministros também decidiram que Frederico Pacheco, primo de Aécio, passe à prisão domiciliar com medidas cautelares." Por maioria, é provido em parte o agravo nos termos do voto do ministro Luiz Fux", disse o ministro Marco Aurélio ao proclamar o resultado.

O caso do senador afastado não será mais apreciado nesta terça e não tem nova data. Prazo depende do ministro relator, Marco Aurélio.

16 comentários:

Anônimo disse...

Hoje o editor está feliz.

Anônimo disse...

Se o Lula ainda não foi para cadeia, o Aécio também não precisa.

Anônimo disse...

Impunidade e lentidão da justiça marcam 12 anos do mensalão tucano:

Helena Sthephanowitz - 20 de junho de 2017 - RBA/DCM

Se o chamado “mensalão do PT” fez os jornalões criarem manchetes espetaculosas, analistas e colunistas fazerem ilações à vontade e foi assunto interminável nos meios políticos e jurídicos, o mensalão tucano, – apesar de ter menos réus e mais amigos no STF – ganhou da mídia tradicional o apelido de “mensalão mineiro”, para descolar o caso do envolvimento de figuras do PSDB. Mesma mídia que varreu o escândalo para debaixo do tapete. Pois o mensalão tucano segue parado na Justiça confirmando o receio de todos os que esperam do Judiciário uma atuação imparcial, pouco importando para o desfecho do processo as características pessoais do réu – como sua filiação partidária.
(...)
Doze anos após o processo ser apresentado pela Procuradoria-Geral da República (PGR), o ex-diretor da antiga Comig (atual Codemig, companhia de desenvolvimento do Estado), Lauro Wilson de Lima Filho fez 70 anos em maio e pediu, na semana passada, ao Supremo Tribunal Federal (STF) para ser beneficiado pela prescrição. Acusado pelo crime de peculato, seu processo estava na fase que antecedia o julgamento. Ele é o quarto réu que provavelmente deixará de ser julgado.

Na sexta-feira (16), fez um ano e meio que Eduardo Azeredo (PSDB), ex-governador de Minas Gerais (1995-1998), ex-presidente do PSDB, e atual diretor executivo da Fiemg (Federação de Indústrias de Minas), foi condenado –em primeira instância – a 20 anos e dez meses de prisão por peculato, corrupção ativa e passiva e lavagem de dinheiro, todos esses crimes cometidos no âmbito do mensalão do PSDB.
(...)
Em 2014, quando era deputado federal, ele renunciou ao cargo para que o processo voltasse à primeira instância, a partir da qual é possível um número maior de recursos. A tática deu certo. Azeredo pode vir a ser mais um impune do caso do mensalão tucano – em 2018 ele chegará aos 70 anos. Além disso, como ex-governador, ele recebe o salário nominal integral do cargo que ocupou: uma nada mal mesada de R$ 18,5 mil.

E se alguém acha que ainda vai ver algum tucano atrás das grades, essa possibilidade vai ficando cada dia mais distante. O processo também não tem previsão de julgamento.
(...)
Também impune está Claudio Mourão. O atraso no processo, a lentidão da Justiça e a falta de vontade política, beneficiou o ex-tesoureiro da campanha de Eduardo Azeredo, que é classificado pelo MP como figura fundamental na operação de desvio de dinheiro de empresas estatais dirigidas por políticos do PSDB no estado de Minas Gerais. Os crimes de peculato e formação de quadrilha, atribuídos pelo MP a Mourão, prescreveram em abril de 2014, quando o réu completou 70 anos.

Outra ação, esta contra José Afonso Bicalho, que dirigia o extinto Bemge (banco estatal de Minas) em 98, passou a tramitar na segunda instância em 2015. Em 2018, ele também chega aos 70 anos, e, ao que tudo indica, será mais um que ficará impune. Segundo o Tribunal de Justiça de Minas, o processo está em fase de instrução.
(...)
Empresário do ramo de transporte, Clésio Andrade, à época filiado ao PFL (atual DEM), foi vice-governador mineiro de 2003 a 2006, durante mandato de Aécio Neves. Ainda na década de 1990, tornou-se sócio, em agências de publicidade, de Marcos Valério. Em 98, ele foi candidato a vice-governador na chapa ao lado de Eduardo Azeredo. Clésio até agora nem sequer prestou depoimento porque entrou com recurso em que questionava a legitimidade de uma juíza para julgá-lo.

O processo foi aceito pelo Supremo Tribunal Federal em 2009, mas foi para o Ministério Público de Minas em 2014, após Azeredo e Clésio Andrade renunciarem respectivamente aos cargos de deputado federal e senador. No STF, Azeredo e Clésio são réus acusados por peculato e formação de quadrilha.

Ao que tudo indica, pelo menos até aqui, os políticos do PSDB envolvidos em casos de corrupção, continuarão a contar sempre com uma “ajudinha”, para continuar impunes.(...)

PS: Resumo da opera, alguém vai sentar em cima do processo do aécio.

Anônimo disse...

O primeiro comentário do Blog nesta reportagem Mitou....

Anônimo disse...

A tornozeleira eletrônica pode ser de diamantes... nada será como antes.. amanhã...

Anônimo disse...

E talvez muuuuuito mais feliz nos próximos dias, petralhete 17:19.

Mordaz disse...

Pizzaria Brasil.

Mordaz disse...

Um mês e o TSE não consegue chegar a uma simples decisão.

Mordaz disse...

O STF é rápido apenas para liberar a rosca. Para combater o crime é uma lástima.

Anônimo disse...

Fico muito feliz com a decisão da justiça.
Se a justiça não fosse conivente com isso eu ficaria muito preocupado.
Fico feliz que essa latrina esteja aos poucos voltando ao normal.
O congresso pelo visto hoje começou a voltar aos trilhos.
A republiqueta se reerguendo.

Anônimo disse...

Esses togados bolivarianus estão provando a quem servem. Agora só resta torcer para o Bolsonaro.

Anônimo disse...

Estás tendo orgasmos Multiplus....

Anônimo disse...

Sinal que as 'instituições' estão a funcionar.

Anônimo disse...

TOCADOS DA ORCRIM.... FAZEM OS BRASILEIROS DE VERDADEIROS IDIOTAS !

Anônimo disse...

Como manter preso se não foi decidido sobre o grosso da Passagem do Tsuname que assolou o Brasil? A prioridade deve ser o estrago maior.Ainda falta Levantar os Fundos de Pensão e o BNDESÃO, quando abrir a caixa preta dos investimentos fo BNDES, para Empresas amigas e paises de ditadores, quebrar o sigilo, aí sim deve começar a prender os menores.Petrobras, Pasadena, Refinaria Abreu e Lima que nem o Chaves confiou nos valores que apresentaram, alguém lembra que o acordo era para a Venezuela tinha que arcar com 50% da Refinaria e não deu nenhum tostão?

Anônimo disse...

Detesto petralha..são uns ingênuos ou sem vergonha...vejo que não e privilégio só de metralha...a imbecilidade é de ambas as partes...resultado...continuaremos um ppais de merda...a corrupcaor não vai cessar.